quarta-feira, 6 de novembro de 2013

DIGNA MORADA


 

Quando vier o Filho do Homem, encontrará fé sobre a terra?

            Sabemos que o filho de Deus um dia retornará ao planeta para separar o joio do trigo, conforme prometera. Será que realmente que os irmãos planetários estão preparados para recebê-lo? A mais de dois milênios desde a sua vinda que temos a ciência da nossa missão conforme os desígnios do Senhor. Jesus veio e proclamou a boa nova e a nossa postura quanto à reforma em nossas ações e sentidos frente aos nossos irmãos, para que possamos realmente ter o merecimento de colher os frutos sadios.

            Quando esteve entre nós, o pecado era regrado principalmente a aqueles detentores do poder que faziam de posse de seus status meios de dominação e mesmo escravização dos pequeninos que eram amordaçados pelo medo com receio de uma punição maior.

O pecado sobre esses povos também eram presentes na fé, mas os pecados dos pequenos não poderiam se equiparar aos poderosos, pois o orgulho e a vaidade sendo uma das fontes mais nocivas que se pode carregar no íntimo e é ela que transforma toda justiça em sangrentas e injustas perseguições e abusos. Aqueles humildes de todo sentido pecam muitas vezes pela necessidade que grita ao seu desespero, não equiparado aos desmandos das imaginarias forças presentes na vida dos ditos mandatários.

Mas ele veio para salvar os injustos, os pecadores e os excluídos mostrando que a renovação da nossa postura, a confiança na fé e na certeza da força íntima com as bênçãos de Deus na infinita posição aos desmandos a acreditar no verdadeiro Deus. As lições de Cristo fizeram inúmeros seguidores e mártires massacrados por impérios, por seguirem na esperança da salvação na lição que Jesus ensinou, muitos destes arrumaram suas moradas para recebê-lo com dignidade em suas vidas, feriram e aniquilaram a matéria, mas não o coração e as ações do espírito que permaneceram intactos na fé e na confiança, o espirito se torna imortal. E nenhum poder oriundo das forças psíquicas ou mesmo bruta poderá arrancar a base fundamental da sustentação da fé.

Devemos preparar para a vinda do Messias, não de uma maneira egoística pensamento somente em si, mas da maneira caridosa a ofertar sempre o melhor de si sem esperar qualquer recompensa, pois o Mestre nos ensinou que o amor que temos por nós deve ser estendido a todos sem qualquer interesse. Reformar os nossos pecados, pedir perdão e não mais pecar como fora ensinado é quesito para nossa salvação e se somos experiências evolutivas, somos frutos do interesse do Pai em sermos eficientes em nossas praticas e sentidos para com a paz e a auxiliar na salvação das ovelhas do Senhor. Tendo a ciência de sermos condutores desta realidade. O discernimento que nos é intimo permite filtrar todas as nossas ações e o colher dos resultados de todas as nossas escolhas.

Temos condições de sermos servos de Deus nos resgate aos irmãos perdidos, a confiança que nos é depositada como a vida e a existência real nos faz detentores de privilégios únicos em lutar sempre ao lado do bem e com as armas da humildade e do amor. O exercito de Deus nos faz defender com afinco todos àqueles que nos é páreos, nenhuma criatura de Deus mesmo entregue as profundezas do mal é indigno da sua misericórdia e compaixão, assim como perdão, todos tem o direito e o dever de reformar as ações e viver com Ele no paraíso, mas para isso a vontade deve partir do próprio irmão, que sempre lhe será condicionado à presença de um anjo de Deus a amparar as necessidades e de pronto a estender as mãos para juntos elevar-se na sociedade de Deus na eternidade.

Todas as doutrinas religiosas que se propõe ao ensinamento do bem e ao resgate de irmãos são dignas de respeito e da maior consideração, nelas são inseridos os anjos de Deus em forma humana que são enviados com o proposito do resgate e devemos louvar o trabalho samaritano em que muitos se destacam na praticar do amor ao seu semelhante, embora seja um dever de todos, mas a fragilidade em praticar o bem ainda arrasta pelo tempo na vida de muitos irmãos, que egoisticamente vivem a limitar suas ações e impedir que muitos se aproximem para somar no cotidiano do bem, muitos são excluídos por creem em suas convicções intima que não ferem a honra de ninguém, são soldados de Deus a serviço do bem, mas como elucidado aqui, o orgulho e a vaidade proporciona a mais sangrenta e injustas condenações, a felicidade é amordaçada pelos poderes destes sentimentos nocivos e tão vivo na realidade de muitos.

Por isto que o planeta ainda não esta preparado para receber o Mestre, pois a grossa camada de preconceitos, vaidade, orgulho, poderes e excessos não permitiriam a humanidade de uma forma impar reconhece-lo entre nós, ele seria zombado e escarnado como aquela época, seria taxado de louco, pois se muitos não se permitem vê-lo em seu semelhante nas ações praticadas e nas inúmeras doutrinas do bem diversificada pelo planeta, como poderiam reconhecê-lo diante de sua presença?

Mas a realidade deste sentido não nos impede de praticar o bem e continuar a missão designada pelo criador, é preciso vencer todos os obstáculos do mal e levantar sempre a bandeira da paz mesmo que a guerra seja árdua, mas ao permitir que a força de Deus haja sobre nossa vida e nossa vontade, pode a matéria perecer e sucumbir-se, mas jamais atingirá a integridade do espírito que estará cada vez mais fortalecidos a auxiliar com eloquência os encarnados e desencarnados, pois são irmãos guiados por Deus.


Dr. Bezerra de Menezes, pelo médium Marcelo.

Um comentário:

  1. É...Tempo passou e a civilização ainda tem muito a estudar para poder fazer a reforma íntima.
    Todos precisarão refazer suas vidas e forma de viver para receber o ensinamento tão necessário.
    Que assim seja.

    ResponderExcluir