terça-feira, 12 de agosto de 2014

Sem limites para o bem



           
            Todos nós temos a ciência da existência de uma luz esplendida em forma de homem que viveu entre nós e trouxe a fonte da salvação de nossas vidas, Jesus foi este homem, simples e de hábitos módicos que atraía multidões e causava fúria nos poderosos, sua passagem pelo nosso planeta ficou marcada para sempre na consciência de todos até mesmo de quem não acredita.

            Por onde caminhamos seja por qual dimensão vivemos do legado do escolhido especial de Deus, este homem representa o que Deus é para nós, bondade infinita e justiça real com a misericórdia do recomeço sempre a nos permitir mudar para melhor, com novas roupagens e lugares e sempre nos abençoando com pessoas a nos inspirar o crescimento e a pratica da fraternidade em todos os momentos.

            Jesus nos ensinou a simplicidade do bem e as formas mais logicas e iluminadas para a salvação no devotamento as obras de Deus e obedientes a sua vontade sem fronteira, mostrou o caminho e nos incentivou a pratica do amor incondicional, este capaz de desatar todas as armadilhas que a vida do mal persiste em querer nos prender nas suas misérias.

            No evangelho encontramos todas as formulas de salvação inspiradora e o caminho a percorrer, este caminho é Jesus que nos acolhe no seu amor e nos salva de todas as formas, a única coisa que necessitamos para isto é estender nossas mãos, reconhecer nossos pecados e redimir-se e não mais pecar, mas para isto havemos de superar os limites existentes em nós mesmos provocados pela fúria do pecado amargo das misérias que faz na vida de um ser.

Conhecer as passagens com lucidez do santo evangelho em suas inúmeras linguagens não é o bastante para alcançar a salvação, nem todos que dizem “senhor, senhor” entrará no reino dos céus e não terá a salvação imediata, sendo necessário passar pelo estudo da consciência e arcar com suas consequências das peculiares escolhas, muitos destes são tão miseráveis e pecadores do que aqueles que não conhecem uma linha das passagens do púlpito, como os sacerdotes fariseus da época de Cristo, tinham um conhecimento incontestável das escrituras, mas com os corações duros, preconceituosos e intransponíveis para a vivência da humildade, da caridade, da fraternidade e do bem os impediam de conhecer a verdade divina, como ocorreu com Jesus, o Messias prometido e tão pregado por eles, foi o mesmo crucificado por suas vaidades e orgulho, pois seus corações duros e amargos não os permitiam ver a grandeza de Deus nas pequenas manifestações de amor e muito menos em um homem de vestes simples e sem tradição familiar e a estes lhes couberam à eterna vergonha de ter condenado o filho de Deus, o salvador, já todos aqueles por eles eleitos pecadores e que foram excluídos da sociedade foram salvos por Jesus e tiveram o merecimento de subir na sociedade feliz no Reino de Deus, pois reconheceram seus pecados e suas culpas arrependeram-se e foram salvos e, muitos sem conhecer a literalidade das escrituras, mas praticou-se o verdadeiro evangelho que é a prática verdadeira do arrependimento e colocaram a serviço da sociedade as ações eficazes para o bem, pois louvaram a Deus como é esperado a todos nós, lealdade com trabalhos de paz e devotamento de respeito a todos sob o olhar celestial do Pai.

Fazer o bem não tem limites, é contagiante para quem o pratica e glorificado por quem recebe tão valioso auxilio em suas diversas formas e oportunidades. Fazer o bem não é difícil é simplesmente uma escolha e se você que oferta o bem recebe a ingratidão como recompensa sem duvidas é doloroso, mas não deverá ser motivo e objeto de impedimento de sua caminhada evolutiva, se acontecer siga o exemplo de Jesus que sofrera a pior condenação dos sentimentos, a ingratidão, faça como ele e perdoe, sinta-se iluminado por Deus, pois quem pratica o bem não tem motivos para se envergonhar e sim de encher-se do Espirito Santo de Deus na sua vasta misericórdia e justiça de amor incondicional.


Dr. Bezerra de Menezes, escrito pelo médium Marcelo Passos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário