quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Oitavo Testamento




Não dirás falso testemunho contra o teu próximo (8° Mandamento da Lei de Deus)

            Aprofundar pela natureza alheia na intimidade poderá levar a todos a conhecer quem verdadeiramente é nossos semelhantes, mas quando deferidos palavras munidos de preconceitos, com o coração repleto de trevas e manchas revelamos nossos profundos abismos em face de nossa caminhada.

            Quando se aponta erros de nossos páreos, de certo revelamos a face sombria do mau imperador em nossa liberdade atuando contra o proposito divino, onde sempre devemos prevalecer para o bom entendimento em busca da paz, da felicidade em harmonia coroando as bênçãos divinas atuando verdadeiramente em todos os nossos sentidos.

            Este mandamento deve ser aprofundado com muita seriedade em cada eu e encontrar essas sujidades que toma a dianteira da visão do bem e substitui-la pela tolerância e paciência, baseado no equilíbrio e fixando em nossas verdadeiras fontes divina a brindar a caminhada unida rumo à salvação no reino de Deus.

             Há de compreender irmãos, que todos os encarnados no planeta azul, mesmos aqueles que já atingiram o ápice da vontade de Deus nas suas ações e sentimentos, são espíritos em processo de crescimento e cada conhecimento é uma confiança depositada para possa trazer consigo outras almas perdidas pelo tempo e entregue a sorte vazia do mundo cruel aguçado pelas forças do maligno a perder as ovelhas do criador.

            Por isto que devemos elevar nossa consciência na paciência e não procurar ser impaciente com as limitações e fraquezas alheias, o mais louvável e esperado pelo criador é que quando deparamos com irmãos em situações de dificuldades é que auxiliemos nas suas falhas e ajude-o a caminhar para onde todos desejam ir, independente dos pormenores materiais que apenas serve de conhecimento e ajuda a poder crescer na vontade do criador.

            Nenhum irmão espiritual é dotado de poderes supremos como do Senhor que demanda todas as matérias e sabe apontar o caminho para todos os sentidos, vivemos uma existência de busca e de conhecimento para o bem e para viver no reino benévolo do criador e para isto não será o outro que mostrará o caminho da salvação, essa condição esta na liberdade de cada um e na matéria fundamentalmente ligada no trato com seu próximo e que designará o caminho da verdade e da vida eterna.

            Não há certo ou errado quando os caminhos percorridos são exclusivamente para o bem, não importa o credo ou mesmo os comportamentos individuais escolhidos para serem felizes e é na unidade como irmãos que caminhamos no progresso divino que tanto é desejado pela corte divina e pelos anjos que tanto labutam para que cada irmão atinja e preencha seus preconceitos e vazios com que tem assolado cada individuo, pelo preenchimento dos bons pensamentos e ações.

            Será que ao apontar os defeitos dos nossos semelhantes não estaríamos revelando também sérias dificuldades e revelando a face perversa daquele que quer perder os filhos do onipotente? Essa cultura de criticar e levar falsos tem acompanhado a humanidade por um longínquo tempo desde a criação, esse sistema revela o quanto ainda seus atores não evoluíram na graça divina e que necessitam evoluir muito mais.

            Como já revelado nos textos sagrados somos a imagem do criador, como todas as suas obras formando sua linda arte, por isto vamos visualizar no próximo com os olhos cheios do espirito santo e buscar na face alheia a beleza divina que cada irmão e cada sentido de belo que a vida possui e revela e quem se aproximar de você com o coração endurecido pelas marcas dos preconceitos e todas as fontes de pecado impregnado, mostre pelos seus bons exemplos que adquiram pelo conhecimento e pela vontade do Senhor como tudo é possível satisfazer a alegria na graça do criador.

            Tudo belo e lindo falar de Deus, mas poucos se encorajam para abraçar e mergulhar neste vasto oceano possível a qualquer um. Somos como os grãos de areias no mar, muitos ficam dentro dos mares recebendo constantemente sua graça e muitos outros do lado de fora esperando quando as aguas o banharão, qual a diferença? Os grãos que constantemente vive mergulhado nas águas vivem todas as oportunidades possíveis de agraciamento e os que ficam de fora recebem à proporção que lhe é devida e num instante possível, nem sempre estarão privilegiados. Assim somos todos nós, muitos que compreendem e vive com obediência as lições e coloca em pratica a vontade divina receberá constantemente o banhar das bênçãos, mesmo que possa ser agredido pelo mal, mas quem com Deus esta nada há de faltar e a justiça sempre estará consigo, mas aquele que vive entre os dois caminhos e não aproveita as oportunidades a todo o momento ofertado pelo criador e se entrega as primeiras manifestações do maligno a propiciar prazeres perecíveis e vivem a pratica do bem e do mal, principalmente aqueles que se revelem e se intitulam servos do Senhor nos templos religiosos, mas praticam a intolerância e apontam erros e levantam falsos, poderá ser banhado pelas águas divinas, mas não a todo instante, pois uma parte estará sempre seca e revelando a parte mais grosseira das camadas da falência do espírito e viverá a clamar sempre pelas bênçãos do Senhor e cada pingo d’agua será como um oásis no deserto, sendo que todos poderão desfrutar das bênçãos continua, basta viver as lições do Criador e desarme-se dos males sociais que consomem a todos na infelicidade e deixe o Senhor agir em você e verá o quanto se perde tempo sendo adversário de outro irmão ao invés de compartilhar a alegria em união.

            Nem ao mal e as suas perversidades devemos apontar e levantar falsos se emparelhando a sua insignificância, devemos ser e a todo o momento superiores, mas a superioridade do bem nas bênçãos e na fé em Deus, sem destratar o outro no pódio da arrogância e da prepotência onde muitos inseridos em posições hierárquicas cometem com seus ditos subalternos, isto é desrespeito, ao contrario da severidade em que seja necessário para salvar um irmão entregue as garras do mal e que nada faz para sair.

            Se errares nas tentativas de acertar meus amados, não desanime e continue a lutar, afinal, o Criador a milhares de anos tem trabalhado para que todos nós acertemos e não cessara sua batalha até todos serem salvos. Por isso, façamos cada um a sua parte.


            Dr. Bezerra de Menezes, pelo médium Marcelo Passos.

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Sétimo Mandamento



Não furtarás (7º mandamento da Lei de Deus)

            Subtrair qualquer bem de seu próximo, seja ele material ou imaterial como os sentimentos é uma contravenção à lei do respeito e peca contra Deus no sentido de limitar suas posses dentro do merecimento genuíno que jus fez por merecer, mas quando ultrapassar estes limites pode-se crer que com Deus inteiramente o autor não estará na sua plenitude, estará servindo o mal que a todo instante trabalha para impedir o progresso do povo de Deus.

            No tempo primitivo os seres de reuniam em agremiações humanas e protegiam suas nacionalidades distintas, adquiriam o que de melhor poderiam ter sem que para isto necessitasse furtar seu próximo, existia sim a luta pela caça e pela sobrevivência, mas numa frequência da necessidade pela vida, ao contrario que ocorre ao longo de séculos na humanidade modernizada, onde o discernimento do bem e do mal passou a fazer parte do raciocínio onde os atos pode sim ferir seu semelhante numa profundeza maior do que somente física e alinhada à presença da oferta maligna, a humanidade tomou rumos distintos ao proposto pelo criador para a salvação dos seres.

            Perguntam-se muitos os irmãos encarnados: Se Deus nos criou a sua vontade e harmonia, porque havemos de passar por tantas privações, desafios e constantes mutações de comportamentos para nos salvar?  De fato irmãos que a rotatividade da vida é necessária para que salvemos as espécies que ao longo do tempo tem se perdido pelo pecado, desde mesmo as primeiras manifestações de vida humana, onde o homem já de influencia do mal contrariou a vontade de Deus e desde então as gerações futuras tem de labutar para reparar os débitos e elevar-se na confiança divina e na lealdade, assim também como nossos atos reflete-se no progresso na vontade divina e pela misericórdia havemos de melhorar sempre, por mais que nossos semelhantes possam não acreditar em nós e que podemos mudar sim para melhor, nosso Senhor nos dará todas essas oportunidades quantas vezes forem necessárias a atingir a perfeição de seus desígnios, pois ele acredita em mim, em você e em todas as suas criaturas e também as provações são necessárias para resistir e defender-se pela fé que tanto dizem possuir e nos momentos de tribulação colocando o bem sempre à frente, mesmo que o mal nos machuque ou mesmo interrompa nossa caminhada, mas aquele que confia nas promessas encontrará a justiça no Senhor.

            Voltando ao sétimo mandamento, vemos ao longo da evolução que a usurpação do bem alheio tem se tornado cada vez mais comum, onde no aguçar da posse sem precedentes tem feito o homem estagnar no tempo e retroagir na forma primata de sua vontade, com o agravante do crime consciente da pratica do mal, quem por merecimento adquire bens seja ele qual for, desde que o certo esteja sempre nas ações o Criador dará sempre a sua benção, desde também que o bem da caridade esteja aliado a que concedido pelo esforço e pelo trabalho dignificador, ou seja, aquilo que possui deve ser uma parte revertida à doação, não simplesmente a oferta pecuniária, mas sim o que se pode fazer de relevante ao bem da coletividade.

            A doação do que se adquire é um universo de possibilidades que possa gratificar-se e devolver ao senhor a confiança da matéria que nos oferta e no proposito do dizimo em sua matéria do bem, sendo que a doação por valores financeiros é sim possível, principalmente no planeta onde as moedas são fonte de trocas e de bônus pelo trabalho, mas essa oferta é uma possibilidade dentro de um universo que temos de honrar com o pai que nos condicionou ao empréstimo de bens que tanto almejamos no progresso e principalmente na vida e no discernimento que nos é agraciado na graça divina em tornar o planeta cada vez mais prospero.

            Pelo sentido material da doação, se o irmão adquire um automóvel pelo merecimento de seu esforço, ele poderá doar e facilitar a vida de outro irmão pendente de deslocamento a encurtar sua caminhada, se tem um salario poderá auxiliar o outro nas suas necessidades, desde claro o outro esteja em necessidade real e não de posse da má fé a querer barganhar vantagens indevidas, pois isto também se caracteriza subtração de algo que não lhe é de direito, ou seja, usam de artimanhas para ter algo indevido, quem pratica tem suas responsabilidades, quem é vitima tem a justiça divina ao seu lado. Se tiver uma profissão seja qual for, poderá auxiliar o outro nas suas necessidades e desinformação a se nortear sem que esteja simplesmente condicionada a vantagens pecuniárias, o medico não pode deixar de salvar uma vida se a vitima não tiver proventos para subsidiar seus honorários, o pedreiro não poderá deixar de salvar um lar em desmoronamento e de sua habilidade escorar as paredes se ocorrer o mesmo procedimento sem a condição da diária no desespero alheio, assim é em todas as áreas humanas.

            Se um irmão tem uma ideia ou um projeto renovador seja ela no ambiente de trabalho ou qualquer outro meio, mas que possa tornar a convivência melhor e a competitividade da vida material a frente de outrem, de o devido mérito ao seu idealizador, aquele que toma lugar que não lhe é devido, também comete a contravenção deste mandamento. Aquele que usa da força animal para facilitar o progresso e não dá o devido reconhecimento e dignidade ao animal, também estará furtando o limite desde ser sagrado. Se Deus confiou sua vida para o bem coletivo e quem transgrida cometendo o mal, furta a confiança do Senhor.

            Aquele que agride o outro por suas crenças seja ela de qual natureza for pelos que praticam a intolerância frente ao comportamento e escolha individual de seu próximo ao combustível real da felicidade pessoal a serviço do bem social, estará também furtando algo, o livre arbítrio ao serviço bem.

            Não existem pequenos ou insignificantes furtos, o que não é de direito possuir, principalmente do outrem vai contra Deus, quando usam de esperteza para desfavorecer o seu semelhante por lapsos diversos, também furta a boa fé.

            Essa pratica do instituto do furto fora inserido como normalidade na sociedade como pautasse pelo direito, não, a lei de Deus não deve ser comparada como a dos homens que necessitam mudar para se adequar a modernidade do progresso perecível da matéria, a lei de Deus é única e imutável, os irmãos que devem a todo o momento se adequar a ela se realmente desejar a salvação e o atender a vontade do Pai.

            Essa mensagem meus amigos fora construída de uma vontade universal, desejo que os leitores deixem de lado o rotulo religioso e procure não acatar a tudo exposto como regra, mas que possa assim como todas as mensagens não apenas essa, mas todas aquelas proferidas de coração seja de qual grau de instrução humana for, de qual natureza religiosa, mas se expressada com o amor que Jesus Cristo tanto quer pratiquemos, use-as para elevar para o bem não apenas no sentido egoístico, mas que possamos todos em harmonia desfrutar da graça da tranquilidade e do sossego do espírito e ter a segurança que pelo bem praticado não há o que temer as investidas do mal, afinal, a justiça divina sempre favorecerá o praticamente do bem.


            Dr. Bezerra de Menezes, pelo médium Marcelo Passos.

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Sexto Mandamento



Não adulterarás. (6º Mandamento da lei de Deus)

            Neste sexto mandamento vamos aprofundar na relação humana de lealdade quanto à interação ao respeito mutuo que sempre deve prevalecer pela máxima no comportamento universal para que se alcance a harmonia e a paz que tanto é clamado pelos habitantes do planeta.

            Como toda a vontade do criador devemos abrir os nossos horizontes para que nosso comportamento esteja em sintonia com os planos divinos, quando neste mandamento surge-se para não cometer adultério atentamos não apenas para a relação afetiva entre irmãos que de enlaçam em matrimonio conjugal, esta na paridade da comunhão como o respeito e a participação ativa nos interesses da sociedade em que estão todos inseridos, quando cometemos a ingerência de contrariar a confiança de outro irmão, independente do grau de intimidade, cometemos adultério sim no sentido interpretativo da traição, ou seja, contraiamos a confiança de quem tanto confia a nós suas particularidades e mesmo amizade.

            Quando toma para si irmãos para o enlace matrimonial, há de se ater para a lealdade obrigatória do respeito ao companheiro ou companheira que se une na formação sagrada da família, formando-se assim a continuidade da vida e da missão que se responsabiliza frente ao criador e a pessoa que esta ao seu lado, a união indestrutível ao homem é abençoada por Deus não apenas na coroação dos sacerdócios e sim na convivência leal e do respeito que imperam sobre o lar da vida. A confiança jamais deverá ser perdida por interesses primitivos e pelo desrespeito e não fazer o outro sofrer, a união deve prevalecer para o equilíbrio, onde um é fraco o outro complementa com sua força e vice e versa, este é o sentido da união sempre caminhando para o auxilio continuo da vida.

            Querer conhecer o outro irmão e aos interesses em tê-lo como companheiro para toda a vida deve em primeiro momento colocar a frente o respeito e os limites das fronteiras da vontade, ater para a bagagem que o outro carrega, ou seja, todos têm uma historia ao qual se deve conhecer com atenção, como também temos nossa existência e experiências acumuladas, as naturezas comportamentais jamais deve invadir o livre arbítrio pessoal e usurpar a liberdade alheia, devem-se todos se respeitar e se isto não for cumprido, o insucesso das relações será iminente e a destruição do instituto sagrado da união de Deus formará a grave crise familiar que está instaurada na sociedade.

A falência da família ao longo da historia humana tem preocupado com bastante tristeza a Deus e aos irmãos espirituais que conhecem o sentido real da união verdadeira e que ao longo deste tempo tem lutado com todas as forças para que essa contravenção seja revertida em favor da família, o adultério nesta matéria tem sido assustadoramente praticado por seus cônjuges na modernidade do planeta, como se a pratica fosse natural, ao contrario, quem comete o adultério contra a família, peca contra Deus, pois o que ele une e abençoa como fez a Maria e José, são indestrutíveis, lembrando que a união esta na lealdade e na edificação diária do bem, não apenas entre o casal e sim pelos frutos produzidos pela união. Já nos templos há a benção valida em nome do criador, mas quem determina e abençoa a união verdadeira é o Pai eterno, os procedimentos religiosos são meramente formais diante dos comportamentos sociais frente à vontade real de Deus e ao respeito majestoso da convivência e da construção permanente da união. Há de nos alertar que a satisfação carnal não é a máxima da união de Deus, é consequência, mas a profunda realidade é no enlace da formação da família, na luta diária para o aconchego do lar, do amparo ao outro nas suas fraquezas e no equilíbrio e proliferação da vida.

Os obstáculos da união serão muitos, como na vida material que proporciona o estagio planetário do espírito, assim como todos lutam para supera-los nas suas individualidades, deve-se lutar com a mesma força para a manutenção da vontade divina na união da força do bem.

Não há o que se debater contra a vontade divina em nome de sentimentos e necessidades egoísticas a satisfazer algo que é subjetivo a profundeza da alma e no compromisso assumido perante o criador no momento em que ele apresenta aquele ou aquela que formará a família abençoada da sua vontade. Necessidades carnais nada mais é que algo primitivo da alma que ainda persiste em aflorar na vontade do homem moderno, todo excesso praticado é nocivo, agora, se a energização do corpo e da alma necessita desta pratica, pelo menos respeite o templo da sua alma e o santuário alheio e não use deste recurso como forma de colocar seu semelhante em situações vexatória e humilhantes, afinal, toda ação da criatura humana é considerada e as responsabilidades serão proporcionais a que expomos nossos páreos.

Para muitos leitores essa crônica é impossível de se tornar cotidiana na vida moderna planetária, pois as praticas sociais levam para outros caminhos, mas reforçando a máxima de que o livre arbítrio é lei e é pessoal, assim como a satisfação plena da felicidade somente é possível se sentir pessoalmente na alma, sabendo que Deus não nos obriga a nada, mostra caminhos, mas a vontade individual e as escolhas são livres, afinal, a vida é repleta de escolhas, como também de consequências.


Dr. Bezerra de Menezes, pelo médium Marcelo Passos.

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Quinto Mandamento



Não matar – 5º mandamento da lei de Deus.


            Quem nos deu o maior bem da nossa existência é o único que tem a autonomia para tira-la no tempo que efluir sua vontade, essa é a vida, tão sagrada quanto nosso amor ao criador e nossa obediência a sua vontade, principalmente neste planeta conturbado com a oferta do mal, mas temos o dever de restaurar os sonhos e preparar o mundo para as futuras gerações poder desfrutar o melhor que poderão usufruir.

O mesmo mundo que nos acolheu na encarnação é o que deixaremos para a história, cada momento traz consigo significantes conquistas tanto no campo material e principalmente espiritual, onde vários comportamentos foram se modelando ao longo dos séculos e permitido a facilidade de propagar o bem. Muitos irmãos no tempo regresso tiveram relevantes conquistas com o limite de seu alcance e o que dirá neste tempo onde as facilidades estão ao acesso de muitos e porque não fazer um pouco mais de esforço e fazer do planeta uma grande fraternidade.

Neste quinto mandamento também um dos mais afrontados pelo homem no convício social, o matar outrem, este sentido não esta exclusivamente relacionada à interrupção da vida física, há muitas mortes que se pratica cotidianamente que impede com bastante proporção do bem coletivo e o desfrute da harmonia espiritual que deve prevalecer sobre o coração dos homens.

A morte está nos sonhos pessoais quando contrariam conceitos egoísticos de outros irmãos, zombam do outro por quererem viver um sonho, mesmo que aparente utopia como a paz no planeta, de projetos relevantes para o bem nas intenções genuína sendo recebida com desconfiança e cólera na maior parte das pretensões, a morte de homens públicos que almeja uma nação prospera e feliz sendo ofuscados pela corrupção gritante que adoecem a saúde de suas nacionalidades, na morte da felicidade interrompida pelos preconceitos individuais a ditar normas e costumes comportamentais que amordaçam muitos a desfrutar deste bem exclusivo, a morte da elevação social de muitos irmãos que são impedidos de alcançar por egoísmo e inveja de outros que trabalham para imobilizar qualquer ação de outro irmão no progresso e principalmente quando este desenvolve habilidades mais profissionais que possa ameaçar aqueles que estagnam no tempo, vemos muitas mortes ocorrendo principalmente no palco onde a vida deva ser maior valorizada, nas doutrinas religiosas, que dizem viver o evangelho de Cristo, mas muitas vêm usurpando a liberdade em regras arbitraria e longe da vontade divina e outras novamente na coroa de suas ideologias regidos pelos preconceitos declarados, apontando erros como autoridade lhe fosse designado para julgar seus semelhantes com intolerâncias arbitrarias, não respeitando crenças que nada mais é que associação terrena, pois na eternidade não há religião, há sim a religiosidade do respeito as diferenças evolutivas e ao amor verdadeiro a existência do próximo.

Enfim irmãos este mandamento abre a proporção do horizonte nebuloso que com frequência tem atingido a humanidade como normalidade houvesse e nada de contravenção tivesse nas ações praticadas, mas na verdade é uma morte dolorosa e lenta que proporcionam a suas vitimas, por isto a necessidade da reformar interior e de guardar um dia para essa reflexão, ou seja, será que estou ou não matando meu semelhante inconscientemente, de certo que o pensamento é mais livre que as ações, mas o perigo de ambas se fundirem é grande, onde o pensamento se faz ação e arrasa sonhos e o progresso alheio para a morte, além do suicídio inconsciente de seus atores. Pois quando matamos sonhos, também temos nossa significante responsabilidade e débitos para com outrem, principalmente quando essa morte é movida por sentimentos nocivos, como egoísmo, inveja, cólera, ingratidão, ódio, rancor, raiva que além de fazer chorar seu semelhante enterram sua alma na areia movediça nas trevas solitárias do insucesso e do submundo da infelicidade da alma.

De certo que no plano de Deus todas as ações e sentimentos do homem serão considerados no patamar do seu merecimento e onde sua consciência o levará. Por isto tudo deve ser sistematicamente praticado, para que não cometemos com outro o que não gostaríamos que fizessem conosco, principalmente na paciência das fraquezas. Para muitos leitores essa consciência é difícil ou mesmo impossível de se praticar neste universo enfermo, talvez, agora se essa consciência o consome, então o seu mundo permanecerá ruim mesmo, pois se você não acredita em si que pode fazer diferente da sociedade massacrada pelo mal e ser o portador do bem, quem além de Deus poderá acreditar que realmente poderá ser salvo e feliz?

Agora, umas das praticas mais comum e sendo o crime mais afrontoso contra o criador é a interrupção voluntaria da vida, quando movidos por índices alarmantes da impulsividade do mal a indicar erros capitais e a perder-se pelas trevas condizentes com essas praticas malignas, sendo que qualquer provocação é motivo para essa pratica tão nefasta contra a vida e contra Deus. Essas ações ainda presentes no homem estão enraizadas com o passado primitivo da existência, onde os homens se portavam sem o devido discernimento que hoje é uma graça para separar o bem do mal, mas no tempo do homem primitivo, eles agiam pelo instinto da sobrevivência, ao contrario da realidade evolutiva, onde muitos pelo prazer de aniquilar e mesmo movidos pelos costumes sociais praticam essa ação hedionda contra a vida, principalmente o aborto sem justificativa que possa comprometer a própria vida, muitos o fazem movidos pelo comportamento social de uma sociedade ditadora de regras e a maior justificativa, mesmo infundada, é a falta de compromisso com a responsabilidade que Deus determina a seu portador diante da condição material.

Evidente que a interrupção da vida diante dos designíos do criador há exceções que são tratadas com atenção especial pelos amigos de elevada posição hierárquica e também por Deus, exemplo: Quando alguém da à própria vida para salvar outro movido pelo sentimento do salvamento em situações adversas de perigo, este é recebido nas colônias com atenção especial, como Jesus Cristo fez por todos nós, quando se calou no momento em que poderia ter se salvado, mas seu ato foi desprendido de vaidade e de egoísmo movido pelo sentimento de nos salvar de todos os pecados e a ser exemplo que podemos sim nos sacrificar pelo outro na prática majestosa do bem e do amor ao próximo, situações idêntica quando pela legitima defesa e proteção à própria vida ameaçada veemente por outro irmão e sendo o crime inevitável, a responsabilidade será creditada, mas desproporcional a que tivesse sido cometido por motivo leviano.

Mesmo uma gravidez que possa trazer sérios riscos a mãe, ao espírito é a oportunidade que têm em saldar débitos consigo na consciência que o perturba na sua evolução e é pelo caminho natural que encontra essa oportunidade, sendo que no tempo moderno ao invés de apenas o ato ser utilizado para a proliferação da espécie, há muito tempo o ato sexual é tido como uma das fontes principais de energização do espirito encarnado, por isso há meios autorizados para se evitar um crime maior contra os planos do criador e se após a prática onde se prolifera a vida, houver o uso de substancias interruptivo, já se caracterizara o crime contra a vida perante Deus, a concepção é abortada voluntariamente, as proteções especiais são permitidas a sua utilização antes da pratica final. E é pelo caminho natural que irmãos vêm em busca da redenção e aproveitando essa oportunidade única para reformar-se e salvar-se, aproveitando essa oportunidade, lembrando como sempre frisamos o livre arbítrio é um direito e havendo atos inconsequentes contra a vida terá sua devida proporcionalidade de débitos. E mesmo se o risco da gestação seja impendente a vida da mulher, a interrupção será da consciência individual e também não se sabe se o debito entre mãe e futuro filho não esta na substituição do progresso da encarnação, diante dos planos divinos não podemos de imediato sondar, apenas servir Senhor com obediência e amor, afinal, somente a Deus pertence toda à vida.


Dr. Bezerra de Menezes, pelo médium Marcelo Passos.

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Quarto Mandamento



Honrar pai e mãe (4º Mandamento da Lei de Deus)


            Como todos os mandamentos da lei de nosso senhor é fundamental postar-nos com respeito mutuo. Certo que a profundeza deste quarto mandamento é uma das matérias que devemos consagra-la com gratidão o presente divino ofertado. Quando somos inseridos no planeta material para evoluir no tempo, viemos com a outorga de pessoas que desejaram esta vida que se prolifera nos herdeiros do futuro para conduzir-nos a novas experiências na matéria, afinal, há matérias que somente a vida no planeta pode oferecer ao espírito para seu crescimento existencial.

            Buscar compreender as obras divinas e aceitar os desígnios de nosso pai é determinante para a encarnação em que muitos se encontram para trabalhar com êxito e buscando sempre o melhor e satisfatório resultado para o bem da coletividade na sociedade em que estão inseridos os irmãos.

            Há situações de irmãos que vem sem a livre vontade e o desejo de seus progenitores por situações diversas que não nos cabe aprofundar em méritos, distintos a essa manifestação, mas vem pelo privilegio de poder resgatar os débitos que ainda persiste em atormentar e a agonizar a consciência de muitos de situações regressas e desejando a todo o momento uma nova oportunidade, diante disto que vêm diversos irmãos popularmente chamados de “acidente”, são situações onde classificaremos de oportunidade, em aproveitar o caminho para o renascimento em saldar algo que tanto lhe atormenta.

            A certeza é que ninguém vem por acidente neste planeta, com o qual devemos nos preocupar, pois é nele que a realidade se faz presente na matéria do espírito, tudo há uma motivação para que o caminho seja oportuno para irmãos poderem se salvar e se para isto for necessário nascer novamente, como próprio Jesus Cristo disse, nascemos e as oportunidades únicas devem ser aproveitadas pela lei natural da renovação.

            Se os irmãos planetários fossem puros e de elevada posição não precisaria nascer neste planeta, já se credenciaria a alcançar planetas de maior posição hierárquica da felicidade, mas se neste planeta estão, é porque há matéria que ainda precisa ser aprendida para merecer determinada elevação, por isto que aqui é a oportunidade para aproveitar todas as possibilidades do bem verdadeiro.

            Quando os irmãos recebem a notícia da vinda de um novo ser a prosperar seu espirito em forma corpórea, há situações de primeiro impacto que assusta, principalmente quando não há o devido planejamento, mas isto é detalhe, o importante é que Deus está manifestado aos progenitores algo de sua vontade para assumir o compromisso e a responsabilidade de receber o fruto da semeadura própria, em auxiliar o filho sempre para o bem, sendo que também a vinda de um irmão são consequências de atos praticados pela lei de causa e efeito.

            Há irmãos que não se desenvolvem por fatores naturais, mas a expectativa de renascimento traz a esperança de poder um dia sanar todas as suas dividas, há irmãos que nascem com mutações e limitações físicas, também resultado da lei de causa e efeito e grande parte dos irmãos nascem com sua estrutura física perfeita, tendo o dever de captar o bem e resgatar o passado que somente a Deus nosso pai cabe julga-los.

            Aquele espírito que recebe a permissão para reencarnar e poder saldar todas as suas dividas deve honrar seus progenitores pelo recebimento desta importante graça e transforma-la no objeto perfeito para o bem, de fato como os seres são errantes e em constante evolução, erros serão naturais, principalmente quando for para o desenvolvimento do bem, muitos não entenderão a preocupação e mesmo aquele portador de amor egoístico, mas elevado para o sentido do bem sem nocividade ao progresso, enfim, quem não almeja ver o sangue do seu sangue no patamar privilegiado do progresso.

            Os pais são figuras sagradas na vida de um filho, este sentido transcende o tempo e o laço de amor poderá permanecer eterno desde que construído com este proposito. Pode o espirito materialmente superar aos pais, mas jamais poderão se considerar mais evoluídos, pois um dia também será proliferador e condutor da evolução de outros espíritos a manter acessa a luz da vida.

            É certo que somos seres únicos inseridos na coletividade para o crescimento e a evolução social, mas nem por isto devemos desrespeitar o outro, principalmente aqueles que atingem a máxima de pais, pois eles serão o espelho de toda sua existência, desde que aproveitem ao máximo suas vontades, lembrando também do livre arbítrio que nos acompanha, mas nem por isto deve-se furtar a vivência e o desejo para o bem que há nestes sagrados seres em nossa existência.

            Poderá o futuro colocar-nos em situações opostas, mas deixe o futuro para Deus, viva a realidade do presente, pois ela é fundamental e real, não o abstrato de algo desconhecido, mas havemos de trabalha-lo para merecer sempre as melhores colheitas.

            Mas não são somente os filhos que devem honrar seus pais, a reciproca deverá ser constante, mesmo que se postam de uma evolução privilegiada, honrar o filho de sua carne é da vontade divina, principalmente no desenvolvimento para o bem continuo que deve ser imperecível, mostrar o melhor caminho, ensinar o bom respeito e o amor de Deus, essas e demais sentidos para o bem que deve sempre acompanhar neste universo da sagrada família, afinal, a responsabilidade é de todos auxiliarem um ao outro, não apenas dos laços afetivos e sim a sociedade em geral.

            Os filhos tem sua obrigação como os progenitores também e como maiores responsabilidades que fazem perante Deus, principalmente na manutenção e conservação da vida. O que ocorre com frequência na vida material é a interrupção dolosa da vida que não pertence exclusivamente ao útero e sim ao criador, quando transgrede-se a lei da vida por vontade egoística, estarão cometendo uma falta grave perante a justiça divina. Aquele que crer que seus problemas se encerram com este crime, engana-se, e na prestação de contas aceite com humildade os desígnios divinos, além de haver a cobrança por aquele irmão que fora impedido de prosperar, ao qual também a divida lhe será devida.

Como há também há aqueles que abandonam seus filhos por necessidades capitais, sua responsabilidade a transgressão a vontade divina será menor, pois ainda seu ato permite que este irmão possa seguir saldando seus débitos e evoluindo no tempo, mas também não significa que a divida será esquecida ou desprezada. Poderá o tempo promover o reencontro, fazendo com que aquele espírito encarnado possa compreender seus atos. Mas os que abandonam por questões morais, sociais e mesmo estéticos a responsabilidade equiparam-se a interrupção dolosa, ficando a cargo do criador a proporção dos débitos e a nós a responsabilidade de praticar sempre a lealdade a suas leis.

            Outra situação também recorrente é quando o irmão renasce no planeta e seus progenitores voltam para o plano eterno, ficando a cargo dos pais do coração conduzir este espírito ao bem, sejam em casas particulares como em instituições especiais, mas a máxima da lei permanece igual na sua aplicabilidade, determinando que os filhos do coração honrem seus anjos como sua verdadeira raiz.

            Ame e honre sempre e a todo instante aqueles que sempre preocupam com você, que preocupa e vela pelas dores noturnas, quando se entristecem quando se sentem tristes, alegram junto com você, sorrir e chora junto, que daria a própria vida evolutiva para que você permaneça evoluindo, aqueles que fazem de tudo por vocês, pois um dia poderá esta na mesma situação e se mesmo assim a ingratidão do tempo fizer presente, pelo menos tenha na alma a certeza de que sua parte e responsabilidade fora honrada e a todos nós que somos filhos, não faça chorar o coração que tanto lhe quer sorrindo.


            Dr. Bezerra de Menezes, pelo médium Marcelo Passos.

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Terceiro Mandamento



Guardar domingos e festas de guarda (3º Mandamento da Lei de Deus).


            É compreendido que as conquistas materiais são importantes no auxilio aos irmãos para o desenvolvimento do progresso frente à coletividade, lembrando que os êxitos na vida jamais devem ser acompanhados pelo individualismo egoístico, de certo que os esforços são pessoais, mas não seria possível sem a participação de outros irmãos a quem devemos a gratidão por estar sempre ao nosso lado. Ninguém se realiza positivamente sem alguém para apostar nos sonhos e projetos múltiplos que acompanham nossa vontade.

            É importante a todos aproveitar todas as oportunidades para o crescimento e evolução dos sentidos frente ao universo e a realidade em que todos necessitam estagiar para alcançar patamares significativos rumo ao Reino de Deus e também para resgatar muitos outros irmãos que estão entregues ao pecado. Engana-se quem crê que não é de responsabilidade pessoal auxiliar e resgatar outros irmãos nas suas fraquezas, principalmente aqueles que não fazem parte do núcleo familiar e de amizades em que estamos inseridos.

            Se este sentido individualista fosse real na vontade divina não justificaria as orações serem proferida no sentido coletivo, querer ser salvo e fechando os olhos para os problemas ao seu lado de nada valera os pedidos, pois ninguém alcançará o reino solitariamente, quem trabalha e age neste sentido pode parar todas as orações, pois não tem nenhuma eficácia positiva, Deus é universo e não exclusividade para um e para poucos.

            No seu terceiro mandamento nosso Senhor pede para guardamos os domingos e as festas, neste mandamento vale para que no ritmo acelerado dos objetivos progressistas, no consumismo que impera sobre os objetivos dos irmãos na sociedade material que paremos por um dia e deixemos nossos prazeres individuais e refletirmos sobre todas as nossas ações e sentimentos para o coletivo, é importante parar e respirar, afinal, muitas vezes a busca por um objetivo cega a muitos no sentido da lealdade e do respeito que deve haver e imperar na sociedade como dever de irmão.

            Vamos entregar um dia de nossas vidas para refletir, seja nos templos, nas moradias, não importa o local, o que é fundamental é adentrar no templo de nossas vidas, é preciso e Nosso Senhor quer que façamos este estudo permanente e que a reforma cotidiana seja relevante para o bem coletivo, novamente reforçamos a tese de que não há vitória, felicidade e sucesso com egoísmo, neste sentido não é preciso nem continuar a buscar pela salvação, pois seus atores estarão estagnados no tempo.

Aqueles que não dão à devida importância a evolução alheia, mesmo que evolutivamente esteja num patamar inferior simplesmente pelo progresso espiritual e não usa a escola permanente da vida para alcançar o conhecimento para o bem, não está ainda preparado para viver no reino de Deus, aqueles que desdenham, zombam e pratica a intolerância frente às escolhas e evolução de seus pares também não estão prontos para serem salvos, aqueles que não auxiliam seu próximo nas suas dificuldades múltiplas onde seu conhecimento atinja a solução, também esta longe do Reino, aquele que usa sentimentos destrutivos que causam embaraços, desconfortos, doenças, machucam o coração de outros mais, que ofendem, traem, humilham, praticam a ingratidão, também arrasta seu espírito para as trevas, são essas situações e outras mais que havemos de nos guardar e buscar reforma-los positivamente sempre para o bem coletivo, não há como ignorar as ofertas do bem a todo instante nos mostrando o caminho real da salvação, não há controvérsias quanto a pratica do mal, pois todos tem o conhecimento logico de seus atos.

Evidente que ponderamos que há situações pelas fraquezas dos espíritos em evolução que a entrega das armas contra a resistência aos ataques frenéticos do maligno é inevitável pela pouca fé que ainda atinge a muitos irmãos, o desconhecimento do presente para um futuro melhor persiste em contemplar o ego e o momento para viver intensamente e em quase totalitário consumismo desenfreado na pratica desleal contra os bons costumes para atingir a harmonia coletiva, tendo o egoísmo individual imperando sobre suas ações e sentimentos, desequilibrando a sociedade em geral, mas a força de vontade que podemos espelhar em diversos irmãos não nascerá da vontade alheia e sim do inimigo que podemos visualiza-lo quase sempre no espelho.

Parem, reflitam e procure mudar sempre para melhor, entregue sua existência para o comando dos anjos de Deus e verá como o conforto da tranquilidade e das boas colheitas farão sempre frente contra todas as sujidades do mal, pois quanto mais próximo do Senhor maior serão os desafios, as tentações e as provações cada vez mais desafiadoras, mas tendo a certeza e a fé imperecível nas promessas divinas na alma nada há de frear sua caminhada, por isso aumente sempre as orações e a vigília nos desvios das fronteiras contras às ofertas do mal. Confie em ti e em Deus.


Dr. Bezerra de Menezes, pelo médium Marcelo Passos.

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Segundo Mandamento



Não tomar o seu Santo Nome em vão (2º Mandamento da Lei de Deus)
           
            É tido que a palavra e o nome mais propagado por toda humanidade é o de Deus, nosso pai e criador de tudo que existe, em várias nacionalidades e povos sua nomenclatura é substituída por diversas profecias, mas ele é o único e não importa qual nome se dê a ele, o importante é saber que ele é tudo.

            Afinal, quem seria Deus? Como ele é? Que forma terá? Sua face imagem que muitos almejam conhecer, assim como as imagens de muitos irmãos que são propagadas neste gigante universo. Como nosso espírito embutido na forma corporal que não conhece a profundeza da alma alheia e não temos a permissão e muito menos a autonomia para adentrar sem licença em profundezas tão intimas. Conhecemos a estética e as ofertas alheias. É deste modo que Deus surge para nós, sem imagem e sem face num todo de uma vida repleta de oportunidades.

            Deus existe sim, mas a nossa evolução não permite ainda conhece-la a grossa visão, por ainda os habitantes do planeta serem limitados e ainda a agressividade fazer parte do espírito evolutivo de grande parte dos irmãos encarnados e mesmo desencarnados, onde mesmo depois do desenlace da matéria ainda persiste em descrer da obra divina e o que dirá aos céticos e os inúmeros religiosos que praticam a intolerância frente a outros irmãos que buscam diversos caminhos para se chegar à salvação.

            Nosso Senhor esta em tudo, no mineral, vegetal, animal, humano e nos anjos em formas relevantes de crescimento e de benfeitorias positivas para o bem coletivo, que esta em franca defasagem social em face a oferta agressiva do maligno em atiçar no íntimo de cada um o lado mais obscuro e perverso da deslealdade e do desrespeito às diferenças pessoais. A condenação a outros irmãos por andarem contrario as regras comportamentais de uma sociedade amordaçada faz com que a imagem real do senhor permaneça invisível as nossas fraquezas e limitações absurdas da buscar da convivência em harmonia.
           
            Somos iguais perante o senhor e diferentes ao redor, o espírito é único em formas diferenciadas assim como os comportamentos e costumes, a sociedade visa regrar parâmetros de convivência, mas peca na intolerância, a liberdade do espírito é amordaçada por estes fenômenos costumes que impedem os homens de viver a real felicidade.

            Quando inseridos nas diferenças físicas, somos trabalhados diariamente a respeita-las, como também pleiteamos determinado comportamento as nossas individualidades peculiares na busca única e da certa felicidade da salvação divina, quando não respeitamos as formas físicas de nossos gêmeos que é tão presente e comum no plano material, como atingir o respeito das escolhas e os comportamentos individuais da intimidade (...), abre- se neste campo o primeiro vestígio da face de Deus não fazer certeza em nossa consciência, se ele apresentar a humanidade progressista em franco desenvolvimento evolutivo, mas ainda limitada como uma forma determinada, demais outras formas seriam desprezadas pelo preconceito impregnado nas ações e sentimentos.

            Deus esta no universo e em tudo, sua liberdade de grandeza é tão infinita que mesmo criando-nos no seu amor e a na sua vontade, nos da toda a liberdade de escolha para qual caminho seguir, se é do bem ou do mal, jamais ele tomará nosso livre arbítrio como faz o maligno quando deseja ter o numero aumentado de contingentes a fazer parte do seu exercito a perder outros mais pelas infinitas ofertas do pecado. É sabido que o mal é bastante ardiloso e perverso que se reveste em muitos momentos de aparência inocente a esconder sua ferocidade e a prender e devorar as ovelhas do verdadeiro e único pastor.

            A limitação humana é tão grande que muitos desrespeitam este segundo mandamento com bastante naturalidade e crê não contrariar a vontade divina, muitos usam seu santo nome para apontar erros e defeitos alheios na pratica da intolerância frente às escolhas pessoais na busca da felicidade e plena da ação para o verdadeiro bem, afinal, aquele irmão preso e limitado pelo regramento de uma sociedade pode até atingir o sentido da felicidade e viver a pratica do bem, mas de uma forma limitada e artificial, nunca este espírito estará realizado e motivado relevantemente a contribuir de forma célere ao bem coletivo. Eis uma explicação para tamanha violência, infelicidade e depressões que assola o planeta e a baixa energia propiciando a crescente desigualdade e intolerância desproporcional, sendo que muitos destes atores da discórdia e do preconceito agem supostamente em nome de Deus escondendo no nome do criador suas vastas limitações e abismos profundos da alma arrastando ainda um significante número de vitimas.

            Este sentido da contravenção do segundo mandamento esta por toda parte, nas guerras bélicas, na intolerância religiosa, na sensibilidade nociva para a discórdia nas insignificantes provocações, nos erros alheios, nas limitações oriundas da evolução, nas disputas acirradas pelo poder a todo custo e formas, nos preconceitos múltiplos das diferenças universais, enfim irmãos, como pode nosso pai apresentar-nos como imagem senão conseguimos visualiza-lo nas mais singelas manifestações de vida.

            Quantas vezes ele já apresentou a nós e não soubemos visualiza-lo diante dos olhos, a começar pela própria existência, onde muitos não zelam pela preciosidade da própria vida, como também nos enviou seu unigênito, Jesus, e muitos da época que diziam pregadores da palavra e da vontade divina o perseguiram, condenaram e crucificaram-no (...). Como também cotidianamente envia anjos em diversas formas a mostrar o caminho da salvação e sendo injustamente condenados em nome daquele que o enviou, por ainda imperar no coração de muitos as chagas do preconceito e da intolerância, vemos anjos de Deus inseridos em todos os meios públicos e somente aqueles que cheios do espírito santo, como os excluídos e pecadores salvos por Cristo conseguem ver a luz da salvação.

            Você irmão que trabalha em prol da caridade e do bem genuíno, continue a fazer a vontade de Deus, se o julgarem por suas escolhas, comportamentos individuais que o faz feliz e serve de combustível para a pratica motivadora do bem se lembre de que também o filho do Onipotente foi julgado simplesmente para nos salvar.


            Dr. Bezerra de Menezes, pelo médium Marcelo Passos.

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Primeiro Mandamento




Amar a Deus sobre todas as coisas (1ª lei do mandamento da lei de Deus)


            A primeira lei psicografada no livro de pedra por Moises pelo ditado divino nos atenta para a compreensão que somos todos irmãos na unidade de Deus, ele é o único e onipotente Senhor do Universo, criador de tudo o que existe e que somos, nada aos olhos do pai é desprezado como sua infinita gloria de amor e misericórdia a nos abençoar com o direito a vida.

            Tudo começou por sua vontade onde tornou real a nossa existência e desde então tem estado ao nosso lado e na aplicabilidade da justiça real e verdadeiramente justa, não as ditadas e regradas aquelas existentes para que haja a obrigação de algo que deve por dever ser natural, o respeito a tudo e a todas as diferenças. Os mandamentos da lei existem para que compreendamos a sua vontade e que seja aplicada com real interesse a salvação coletiva e não para torna-la símbolo da intolerância que persiste em permanecer no intimo de irmãos que se associam a agremiações religiosas e outros segmentos sociais e coletivos.

            Ele é o único ao qual devemos adora-lo acima de tudo e todos, seguindo suas sabias orientações em nossos corações e na nossa consciência para que sejamos justos na visualização aos nossos irmãos e fechando os olhos e os ouvidos para as calunias e todas as sujidades que podem ferir nossa alma e machucar nossos semelhantes.

            Assim como Moises esteve entre nós dedicando completamente sua vida a Deus, houve diversos outros irmãos que nos serve de exemplo de perseverança e de obediência ao criador, irmãos santificados por agremiação religiosa, irmãos martirizados pela vida e incompreendidos na sua entrega as obras do criador pode sim servir a todos como exemplo e também motivar a fé imperecível que fizeram e faz parte de irmãos que entregam totalmente sua existência aos designo do criador, podemos zelar nossa consciência e nossa vida ao exemplo desses irmãos como combustível para tornar-nos melhores, sem esquecer que nosso maior exemplo e certeza é Deus, como devemos espelhar a perseverança em Jesus Cristo para compreender que os martírios de nossa existência faz parte de um crescimento espiritual onde nos faz merecedores da entrada e permanência no paraíso ao lado do pai.

            O único combatente das criações e das obras de Deus é sem duvidas o perverso e aquele que não compreende a entrega de um irmão aos planos divinos independente da bandeira doutrinaria e que com dedicação e caridade serve ao seu semelhante, certamente tem em sua consciência o domínio da intolerância dominado pelo maligno, afinal, no reino de Deus o que você é ou foi no planeta, qual religião fez parte da sua existência, quais as conquistas acadêmicas, materiais e pecuniárias não terá importância e influencia alguma navegando a seu favor, afinal, nada material nos será permitido levar a não ser nossa consciência, nossa maior riqueza, que nos acompanhara por toda eternidade.

            De fato há muitos irmãos na liderança religiosa, política, artística e em diversos segmentos espalhados pelo universo em que sua existência e ações motivam a peregrinação da esperança e na intercessão junto ao criador para a solução de suas inúmeras enfermidades e necessidades especiais, a intermediação por meio das orações e pedidos é possível e nada nocivo à evolução existencial, como a comunicação de irmãos espirituais auxiliando os irmãos terrenos no sentido da salvação, o que não pode é substituí-los na importância do que Deus representa e é na magnitude existencial, pois esses irmãos também devem se curvar respeitosamente diante do criador, pois suas ações como a cura e todas as ações somente é possível pela vontade do Pai, Jesus nos permitiu curar enfermidade e a expulsar demônios em seu nome, desde que também nossos corações estejam curados e libertados dos demônios da inveja, da intolerância, da ganância, do consumismo excessivo, da ira, do egoísmo, da intolerância, das calunias, das doenças produzidas pelas nossas ações e sentimentos, dos inúmeros pecados que cometemos conscientemente, enfim irmãos, nossa realidade e merecimento dependem de nós principalmente, se não reformar nossas condutas para melhorar o nosso meio de nada adiantará pedir intercessão a um iníquo pedido, pois a justiça lhe fará real na colheita e a sensação de injustiça tomando conta da consciência ao pleito que não lhe é devida.

            Entregue sua consciência e vida a Deus e deixe-o agir sobre todas as suas ações e sentimentos e verá como realmente é sentir seu amor agindo em nós e como será divino olhar o seu semelhante e as obras divinas com olhar sincero e verdadeiro, revelando assim Deus sempre em ti e a todos, trabalhe sim, adquira bens e confortos, afinal, conquistas faz parte e é resultado de um trabalho, bônus por tudo que produz sem esquecer jamais da obediência aos desígnios do Pai.


            Dr. Bezerra de Menezes, pelo médium Marcelo Passos.

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Caminhada peregrina.





Virão dias – oraculo do Senhor – em que farei brotar para Davi um rebanho justo; um rei reinará e agirá com inteligência e administrará no País o direito e a justiça. Jeremias. 23,5:

           
            O governo dos homens ainda está longe de atingir o patamar ideal dos planos divinos, corrupção, desgovernos, injustiça social, guerras bélicas, atentados terroristas, calunias, difamação, tudo em nome de um dito poder são situações misturados com o orgulho e a vaidade excessiva que forma o planeta numa grande desigualdade sem precedentes e sem esperança principalmente para indivíduos e famílias a margem da miséria e da pobreza material.

            Essa situação acompanha o planeta por muitos milênios, um governo justo como de Saul quando assumiu o reinado de Israel ungido pelo profeta Samuel, transformou aquele país num sentido justo, até a incerteza assumir seu íntimo e o desejo de saber quem seria seu substituto, até que Davi surge como seu conselheiro, e ao saber que este jovem seria o seu substituto sua ira tomou todo seu ser e o desvio desertou a justiça e perseguiu Davi até a sua morte na batalha, mas como o futuro rei era e sempre fora protegido e o escolhido do senhor, nada de mal lhe acometeu e após tomou seu posto de direito e de confiança do Criador, transformando seu governo num exemplo de administração.

O governante que buscar compreender o governo de Davi e procurar colocar em pratica todo seu conhecimento terá todas as possibilidades de administrar com justiça, afinal, Davi se aconselhava sempre com Deus para que rumo seguir e ao permitir que o Pai agisse sobre suas ações, o povo sempre fora o maior beneficiado, essa máxima acompanhou Salomão. E após o império romano tomar as rédeas do comando e em nome de um poder interesseiro que visava a todo custo, o desgoverno e as injustiças tomaram conta do mundo, não apenas naquele lugar, mas globalizando toda essa essência maligna que persiste no sentido governamental de todo o planeta.

Estaria então o governo antigo certo e o atual errado? Cada tempo acompanha uma evolução de justiça e de injustiça, mas essa ultima tem atravessado milênios na historia e arrasado com irmãos de diferentes etnias, o consumo de energias tem feito do planeta um grande desafio para o bom espírito que estagia para seu crescimento existencial, como também espíritos de importante elevação hierárquica tendo de estagiar no planeta para adquirir experiências que somente o planeta pode oferecer, evidente que quanto maior a evolução maior será a luta e o sofrimento, pois muitos irmãos ainda não atingiram o ápice de aproveitar com proficiência a escola que cada irmão despenha nas suas infinitas sabedorias, muitas perseguições, difamações e injustas condenações fazem parte da realidade dos espíritos mais evoluídos em experiências na carne.

A disputa desleal tem tornado o planeta cada vez mais desafiador e sensível, pois o orgulho ainda impera sobre a vontade e o livre arbítrio universal, irmãos querendo ser melhor que o outro a todo custo e maneiras e não como a justiça e o tempo devido a cada um nesta caminhada peregrina.

Na consciência de muitos irmãos direito e justiça estão longe de uma realidade e a sua vontade no coração de muitos é tida como uma utopia na intimidade de quem acredita na sua vivência e instalação na sociedade justa e moderna, não discordamos da descrença, os habitantes do planeta desfavorece este sentido justo, a competitividade de governos e nações coloca o futuro humano numa situação bastante delicada, o mal se apoderando dos governantes e a instalação da justiça dando lugar aos sentidos e desejos individuais, como Saul que se esqueceu de governar Israel para perseguir Davi, pela cólera e a individualidade a tomar o lugar da coletividade, que é o objetivo de qualquer governo. Independente de qual seja o sistema administrativo de governo seja ele monárquico, republicano, democrático e mesmo ditatorial se perguntamos a qualquer de seus defensores, qual o sistema ideal, muitas filosofias serão apontadas para justificar o melhor, sendo que na realidade todos tem seus erros e acertos, mas antes de qualquer modelo, há um ser humano no comando e este não é abstrato como a nomenclatura e tendo o homem no poder ainda permanecerá em si e sem qualquer modificação o discernimento do certo e do errado e quem por desejo tomar para si algo que não lhe é devido, responsabilidades lhe serão atribuídas.

Evidente que nem tudo é possível se fazer para os que desejam fazer o bem coletivo, mas todos os esforços para o bem serão recompensados, a justiça de Deus não é como a dos homens que coloca os erros sempre à frente servindo de matéria de sentença e condenação, desprezando quase sempre as boas ações praticadas, na corte celestial nenhuma ação da criatura humana é esquecida ou desprezada. Nesta máxima que caminha as nações sem rumo e sem bussola no progresso, desiludida e sem esperanças que transforma o planeta azul nesta pátria de injustiça.

Mesmo diante desta realidade nociva na sociedade cada vez mais sufocada pelos desmandos do maligno, não havemos jamais de temer a pratica crescente do bem que deve imperar sobre as ações individuais, se boa parte do mundo esta entregue as ofertas do mal nos sentidos mais obscuros da vida não significa que todos devemos seguir como cordeiros para o abate, desertar das fileiras do mal é possível desde que se permita que as lições do Senhor faça parte de todas as ações e fechando os ouvidos e os olhos para as maledicências do mal.

A diferença entre o bem de Deus e mal do Maligno é explicito na sua pratica e vontade, o bem une e o mal desune, o bem é vida e o mal a morte, o bem é a subida e o mal a descida, o bem sorri e o mal chora, o bem é felicidade e o mal é a tristeza, o bem casa e o mal separa, o bem traz a saúde e o mal a doença, o bem é grato e o mal ingrato, o bem é o amor e mal o ódio, o bem canta e o mal cala, o bem adora a Deus e o mal o destrata, o bem esta na justiça e o mal nas injustiças, o bem é luz e o mal a treva, o bem governa e o mal desgoverna, o bem traz a construção e o mal a ruína, o bem é o sol que brilha e o mal a tempestade que amedronta, o bem é a humildade e o mal o orgulho, o bem é a simplicidade e o mal a vaidade, o bem é a doação e o mal a barganha.

A caminhada do bem é uma ladeira íngreme, cansativa e a cada etapa o sentido da vitória e da experiência imperecível, cada êxito uma novidade positiva para o espírito desempenhar a força intrínseca e a disposição psíquica de elevação para o bem e a revelação de que tudo é relevante se viver para a aquisição dos desejos e o merecimento do bem, sendo o caminho do mal uma reta de armadilhas escondidas e explosivas prontas a ser detonada na primeira pisada, destruindo a esperança e quando este dispositivo explode sobre toda uma existência, as dores e a enfermidade levarão muitos as mortes e o tempo incerto para cicatrizar ou quiçá por uma eternidade trevosa.

Permaneça a caminhada do bem mesmo que a proximidade do mal estiver batendo a porta e sua oferta esteja na moda, na realidade da sociedade e no meio que se insere, compreendo que o livre arbítrio é lei, e como tal as escolhas respeitadas pelo nosso criador que em nenhum momento influenciará na sua escolha e sentido, afinal já conhecemos e sabemos o caminho para Deus e seu reino, Jesus Cristo. Evidente que como pai de amor e misericórdia estará pronto e a todo instante nos mostrando o melhor caminho e o bom sentido através de irmãos e das portas a abrigar-nos, mas se a oferta do mal for a melhor a olho nu e o desejo for segui-lo, o que poderá nosso senhor fazer a não ser ampara-lo nas inevitáveis quedas do caminho.

Vamos ajudar a sociedade principalmente na fiscalização dos governos a comandar os relevantes interesses de uma nação, como também ao irmão ao seu redor. Destacando que medidas paliativas não substitui o bem completo, é como muitos irmãos que no momento de dores lembra-se de Deus e nos momentos de farturas e alegrias o esquece. O bem e o louvor ao Pai devem ser permanentes, a maquiagem ao grosso modo pode esconder por um momento as marcas do tempo e os defeitos nocivos em meio a uma series de abismos a consumir uma existência motivada pelo livre arbítrio, mas no primeiro momento da verdade toda essa marca de dor e sofrimento se revela aos interesses sórdidos de um grupo usurpador do direito e da justiça real.

O povo de Deus fora libertado das prisões de soberanos ditadores, pois o Senhor fez e faz justiça, o tempo divino pode parecer eterno no imediatismo que aguça nossa ansiedade, mas creia que o Senhor fará justiça sobre os oprimidos e injustiçados elevando-os ao seu eterno amor e aqueles que são protagonistas das injustas ações, lhe serão também permitido viver o lado contrario, como também lhe será possível à salvação, desde que aprenda o valor do bem imperecível e a chispa universal da luz eterna do amor.


Dr. Bezerra de Menezes, pelo médium Marcelo Passos.