sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Grandeza de Deus.




E todos que ouviam isso, diziam pensativos: “O que será deste menino?”, pois a mão do Senhor estava com ele. Lucas. 1,66.


A grandeza de Deus sobre suas obras perante todos, mostra quanto o amor é livre e confiante, e que sua vontade vai além das limitações que ainda persiste em fazer parte do nosso íntimo e que delimita o caminhar e o progresso alheio quanto à matéria ostensiva do preconceito sobre a existência de nossa sociedade.

Muitos munidos de sentimentos egoísticos não permite compreender seus semelhantes nas escolhas para sua intima busca da felicidade, há quem creia que a felicidade é viver em agrupamentos que se postam como o certo, difundo em diversos comportamentos, mas incompreendido quando se deparam com irmãos que tiveram escolhas contrarias a agremiação por muitos escolhidos.

            Nascem todos predestinados, as escolhas e os comportamentos para a busca da verdadeira felicidade faz com que os atos sejam o combustível para o progresso positivo da humanidade e que será visto pelo criador com maior percepção do que um sentimento artificial em nome de um padrão social vazio, onde os regramentos determinam e apossam do livre arbítrio e afogam os irmãos contra o sentido da alegria e da pura realização, causando a infelicidade imperatriz da realidade humanitária.

            Para Deus o comportamento e as escolhas individuais quanto à experiência existencial são menos importantes, o que realmente será determinante são as ações frente ao bem que se produz com importante relevância, nosso Pai não nos questionará o que fazemos para nós mesmos, claro que dentro dos princípios do bem e do respeito, desde que as escolhas não sejam nocivas à saúde material e espiritual e a aprovação de Deus quanto às escolhas individuais para vivê-la na liberdade do bem é a nossa missão frente ao respeito que devemos praticar frente às escolhas diante da reforma do preconceito que devemos extirpar de nossos sentimentos.

E se um irmão decidiu seguir um sentido diferente ao nosso para ser feliz e que não causa nenhuma adversidade social e pessoal que possa comprometer a saúde coletiva, devemos respeita-lo como desejamos que o mesmo aconteça conosco, querer que seu semelhante seja feliz sob o ponto de vista pessoal é louvável, mas não devemos impor e deixa-lo seguir com liberdade. O que é certo ou errado somente quem nos criou poderá avaliar e determinar a proporcionalidade da colheita e jamais devemos sentenciar o outro sob o ponto injusto dos parâmetros preconceituosos que impera sobre os homens que engatinham na sua evolução.

Compreenda que a grandeza de Deus é muito maior que os limitados conceitos dos homens que regram o comportamento alheio, o Pai é para todos sem restrição, até para os que vivem no pecado e que estará sempre respeitando o nosso livre arbítrio, mas Deus estará sempre pronto para amparar aquele que busca a sua proteção e quanto maior o peso da cruz e as inevitáveis quedas e lá estará ele para acolher todos seus filhos na sua misericórdia e proteção.

Respeitem as escolhas individuais, preocupe-se com que o coração e as ações produzem de melhor e façam o mesmo, oferte o melhor de si, feche os olhos da matéria e enxergue com os olhos do espírito, pois essa verdadeira visão tem um alcance maior que os preconceitos que cegam o homem, as diferenças existem justamente para aprender a conviver com justiça e respeito e para compreender que somos únicos no amor de Deus e onde também compartilhamos toda oferta de vida nas suas obras nas formas mineral, vegetal, animal, humana e angelical, enfim, Deus é grande.


Dr. Bezerra de Menezes, pelo médium Marcelo Passos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário