segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Em Busca da Felicidade





A felicidade não entra em portas trancadas. (Chico Xavier)


Ao compreendermos que somos os únicos responsáveis pelo momento presente em que vivemos sob a direta influencia da justiça divina, aonde as leis são iguais a todos e aplicadas individualmente, podemos buscar com resignação e obediência à reforma verdadeira de toda a nossa existência, buscando para si uma qualidade maior para com as obras que são oportunizadas pelo Senhor no proposito da nossa salvação para a eternidade.

A felicidade é uma busca permanente em todos nós encarnados e desencarnados neste infinito universo, entendendo que essa virtude não se mede em coletividade, a totalidade da sua instancia é uma busca individual e com importante influencia no meio em que estamos inseridos, por isto não há uma formula única para se viver a felicidade e a paz em todos os aspectos, sendo que a maior influencia diante desta construção parte do nosso maior sentido, à vontade e o respeito, essas são as maiores virtudes e as mais importantes qualidade do momento de nossa realidade e que nos faz matéria fundamental para entender e compreender tudo o que ocorre conosco e para com os nossos semelhantes com o principal objetivo da prática do bem em toda sua matéria a fazer-nos conscientes de sermos merecedores de receber as graças infinitas e das oportunidades reais de construir o castelo pleno de amor e fraternidade.

Nosso Criador a todo o momento nos oferece a oportunidade de viver o ápice da paz e da felicidade em nossa alma e nos ensinando que essa influência não se derramará sob o nosso espírito por acaso ou por mera magica ilusória, a majestade do amor somente será possível diante da busca que realizarmos para nós mesmos. A liberdade que o Senhor nos proporciona é a mais fascinante prova de que o amor é livre e que Deus nos permite escolher sempre o que melhor nos convenie e também nos mostrando que todas as nossas escolhas se transformará nas consequências de nosso momento presente e que traremos do passado débitos com as situações a serem superadas no presente, seja encarnados ou desencarnados, além de cumprir com as missões que assumimos junto ao porta voz de Deus que nos designará quais serão as nossas tarefas e também o arbítrio de aprender novas experiências e de fazer-nos hábeis a auxiliar uns aos outros sob o conhecimento que adquirimos diante das oportunidades a disposição sob a nossa vontade.

Não há quem desconheça as instancias do caminho do bem e do mal em suas reais tarefas e consequências e não poderão jamais se considerar vulneráveis e fantoches do destino e que estaremos exclusivamente regidos por uma força intrínseca que vão além de nossas vontades em relutar contra as forças negativas para seguir determinantes no bem de Deus.

O nosso discernimento e vontade partem da nossa própria busca e arbítrio e tendo a fé como trunfo fundamental para alcançar as vitórias, e muitos ainda que se aventure por caminhos considerados mais fáceis poderão a primeiro instante se iludir com uma falsa imagem de prosperidade, tendo como abundância os bens materiais a persuadir os filhos de Deus quanto da estada e permanência no caminho do bem e que o permitirá satisfazer suas lascivas, mas que não preencherá a existência com satisfação e muitos ainda desdenharão e mesmo zombarão das lições de Cristo pedindo para viver com humildade e simplicidade e amar uns aos outros e mesmo aqueles que possam reconhecer suas misérias e diante do desespero do abismo pedindo clemência e que sejam resgatados, muitos ainda se sentirão fracos e impotentes diante de Cristo quando ele vier ao seu resgate e lhe disser: “filho, venda tudo o que tem, distribua aos pobres e siga comigo para ter vida eterna”. E isto muito acontece por sentimentos inferiores ainda fazer morada na razão de muitos irmãos que não buscam a sensibilidade da vida e por ainda estarem submersos a astucia do maligno e encantados na ilusão da matéria e do vazio espiritual e onde não será possível compreender os sinais de Deus nas mais singelas fórmulas sagradas de alegria capazes de sustentar toda a nossa resistência, pois o caminho do mal tornará a base de sustentação ainda mais frágil e trará a eterna angustia de que há algo insuficiente para completar a sua existência.

A qualidade do presente e da felicidade estará sempre regida por nossas escolhas e também a disposição para fazer sempre o melhor, e para isto ser verdadeiro basta sermos obedientes a Deus e cumprir para com o destino, compreendendo que sempre haverá algo que não poderá ser mudado no nosso presente, e tendo a persistência e a perseverança de que algo poderá ser alterado, mas para distinguir basta permitir que Deus faça morada em sua essência para que tenham a certeza e a sabedoria para identificar mudando e assumindo as rédeas do próprio destino a guiar-nos para os caminhos que possam nos agradar.


Dr. Bezerra de Menezes, escrito pelo médium Marcelo Passos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário