quinta-feira, 6 de março de 2014

Nono Mandamento



Não cobiçaras o companheiro ou companheira de seu próximo (9º Mandamento da Lei de Deus)

            Os sentimentos instintivos em muitos irmãos têm extrapolado no universo carnal das fronteiras do respeito ao próximo e aproximando os seres do estado critico da sujidade do perverso quanto as más condutas frente às leis e a vontade do criador.

            Quando é designado um irmão ao outro no sentido da proliferação e da formação da família é instaurado o sacramento mais profundo do amor praticado e vivido nas suas mais variadas formas da convivência coletiva.

            Desde os tempos pregressos, acompanhamos a evolução das criaturas no sentido de unir-se ao dito sexo oposto para fazer das praticas a vontade do criador, desde que o comportamento seja descente a retribuir tamanha confiança depositada em nossas praticas corriqueiras. Quando despertado um sentimento mais aguçado ao outro é muito louvável, afinal, havemos sim de ter este sentimento universal, mas não olhado apenas pelo sentimento carnal, mas sim de desejar se aprofundar de um oceano majestoso que é a vida de outro irmão e poder assim seguir unindo as forças do bem para de frente a ofertas do mal suprir todas as suas tentações e encantamentos para a salvação divina no laço sagrado de amor.

            O enlace entre duas criaturas é abençoado pelo criador não apenas de frente ao sacerdócio e sim o resultado do designo que desde antes a encarnação já é traçado pelo Senhor para que se cumpra a nossa missão. Nenhum irmão que se aproxima de nós é em vão, temos missões e resgates conforme a importância e os desafios do irmão frente a nossa caminhada.

            Mas quando a família abençoada verdadeiramente pelo criador é desfeita pelos sentimentos mundanos a cargo do mal, e a pratica se concretiza na deslealdade dos sentimentos, não fere apenas seus companheiros e sim principalmente a Deus. Quem pratica de atos nocivos ao bem como este, peca principalmente contra o Senhor que determinou que uníssemos em unidade. Não é porque o planeta avança assustadoramente na moda contraria a vontade do criador que as leis divinas devem acompanhar este dito avanço universal, não, o que se prolifera são as ofertas malignas em torno da única vontade do criador e nossa principal fonte de renovação da vida humana, afinal, ao contrario dos seres como os animais que agem por instinto e mesmo assim cumpre mais as determinações do criador do que os ditos muitos evoluídos no tempo, os homens tem o sagrado sentido real do bem e do mal, pois não há um quem não pratique de uma ou de outra, mas quando a força de vontade da vitória pela real vontade do criador, a resistência do mal passa a ser a lição fundamental do espirito e não é porque estarão ao lado do criador que as tentações diminuirão e as graças serão eternas, ao contrario amados, a tentação surgirá com maior intensidade, pois sua meta é perder todas as ovelhas do criador.

            E é na perdição da família e na miséria instalada em muitos lares do planeta que o perverso se deleita a sua pratica e oferta, a destruição do lar atravessa sérios pântanos ruinosos e areias movediças no sentido da destruição desta sagrada instituição e neste molde que atenta este mandamento muito contravertido por muitos irmãos praticantes do bem que acabam com a família em nome de prazeres libertinos da carne nas praticas instintivas a prazeres passageiros.  

            Quem é o maior vilão desta pratica? Sem duvidas amados que não apenas este mandamento e sim todos os que englobam essa psicografia feita por Moises são contrariados pelo anjo negro do pecado, aquele que destoa toda a vontade divina e que deu a todos nós a sentença de viver na pele a herança deitada por nossos ancestrais no momento da sua criação, o que não se justifica a sua oferta ser acatada com facilidade por todos nós, fracos e evolutivos no progresso espiritual, temos nossas fraquezas e sentimentos voltados para o bem estar instantâneo, mas a verdade sem a devida experiência do sofrimento não haverá como alcançar a verdadeira graça divina, enfim, quem disse que fomos exemplos de comportamentos em vidas pregressa a atual encarnação, se ainda nossa evolução necessita que renascemos muitas vezes mais no planeta azul até alcançar a graduação necessária para subir aos mundos mais evoluídos na sociedade de Deus, agrademos a oportunidade de poder ver o sol nascer a cada instante na confiança depositada e a cada momento rever todos os excessos praticados contra o criador e buscar todas as fontes de redenção do pecado para merecer a divina providencia agindo com justiça a nossa caminhada.

            O companheiro ou companheira do outro por direito jamais poderá ser objeto de cobiça e alvo de desrespeito e deslealdade, pode até o irmão ou irmã não ter conhecimento deste mal praticado por seus protagonistas, mas a Deus nenhuma conduta é desprezada e são nas condutas presentes que estará o futuro de nosso espírito.


            Dr. Bezerra de Menezes, pelo médium Marcelo Passos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário