quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Equilíbrio




"A sabedoria superior tolera, a inferior julga; a superior perdoa, a inferior condena. Tem coisas que o coração só fala para quem sabe escutar!" (Chico Xavier).

Vive-se um contraste de sentimentos os irmãos habitantes do plante expiatório bem como no plano eterno na espiritualidade em diversas colônias em saber comungar a existência com demais outros irmãos em sintonia com o caminhar prospero, ocorre que muitas vezes quando se alcança um patamar de conhecimento e sabedoria alguns desencadeiam sentimentos mais agressivos para com aqueles que estão chegando e caminhando na sua evolução.

É importante cada um trazer dentro de si a consciência de que todos nós necessitamos passar por diversas etapas evolutivas para atingir o momento atual em que encontramos com a nossa sabedoria, todos somos sábios dentro daquilo que cada um busca a se aperfeiçoar, dentro desta concepção temos a lição divina que nos instruiu em adquirir conhecimentos e ao qual temos o sentido de elevar os nossos sentimentos a não se prejudicar com algo como a impaciência e a intolerância reinante em nossas praticas principalmente com as limitações e os pecados alheios, não é porque muitos atingem um grau significativo que esta imune às recaídas e mesmo as praticas primitivas da essência retrógada.

Jesus nos trouxe a essência da sabedoria para alcançarmos a eternidade no Reino de Deus e, além disto, nos deu seu exemplo de que tudo podemos desde que dentro de nós reine tudo aquilo que o Pai deseja de cada um de nós e principalmente a pratica do amor incondicional, sendo que este sentimento não esta limitada as manifestações sentimentais, é fundamentalmente praticado no ato de lidar e compreender os nossos irmãos e suas limitações.

Há uma hipocrisia do padrão comportamental na sociedade em condenar veementemente os erros e os pecados alheios como se todos fossem imunes a qualquer queda, onde se inclui as duas dimensões do plano de Criador, muitos praticam o erro pela ignorância como há aqueles que comentem pelo querer consciente, mas há de pensarmos sempre no equilíbrio do nosso cotidiano para não deixar-nos contaminar com essa prática viciosa e perversa, condenando o próximo até mesmo com furor ferino e impedindo que possam reparar seus enganos e recomeçar novamente a fazer o bem naquilo que aprendem com os seus erros.

Nosso Pai de soberana sabedoria nos permite sempre recomeçar do ponto onde caímos e de refazer a nossa caminhada com as experiências adquiridas e poder realinhar dentro do proposito designado a cada um a seguir a prosperidade da evolução atraindo para si todas as beneficias da boa semeadura a colher os melhores frutos da eternidade, mas para isto é necessário cada um fazer a sua parte e compreender que o seu próximo é tão fraco com ti e que merece e tem a mesma importância para Deus e que as oportunidades são únicas a cada um, o que ocorre com as diferenças são tudo aquilo que cada um proporciona para si, se há desigualdades múltiplas é porque colhemos este fruto conforme zelamos pelo nosso plantio e onde Deus nos permitirá recomeçar exatamente do ponto onde quedamos.

A sabedoria de que necessitamos para seguir neste sentido virtuoso não nos vem por conveniência artificial ou pura magica, essa é a realidade de uma virtude que é inserida e plantada no núcleo mais profundo e fundamental da alma, ou seja, é a semente verdadeira de Deus semeando nossos sentimentos e nossas ações por nossa vontade, essa semente esta em toda a parte e sua germinação é muito fácil, mas o que ocorre na sua maioria é que quase sempre não encontra a terra fértil em nosso coração para poder se desenvolver e ofertar os bons frutos do bem, mas muitas vezes demora a germinação da sua raiz em nosso jardim por encontra-lo concretado por nossos pecados que contaminados com sentimentos inferiores e perversos em que insistimos em mantê-lo a nossa oferta e não buscamos mudar pela acomodação e mesmo preguiça do insucesso como a inveja, o egoísmo, a intolerância, a condenação, a disseminação no ódio e todas essas sensações que estagnam a evolução e muitos perdem um tempo precioso para caminhar e evoluir, ficando a frustração e o arrependimento das oportunidades perdidas por não ter promovida a própria mudança e quando chegar o instante de prestar contas não terá nada a dizer a seu favor e tendo de esperar na fila o seu momento para uma nova oportunidade que virá conforme a vontade e o tempo designado pelo criador e enquanto isto cada um deverá refletir a inercia da própria evolução por vontade própria, onde nisto incluem-se o não perdão das ofensas, a sensibilidade de não ter compreendido as falhas de seu próximo para com você, de não ter perdido o perdão a quem ofendeu, de ter ganhado algo injustamente à custa da inocência ou da ignorância alheia, de ter se apossado de algo que não lhe era devido por usar a inteligência adquirida para praticas do mal, de não ter amparado os necessitados quando chegou a si clamando uma esperança que seja em um copo d’agua ou até mesmo num sorriso.

Amados são essas e diversas outras situações que praticamos por inferioridade que brotamos em nós mesmos e que nos faz solitários e tristes num universo de oportunidades de felicidade que temos a todo o momento para viver este estado de satisfação, perde-se muito por alimentar algo que podemos extirpar para ser feliz, como as misérias múltiplas das pequenas coisas que faz com que degustamos o gosto amargo do insucesso e da falta de novas oportunidades, sigam o exemplo daqueles que nascem num corpo limitado que aceita com resignação a oportunidade de reparar seus débitos e a você meus irmãos que desfruta de um corpo sadio com o espírito livre para comandar suas ações e seu ir e vir aproveitem a sua saúde plena para fazer e buscar ser melhor sempre e atrair para si outros mais para este comboio ao plano eterno de felicidade e amor ao lado de Deus, sinta se há algo melhor do que esta ao lado do Pai sendo amado e esta com quem amamos? Por isto aproveitem as oportunidades.


Dr. Bezerra de Menezes, pelo médium Marcelo Passos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário