segunda-feira, 25 de maio de 2015

Postura



Aquele que pede a Deus o perdão de suas faltas só o obtém se modificar sua conduta.  As boas ações são a melhor das preces, pois os atos valem mais que as palavras. (Allan Kardec).

Na casa de meu pai há muitas moradas. Sendo que a cada uma delas a acessibilidade é possível a todos aqueles que buscam trabalhar em prol da benevolência em toda a sua concepção.

Diversos serão os caminhos percorridos pelo homem ao objetivo da salvação. Mas o que representa a salvação? É a busca da purificação e da libertação de todos os pecados substituindo-os pelo amor e pela felicidade plena sem os vestígios de sujidades do pecado e dos preconceitos que imunda a alma de muitos seres. Compreendemos que os seres necessitam do ajuste pessoal a atingir este sentido, e a cada etapa, e a cada estação que desembarcamos seguimos neste ajustamento, passando por provações e missões a atingir este fulcro. E nesta acepção compreende-se a necessidade da reencarnação com este objetivo, da salvação. Eis a razão que os irmãos encarnados e também desencarnados se deparam com seres em peculiares evoluções. E é oportuna a cada um a busca da compreensão ao próximo buscando superar as pontuais misérias. E quanto maior o conhecimento que se adquirem, maiores serão os desafios de poder provar que é divino seguir com as instâncias de Deus superação todos os desafios e em diligencia a salvação pessoal e daqueles seres que galgam a sua posição perante o Criador ao qual temos o dever de auxiliar no progresso fraterno.

Procuramos sem descanso o sentido da salvação desde a nossa criação sob a vontade de Deus. E ao tornar-nos existentes, somos colocamos em sociedade para fazer a vontade de Deus para conosco e para com os nossos semelhantes, bem como para com a regeneração do mundo. E é neste momento que começa os desafios do homem no sentido de fazer o melhor e resistir os males da tentação. Quando estudamos o iniciar da vida humana, compreenderemos as razões da renovação da vida na busca da purificação, quando identificamos este sentido na palavra do código divino, verificamos que quando desobedecemos à ordem de Deus, arcamos com as consequências, e que, dependendo da nossa ação, haveremos de percorrer um longo caminho a ajustar as peças do coração de volta ao caminho do certo.

O pecado original existente em cada um de nós traz o compromisso de fazermos novas todas às coisas, se o momento é de dificuldades, é porque os desígnios de Deus determina a nossa verdadeira condição na busca do aperfeiçoamento, aonde aliado às próprias condutas se refletindo nas consequências da realidade do presente. E quando não saldarmos até o último quinhão das nossas dividas, não seremos merecedores de fazer parte do Reino dos Céus sendo necessário nascer, renascer, progredir tantas vezes quanto forem necessárias, pois é assim que determina a lei de Deus.

Eis a razão de o espírito voltar a ser criança a cada estação desembarcada a recomeçar a sua oportunidade de regeneração, passando por todas as experiências a atingir o ápice para a vida eterna. Quando descemos na matéria perecível, essencial para o espírito, trazemos a bagagem de habilidades e débitos, mas como o espaço suficiente e incomensurável para aprender novas coisas e a dádiva do discernimento para afastar as tentações do maligno. Nesta aorta nos é permitido unir em igreja, a saber, e compreender a vontade de Deus, e mesmo assim a cada um a unicidade do crescimento em coletividade, ou seja, somos unos, mas dependentes para o desenvolvimento pessoal e da humanidade.   
E para se chegar ao final de cada terminal da presente estação e ter o crédito suficiente para aguardar a próxima viagem em paz e ao lado de quem ama e merecer os bônus merecidos de alívios e facilidades até atingir a condição angelical, é fundamental procurarmos mudar as posturas desacerbadas e errôneas que adquirimos ao curso da nossa caminhada e substituí-las pelas virtudes sagradas e fazer persistir e manter a sagrada igreja de Deus de amor no núcleo do nosso coração.


Dr. Bezerra de Menezes, escrito pelo médium Marcelo Passos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário