quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Jubilo ao Senhor



Os humildes se alegarão sempre mais no Senhor e os mais pobres exultarão no Santo de Israel. Isaías. 29,19.


            No tempo em que Jesus esteve entre nós uma multidão prestava atenção nas suas inúmeras lições, testemunhava os milagres e exultava o Senhor, cantavam louvores e modificavam suas condutas, pois acreditavam no Senhor e nas promessas e permitiam que a graça divina orquestrasse suas ações e sentimentos para merecer a dadiva do reino de Deus.

            Mas quem era esse povo que cantava jubilo ao Senhor? De certo aqueles que permitiam igualar-se o seu coração ao do Mestre dos Mestres na humildade e na esperança, eram povos amordaçados pelas fúrias dos titãs dos templos ditos sagrados por eles, mas o calabouço da perdição de muitos pobres e humildes de coração e não apenas da matéria que eram entregues a sorte e ao desprezo da sociedade hipócrita que julgava sem autoridade os seus semelhantes e sentenciavam ao escarno social, eram os considerados pecadores pelos ditadores das regras que interferiam no livre arbítrio e influenciavam os ignorantes do conhecimento.

            Permitir ser humilde de coração em nenhum momento é aconselhado se postar em condições humilhantes ou mesmo covarde, ao contrario, a humildade está em reconhecer as fraquezas de seus irmãos e não ataca-lo na mesma proporção em que é em muitos momentos atacado, é aconselhado orar por ele e não revidar os ataques, como também mostrar com firmeza os limites através do respeito e da liberdade, ser humilde é saber reconhecer as próprias fraquezas e buscar reforma-las a todo instante, ser humilde está em qualificar seus irmãos como verdadeiros irmãos e não como adversários, ser humilde é buscar para si as verdades de Cristo exposta no seu evangelho através das instruções da consciência e claro de sacerdotes comprometidos com a fé pura desinteressada e verdadeira.

Não podemos nos omitir quanto a nossa ação em poder mostrar aos irmãos o caminho do respeito e da fraternidade em comunhão com paz, pois a omissão é falsa conselheira, evidente que devemos agir no momento certo e jamais interferir no livre arbítrio alheio no sentido de ofertar a ajuda e nunca postar contra sua vontade, ajudar seu semelhante não é carregar sua cruz e sim auxilia-lo, pois cada irmão tem sua missão a cumprir assim como ajudar um ao outro e claro sem cobrar taxa de reconhecimento.

Essa realidade era vivida por aqueles povos excluídos que reconheceram Jesus como o legitimo salvador e alegravam-se nele na esperança do perdão e da resignação, ao contrario daqueles sacerdotes que pregavam a vinda do Messias, mas seus orgulhos e suas vaidades eram tão aguçados que não os permitiram reconhecer e aproveitar a presença do filho de Deus e ao ver que um simples homem de vestes modestas e de família humilde seria o salvador consideram-no o impostor, para eles o imaginário enviado se apresentaria com a ostentação das riquezas materiais. Como nos dias modernos onde muitos creem que a salvação e a felicidade estão presentes nos objetos valiosos e não na riqueza da alma aliada à humildade e a simplicidade dos atos. Notório saber que as posses não estão diretamente associadas à salvação, os bens materiais são consequências da matéria e a realidade é sim o que se vive na pratica do coração a disposição do outro, afinal ao encerrar nosso estágio planetário, nenhum bem adquirido na matéria poderá ser levado, nem mesmo a morada do espírito e o que nos será questionado e colocado à prova são nossas verdadeiras ofertas de lealdade, amor, caridade, respeito e o que construímos nas oportunidades oferecidas e neste instante meus amados, qualquer riqueza material se torna obsoleta.

Em momento algum a busca do conforto material e do acumulo de bens é considerado um crime contra o Pai, ao contrario, as vantagens materiais e suas posses são auxiliadores no auxilio ao próximo, ou seja, vocês tiveram muito e todas as oportunidades de doar parte do que ganhastes sem se prejudicar e o que de eficaz produziu? É com estes questionamentos que devemos estar prontos a responder e lembrando que podemos esconder algo e fazer algo sem que nossos semelhantes saibam, mas para Deus nada ficará escondido e nada será desprezado e para isto temos de saber que a máxima consciência de que todo bem produzido e praticado será nosso eterno advogado. Nosso Senhor quer que todos vivam o amor puro, afinal pela pureza do amor fomos criados.

Estejam atentos irmãos onde a partir do conhecimento adquirido principalmente em relação à vontade de Deus expostas no evangelho de Cristo, nada nos poderá faltar ao compromisso para com o bem, sabendo que nossas condutas sejam no pensamento, como nas ações nos serão questionados, pois não há como recursar a defesa do desconhecimento, afinal, a vontade de Deus se expressa em muitos irmãos e em diversos locais, não apenas nos templos, esta no amor dos pais, na sinceridade de uma criança, na experiência de um idoso, na altivez do jovem, na garra do trabalho do adulto, na comunhão com os santificados irmãos terrenos e espirituais, na pureza de um animal, na oferta da natureza em seus imensos recursos na fauna e flora, nos recursos minerais e vegetais bem como a luminosidade dos anjos de Deus.

As obras do criador esta em tudo e em todos não há como nos furtar a essa realidade e entender que tudo que somos faz parte deste imenso e dedicado amor e saibamos que o bem é nosso dever e não um sentimento exclusivista de poucos e o mais importante somos seres em escalas diferenciadas de evolução espiritual e de conhecimento, não temos autoridade sobre ninguém e nem somos credenciados a julgar e condenar ninguém, mesmo que haja as leis dos homens, mas diante de Deus somos todos gêmeos. O nosso dever é ajudar sem olhar a quem. O livre arbítrio é um direito de todos ao qual não podemos influenciar a caminhada de ninguém, podemos e temos o dever de auxiliar e nunca usurpar, pois todos estes sentidos praticados na contramão da existência é ato exclusivo do mal que vive o romance eterno com a vaidade e o orgulho excessivos presentes em muitos irmãos.

Cantemos louvores e sejamos os eternos aprendizes do Senhor e saiba que não somos os melhores, podemos fazer melhor sempre a si e a todos, trabalhar para o progresso universal. Não fujas da simplicidade, sejam humildes e viva a intensidade da alegria da alma na busca da compreensão, da caridade, da felicidade e do amor que são as maiores riquezas a disposição de todos basta cada um fazer a sua parte e permita vivenciar o evangelho de Jesus em toda sua acústica.


Dr. Bezerra de Menezes, pelo médium Marcelo Passos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário