quinta-feira, 3 de março de 2016

Até logo, e façamos a nossa parte.



Filhos e filhas,

O encontro marcado com os desígnios de Deus diante a separação temporária pelo desencarne e ou pela reencarnação faz o sentimento oscilar dos que se dividem quanto ao voluntário desaparecimento temporário no curso da peculiar evolução. O progresso faz necessário deixar para a história pessoas e lugares para fundamentais conquistas tendo a evidência da eternidade. A esperança do reencontro é fazer a vontade divina quanto à responsabilidade exclusiva em tornar possível a pratica natural do bem e do amor à vida e ao próximo no entendimento e compreensão dos planos de Deus.

É saudade que permanece ferindo e trazendo a expectativa e a necessidade de um instante a mais para com aqueles que amamos. A separação é a lição divina a poder amar mais, é gratidão a Deus a valorizar todas as oportunidades disposta.

A escrita da história transformada em saudade mostra que não há como voltar um instante perdido e desperdiçado, a família e os amigos são as oportunidades da verdadeira emoção em poder abraçar, amar, sorrir, chorar, perdoar, beijar e acarinhar mais e sempre.

Não deixe a consciência absorver o remorso e a tristeza de que poderia ter abraçado mais, mas preferira a vaidade; poderia ter chorado mais de tristeza e ou de emoção, mas preferira à soberba; poderia ter amado mais, mas preferira o ódio; poderia ter compreendido mais, mas preferia à ira; poderia ter sorrido mais, mas preferira a raiva; poderia ter perdoado todas as ofensas, mas preferira o orgulho; poderia beijar mais, mas preferira algo mais supérfluo; poderia ter feito mais carinho, mas preferiu o desprezo.

O ritmo do destino é exclusivo e determinado pela vontade divina, não sabemos de amanhã, mas em algum momento haveremos de nos separar, e enquanto isto viva intensamente todas as virtudes sagradas para a felicidade para que no instante da dor na manifestação da saudade seja sim, das melhores e mais profundas lembranças.

Compreendam e valorizem o teu semelhante assim como todos os elementos da natureza e afinal fazemos parte desta unidade, ou seja, da criação divina. E lembre-se que seu irmão pode errar como você; pecar como você; odiar como você; chorar como você; sorrir como você; sonhar como você; salvar como você; amar como você; compreender como você, ser feliz como você. Por isto não desperdice a sua evolução desvalorizando ou desprezando o seu semelhante seja na família ou na sociedade conhecida e ou anônima. Somos partes da perfeição de Deus que de tão grande nos permite fazer parte de sua confraternização eterna na morada. Vamos ser feliz de verdade, pois é possível.

Bezerra de Menezes, escrito pelo médium Marcelo Passos.
03/03/2016.


Nenhum comentário:

Postar um comentário