quarta-feira, 2 de outubro de 2013

A doce e simples felicidade



Ponde o pescoço debaixo de seu jugo e vossa mente receba a instrução, pois a sabedoria está perto e pode ser encontrada.  Eclesiástico. 50,26.

            As mais belas formas de felicidade estão nas escolhas mais simples da vida, a felicidade não tem forma, não tem metodologia, não tem uma receita infalível que possa ser adquirida como se compra uma joia ou acumulam-se fortunas. A felicidade esta no estado de ação e sentimento que praticamos diariamente, principalmente para com nossos semelhantes. O trato para com os nossos irmãos e para com as obras de Deus expostas e convivente ao nosso lado traz o sentido verdadeiro da colheita de nossa situação.

            Deparar-se com situações embaraçosas são comum na vida planetária, os desafios para com a astúcia do mal é nossa escola diária e nossa prova de resistência contra suas artimanhas, encantamentos e formas que ela se apresenta, o ardiloso conhece tão bem nosso sentimento quanto nós nos conhecemos, pois nossos sentimentos e ações é um livro aberto, podemos omitir aos nossos semelhantes, mas nada que praticamos foge dos olhos testemunhais tanto do bem quanto do mal, por isso a importância de conservar nossas ações e sentimentos concretados nas leis divinas e acumular as melhores energias.

            O maligno tenta mostrar-nos que o sentido e a caminhada com Deus é inútil e que limita nosso sentido aos verdadeiros prazeres da vida, que estão entregues a bens perecíveis e que atingem com veemência e massageia o ego da vaidade e do orgulho, que são sentimentos destrutivos a vida. O conforto material e suas opções são direito de todos que habitam o planeta, pois quem faz por merecer tem o direito a conquistar suas vontades, desde que o sentido divino esteja em conjunto com o merecimento, na honestidade, na gratidão, no correto e acima de tudo, a caridade e a importância que se interessa a seus semelhantes e as obras divinas que compartilham com nós a engrenagem vital.

            O acumulo material nas riquezas não significam o verdadeiro sentido de felicidade, auxiliam na condução das ações e do trabalho, mas não credenciam ao pleno sentido, o acumulo poderá ser a chave contraria a felicidade, pois junto às riquezas que vem acoplado os sentidos mais sensíveis e perigosos ao intimo e que podem colocar em xeque toda uma vida, pois o egoísmo e a inveja, como a ganancia e os poderes perversos vem com maior agressividade pelo perverso que faz de tudo para perder as ovelhas do Senhor nos sentidos mais primitivos das vontades.

            Vemos diversos irmãos que possuem inúmeras fortunas e bens materiais, mas vive presa a própria condição e aos bens materiais adquiridos, vive amedrontado e desconfiado a quem lhe aproximam, desconfiam da intensão, creditam as amizades em sentidos interesseiros aos bens e não na verdadeira amizade. No entanto numa casinha simples, sem luxo, sem bens, sem ostentação, vivem a mais simples vida, onde exala a doce felicidade, a alegria, a amizade sincera, a comunhão com todos, vivem os ensinamentos do evangelho com a fé da certeza, trabalham para ter o necessário para sobreviver, o auxilio e a proteção dos amigos é o mais verdadeiro.

            Evidente que a felicidade também é para os irmãos afortunados, ela não se faz por rogada e tímida, ela é para todos e é uma das maiores dadivas de Deus a nos brindar, mas sua essência está nas mais simples situações da vida podem encontra-la em tantos lugares, mas os preconceitos, a vaidade, o orgulho, o poder cegam tantos irmãos que o sentido da felicidade passa despercebido ao seu lado, é como uma simples flor pequena em meio a um grande campo verdejante, ela não se faz por menos e muito menos se próprio desqualifica, nasce bela, com as mais precisas ondulações e contornos, mostra que é tão importante quanto as mais ostentadora das flores que se misturam a suas alturas e mesmo sendo pequena entre as grandes, ela sempre será mais apreciada e cobiçada por quem a encontra, pois sua simplicidade mostra sua verdadeira grandeza e ensina que não importa o tamanho da ostentação e sim o que de melhor significa. Por isso irmãos não deixe a felicidade passar despercebida, não vislumbre pelo tamanho e quantidade e sim pelo verdadeiro sentido.


            Dr. Bezerra de Menezes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário