terça-feira, 7 de julho de 2015

Estabilização



Toda paixão que aproxima o homem da natureza animal afasta-o da natureza espiritual. (Allan Kardec).

A encarnação é o processo natural humana no propósito do progresso eterno. A carne é o instrumento sujeito a absorver todo o reflexo de vivências e experiências pretéritas manifestada no presente com o objetivo de um amanhã melhor quanto às oportunidades divinas dispostas a todos sem privilégios exclusivos. E a todos a responsabilidade em assumir a sua responsabilidade quanto ao trabalho confiado e ao quinhão merecido.

Havemos de louvar todo disposto que Criador nos proporciona a evolução, o que nos é ofertado elevando a gratidão quanto à possibilidade de progresso devendo-se valorizar todos os benéficos instrumentos a disposição na prática do bem e proporcionar a evolução de toda uma sociedade.

A carne que por um momento se unirá ao espírito tornará a casa de todo um importante processo evolutivo, mas perecível, e com o tempo vai-se perdendo a sua resistência. Conforme indicado, havemos de honrar o disposto, compreendendo que o físico será apenas uma complementação da eternidade, mas que se juntará ao pó no instante da prestação de contas de nossa tarefa maior.

É arriscado quando da vaidade busquemos venerar este corpo modificando e zelando excessivamente na conservação em que com o tempo se deteriorará, lapso este que poderá se perder a oportunidade quanto ao trabalho confiado perante a sociedade e a evolução necessitando à ação. É belo ver um corpo sadio e belo, assim como admirar a estética de uma residência, mas se no seu interior somente há o vazio, a fachada será apenas uma falsa visão e quando da vontade de conhecer o seu interior vem-se a decepção de um espaço mal aproveitado.

Será importante manter a conservação da morada do espírito para que possamos realizar a obra com eficiência, e se não conservarmos com responsabilidade, a carne não resistirá ao tempo e impedirá pela doença o segmento da verdadeira evolução, o que acarretará na paralisação da caminhada havendo de retornar em uma ocasião para cumprir um período interrompido. A zelar pelo físico material, havemos de cuidar ainda mais pelo imortal espirito, acumulando o salário eterno quanto às obras que de fato nos será questionado. E ao chegar o momento de apresentar o relatório final e tivermos pouco a apresentar, haveremos de purgar na consciência às oportunidades desperdiçadas. E aquele irmão que se preocupa em velar egoisticamente pelo corpo e nada pela graduação do autoconhecimento e da prática da caridade, restara-lhe o choro e o ranger de dentes, e quanto à beleza estética carnal verá reduzida ao pó.

Busquemos a estabilidade da vida preservando a casa do espírito, mas preocupando-se mais com a ornamentação do interior fazendo do aconchego do espirito o conforto a si e daqueles que buscam algum descanso. Pode a fachada não ser atrativa, mas no interior certamente poderá se encontrar sabedoria, paz e uma alegria contagiante e o desejo de permanecer neste local. E  para essa realidade acontecer é preciso manter o ambiente favorável e buscar cada vez mais a renovação das virtudes sagradas.


Dr. Bezerra de Menezes, escrito pelo médium Marcelo Passos.

07/07/2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário