segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Deus permanece em nós



A caridade é um exercício espiritual... Quem pratica o bem, coloca em movimento as forças da alma. (Chico Xavier)

Fora da caridade não há salvação, caminhar sobre este principio é fundamental a compreender a virtude mais sagrada do amor, este sentimento praticado e sentido é capaz de abrir todas as oportunidades para que a paz se estabeleça nos corações dos homens a promover a sua propagação a todo universo e buscando conquistar o coração dos homens a instiga-los a prática soberana da fraternidade que nos é dever estimular.

O desejo de todos, mesmo nas sujidades do pecado, é a salvação eterna e o merecimento de fazer parte dos escolhidos do Senhor, à vontade e a possibilidade é igual a todos, as oportunidades nos é dada para que este momento seja real em nossa existência, para alguns há a duvida quanto ao amor de Deus para consigo devido à situação em que se encontram diante dos conflitos diversos, muitos culpam a Deus, mas poucos reconhecem em si a própria responsabilidade de escolhas em que o momento que passa seja simplesmente as consequências das escolhas que se faz.

Deus não é vingativo, não é punitivo e não é intangível, ao contrario amados, ele é amor puro e incondicional, afinal, ele nos criou e como tal como poderia querer o pior para nós? Observem a si e veja que mesmo que esteja atravessando momentos de turbulências quantas beneficia ele conserva em todos nós, como a vida, a família, os amigos, o discernimento e principalmente os momentos que nos é favorável para reconhecer os nossos erros e caminhar junto a ele no paraíso da felicidade.

Deus é a justiça verdadeira, e ao praticarmos algo contrário aos seus mandamentos de certo que não ficaremos isentos das nossas responsabilidades, e os débitos que criamos haveremos de salda-los na íntegra, mas a benevolência do Senhor é tão soberana e o seu amor nos oferece o tempo suficiente que necessitamos para cumprir com estas pendencias, evidente que quanto mais rápido reformarmos as nossas ruinas, mas ágil será a credencial para a vida eterna ao lado do Criador desfrutando de todas as oportunidades meritórias e claras, e nesta condição progressista que nos favorece trabalhando fervorosamente para elevar a paz e ensinar a lição mais sagrada do amor uns aos outros e principalmente a aqueles que renascem para novas situações a cumprir com as suas tarefas.

Somos espíritos independentes criados na unidade do amor de Deus, e ao mesmo tempo dependentes uns dos outros nas necessidades de crescimento ao progresso pessoal, entendam que não há um irmão sequer que seja onisciente e capaz de dominar todas as matérias vitais, sempre haveremos a necessidade de auxiliarmos como também de sermos amparados e saibam que não há como construir a felicidade e de progredir vivendo no isolamento.

Somos anjos de uma só asa onde a nossa complementação encontramos em nossos semelhantes difundidos nas nossas famílias, nas nossas amizades, no nosso coleguismo profissional, nos nossos vizinhos, nos nossos desconhecidos e mesmo nos nossos desafetos. A necessidade de nos completarmos nos indica que a humildade é a nossa aliada perfeita a credenciarmos neste sentido, aonde a nossa missão de caridade se completa no amor com a compreensão em que havemos de doar sem olhar a quem, afinal nenhum irmão cruza o nosso e nenhuma situação que vivemos é por acaso, sempre vivemos a escola do aprendizado e do ensinamento que nos é devida conforme as nossas necessidades e com as habilidades que nos é dada a usa-las em beneficio coletivo.

Neste aspecto podemos vislumbrar que sentimentos inferiores que insistimos em manter vivo em nosso santuário como a vaidade, o orgulho, a inveja, o egoísmo e diversos outros comportamentos ruinosos, nos impede que a construção em equilíbrio da felicidade seja possível, afinal os conflitos que estes sentimentos são capazes de causar nos levam a cegueira quanto à vontade divina que sempre nos facilita a caminhada nesta rica existência para a elevação, e também nos enfraquece a nos arrependermos de todos os nossos pecados e caminhar à salvação como espíritos livres e a viver a realidade destas instancia nas obras do Criador. Sentimentos como estes que apontamos não permite que a humildade, que nos é fundamental, seja possível viva-la na sua acústica, muitos são os que a desdenha por crerem que a sua matéria seja incapaz de fazer com que as suas conquistas materiais lhe favoreçam o momento imediatista e com isto levando-nos a falência espiritual.

Há muitas divergências injustas quanto ao universo da virtude da humildade e a torna-la permanente em nossa existência, mas é preciso compreendê-la na totalidade da sua acústica para saber usufruí-la para engrandecer-nos em toda sua matéria.

É fundamental que pratiquemos a humildade em nossos sentimentos e atitudes, pois muitos creem que essa sensação faz tornar-nos vulneráveis ou mesmo que devemos aceitar todas as ofensas sem exercer o direito ao repito e ou mesmo que devemos permanecer inertes quanto à busca de melhorias, levando assim a falta de perspectivas em trabalhar o próprio progresso, seja no ângulo material quanto espiritual.

A verdade é que a humildade é algo totalmente contraria a essa concepção, este dom faz compreender-nos que não somos melhores que ninguém em nenhum aspecto e que as nossas necessidades em progredir são as mesmas que de todos os nossos semelhantes e que estamos no mesmo alinhamento e importância aos olhos do Criador e o que nos favorece são os conhecimentos e as habilidades que desenvolvemos para facilitar a nossa existência e dos nossos irmãos sem egoísmo e distinção. Podemos viver na simplicidade sem complicar o nosso caminho, basta seguirmos os mandamentos de Deus. O que não podemos deixar que a falência das nossas tarefas espirituais a serviço do bem ao ambiente em que estamos inseridos se sobrepõe a nossa obra e que jamais usemos o que nos fora confiado e devido a prejudicar os nossos irmãos, como recusar a atender as necessidades de quem nos procura pelo fato deste não ter nada a nos recompensar, e quem usa desta tática e destes artifícios aumenta seu debito com a corte celeste e será preciso novamente recomeçar a compreender o verdadeiro sentido do amor.

A tarefa espiritual ao qual devemos exercer não deve ser limitada apenas aos rótulos doutrinários disseminados nas mais diversas religiões do planeta de expiações, o verdadeiro trabalho espiritual que devemos operar está em poder ofertar o melhor de nós em tudo que nos é dado em confiança para a prática incondicional do bem em toda sua esfera e sem a distinção ou qualquer gênero, lembrando que somos filhos da mesma unidade e da mesma vontade do amor divino e das mesmas necessidades de amparo e evolução.

Tudo que praticamos levamos para a eternidade e quanto mais amor praticarmos maior será a nossa leveza e merecedoras oportunidades.


Dr. Bezerra de Menezes, escrito pelo médium Marcelo Passos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário