quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Afazas de uma sociedade



Tua descendência teria sido como a areia, teus filhos como os grãos de areia. Seu nome não teria sido exterminado nem pagado diante de mim. Isaías. 48,19.

            O abrigo de cinco continentes no planeta azul traz em suas moradas nações que se misturam no globo com costumes milenares que avançam por um tempo significativo em nossa historia, cada qual com suas respectivas crenças embutidas num padrão social peculiar que impera sobre uma nação.

            Porque havemos de conviver com tamanhas diferenças sendo que o caminho é único, a salvação para o reino de Deus? Como nossa existência, tudo faz parte de um plano divino ao qual não podemos de imediato sondar, mas nos é compreendido que o respeito é a nossa fundamental bandeira para viver-se com proficiência a vida que nos é dada a construir uma digna nação. Aos irmãos encarnados no instante faz-se importante viver a presente existência e aproveitar todas as oportunidades possíveis que são oferecidas para o crescimento espiritual, sendo nosso principal objetivo e a vida real e afinal na matéria planetária vive-se uma digna graduação, mas passageira.

            Costumes existem para que hábitos comuns seja o princípio para se viver uma distinta harmonia, louvável conduta social é necessária para que uma respeitabilidade e uma identidade de grupos inseridos num determinado país possa se desenvolver na pratica do bem comum, entre elas a vontade de Deus em colocar-nos diante de todos que havemos de respeitar os limites de nossas condutas. Mas os costumes traz uma nociva matéria ao apontamento contra os peculiares comportamentos de um individuo frente a uma sociedade, o que era para ser algo relevante para a paz transforma-se em guerras sem precedentes como podemos testemunhar ao longo dessa caminhada, povos não aceitam os costumes alheios e entram em conflito, principalmente quando há interesses quanto a reservas naturais de importante retorno financeiro, afinal, a lei do mais forte ainda impera no sentimento primitivo do individuo.

            Na sociedade pessoal há principalmente o regramento de um costume ditado e praticado como forma de organiza-se em um sentido e essa digital identidade para destacar um grupo frente a este aparente sentido de uma dita verdade, mas quando o irmão de posse do seu livre arbítrio destoa de costumes de seu meio, logo é achincalhado como traidor dos costumes e da moral, apontam seu comportamento e esquecem se analisar todo um contexto individual, isto se vive nas escolhas pessoais para se viver uma felicidade real, para Nosso Pai o que menos será avaliado são as escolhas pessoais, mais sim o que foi produzido de relevante e genuíno a sociedade e não por um costume imposta.

            Somos uma unidade e um único espírito moldado no períspirito para que se visualize uma identidade, nosso Criador novamente coloca-nos frente à matéria do respeito e da convivência para com as diferenças, a começar pela família em que somos inseridos, todos tem suas escolhas e costumes pessoais, mesmo que a interferência sobre o livre arbítrio seja usurpado por uma proteção familiar, mas somos seres diferenciados que havemos de comungar este crescimento e aceitar o outro como ele é, e trabalhar em conjunto para que um coletivo seja beneficiado pela construção e o que se pode fazer na sociedade, não há como obrigar ninguém a viver uma realidade egoística, o respeito é a matéria da paz, afinal sem ela não há como falar de amor, progresso e felicidade, pois todos esses sentimentos são a chave da liberdade e a ferramenta do bem social, havendo essa máxima no sentimento não necessitará o individuo de lei e costumes para cumprir a determinação e a vontade de Deus, somos livres para escolher nossa felicidade e a forma de vivê-la na intimidade, respeitando o próximo e suas escolhas, mas unindo a felicidade na construção do império para o bem.

Se um comportamento de um irmão for de encontro a sua natureza, quanto ao seu costume e de sua sociedade, mas isto não interfere na sua paz pessoal e não causa transtornos a uma sociedade, deixe-o livre para viver a paz e a felicidade que escolheu para si, respeite-o, afinal, não é agredindo o outro que se constrói uma nação feliz. A verdade será aproveitando ao máximo a produção do bem e vivendo feliz que será possível produzir a felicidade plena.

            Deus é muito maior que os costumes e as limitações sociais, ele abraça a todos os filhos sem distinção e quando estivermos de frente a ele e nos perguntar: Então meu filho, o que você fez e produziu de relevante para merecer o meu reino?  O que você responderá a ele?

            Respeitem os costumes, as escolhas pessoais, veja seu próximo como deseja que Deus olhe para você, a matéria é menos importante, o que se vive será para sempre e o espírito é o principal responsável pela condução e onde estará pela eternidade, cada tempo traz uma identidade e cada irmão uma única historia, qual será a sua?


            Dr. Bezerra de Menezes, pelo médium Marcelo Passos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário