terça-feira, 23 de agosto de 2016

Um lugar a mesa




Filhos,

Não incomum na sociedade o convite ao banquete à casa de um amigo, a uma festa, a uma confraternização a alegrar-se momentaneamente por uma data e ou uma conquista. Muito destes convites traz a expectativa daquele anfitrião a também em uma oportunidade ser convidado a demais recepções junto aos seus convidados.

Cristo Jesus ao ser convidado a um jantar na casa de um nobre; pois era ele muito conhecido perante o povo e cream que Ele seria o futuro rei de Israel; pode observar àquelas pessoas e seus hábitos postos a mesa. Então observava o quanto o interesse dos negócios e a reciprocidade da sociedade tinham quanto à troca de amabilidade que dispunham naquele momento. Por isto, o Senhor naquela oportunidade disse aos demais integrantes da festa, “Mas, quando der uma festa, convide os pobres, os coxos, os aleijados e os cegos e você será abençoado”. E ao expressar tamanha verdade todos se calaram sem a oposição.

Esta passagem deve ser interpretada na sua grandeza e nela o Nosso Senhor nos atenta a ofertamos o baquete do coração nas virtudes sagradas com o interesse à prática exclusiva do que melhor possuímos e sem esperar o convite mutuo como são os interesses comerciais e egoísticos de uma sociedade. Ele nos ensina que neste convite é preciso ofertar os dons divinos existente na alma sem qualquer interesse, chamar a mesa quem não tem nada a lhe ofertar, pois assim é a grandeza e o maior sentimento da caridade.

Entendam que Jesus jamais fora contra a recepção aos amigos e aos afins, pelo contrário, ele nos orienta nesta bela passagem a praticarmos o bem e compartilhar o conhecimento e as conquistas eternas em prol da edificação das almas sem os interesses limitados, pois se ofertarmos algo com interesse à recompensa de que valera a sua intensão, pois aquele convidado ao invés de se sentir satisfeito se sentirá, em muitos casos, na obrigação de ofertar tal é à mesa.  

É fundamental não apenas ao bom cristão, e sim a todos os povos a conservação e a manutenção de um coração sempre benigno e afastado dos vícios que adoecem e corroí o espírito. A existência se faz sentido com a assistência que prestamos uns aos outros. Saibam que não somos uma ilha isolada no meio de um oceano, precisamos de todos, por isso é essencial colocarmos na vitrine as virtudes que nos farão servos do bem, como expor o melhor da paciência, da tolerância, da caridade, da justiça, da gratidão, da honradez, da assistência, do perdão e do amor sem qualquer permuta. E é nas virtudes sagradas que fará do homem o servidor da vontade divina e merecedor de um justo salario.

Autor: Bezerra de Menezes
Escrito por: médium Marcelo Passos, em 23/08/2016.



Nenhum comentário:

Postar um comentário