segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Proporcionalidade




Com o critério com que julgardes, sereis julgados; e, com a medida com que tiverdes medido vos medirão também. (Jesus).
Irmãos,

A estrada existencial nos leva a um único destino, o reino de Deus, mas para se alcançar este objetivo não será uma caminhada das mais fáceis, haverá a necessidade de abraçar em cascalhos as oportunidades dispostas quanto ao percurso a atingir e a manutenção do seu ideal ser incorruptível quanto às forças pecaminosas que a todo o momento induz a falência do seu proposito, ou seja, o retorno à morada de Deus.

O belo roseiral não exibiria suas formas se não houvesse em sua estrutura os reais espinhos da manutenção de sua sustentação. E aqueles que desejam ter em suas mãos os belos contornos das rosas há de ter os devidos cuidados, compreendendo que mesmo que haja o zelo para com a retirada dos espinhos, as magoas ocorrerão, pois cada aguilhão representa uma experiência intrínseca da vida nos aconselhando sempre à proporcionalidade e o equilíbrio para com os impulsos, pois basta um erro para que sejamos feridos.

Então devo a todo o momento estar atento para não ser prejudicado? Sim meus irmãos, a caminhada não privilegia a desatenção, os erros e a ingerência para com a própria estrutura, afinal, a todo instante somos monitorados por forças que desejam a nossa corrupção no pecado para causar a cólera na sociedade como os fraternos já vivenciam com dor e lagrimas.

Perceba que o espinho que carrega em sua alma traçada pelo destino não será maior ou menor do que de seu semelhante, cada um carrega o conjuntivo proporcional adquirido por seu arbítrio ao longo de todas as estações, sendo que a retira destes ferrões e para não contrair novos será preciso paciência, perseverança, disciplina e fé. É sabido da dificuldade de extirpar estes dolorosos espinhos da alma, afinal, cada um traz a marca da dor, dificuldades e feridas e que muitas vezes nos acompanha por uma longa prisão, sendo muitas vezes mais fácil adquirir novos ao invés de retira-los.

E para não cometer a indiscrição e a injustiça para com seus semelhantes veja em você os seus próprios espinhos e avalie se o que carrega na alma é maior ou menor do que seu próximo. E assim sendo quais os desafios da retirada e de se evitar novos. Por isto irmãos, não seja autor de novos espinhos na vida de seu semelhante para não acumular em sua mesma estrutura. Enxergue como é difícil lidar com os seus próprios desafios, e para isto resista para não prejudicar o teu semelhante, lute para que os espinhos não sejam desproporcionais como aos que vier a oferecer ao teu próximo. Pare sempre para refletir seus atos e sentimentos, respire para saber o que fazer e pense no que falar e agir.

Bezerra de Menezes, escrito pelo médium Marcelo Passos.
19/10/2015.




Nenhum comentário:

Postar um comentário