sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Poucas mudanças



Quem me negar diante dos outros será negado diante dos anjos de Deus. Lucas. 12,9.

            Quem é esse que até as tempestades se acalma diante de tua ordem? Que os demônios são expulsos diante de teu nome? Que cura nossas dores e perdoa os nossos pecados? Que faz de suas lições o caminho do Reino de Deus?

            A resposta é una, Jesus de Nazaré, o Salvador, o que veio de Deus no meio de nós a passar pelas mesmas chagas e dificuldades, enfrentar as fraquezas alheias e os excessos em nome de um imaginário poder, sofreu com as perseguições e atraiu para perto de si os excluídos e pecadores, que vivam a margem da sociedade e discriminados pelas diversas e peculiares escolhas, aqueles que não comungavam com as severas leis de Israel e por simplicidade não viam diante de si um horizonte melhor e entregavam-se a sua própria sorte e as agressões físicas, psicológicas e mesmo espirituais.

            Aqueles que o perseguiram, o crucificaram-no tiveram sua sorte colhida pelo destino que protagonizaram, pois não reconheceram o enviado e se entregam a mais profunda dor em ter condenado o homem santo, pois a vaidade e o orgulho não permitiam que um homem de singelas vestimentas e de família pobre e trabalhadora poderia ser o escolhido de Deus, em suas limitações creditavam que o Messias seria um homem superior ou alinhado a suas culturas e aos ouros que possuíam, seria aquele que seria carregado e ovacionado por todos e jamais poderiam curvar-se diante do homem simples de Nazaré, pois suas cegueiras não permitiam expandir seu coração.

            Mas aqueles que acreditaram e acreditam no Senhor, são alvos e com eles formam o Reino de Deus, pois as inúmeras injustiças que sofrem são encontradas pela justiça divina na misericórdia e na compaixão. O que milênios regresso houve com o Messias, muitos ainda insiste em fazer com seus semelhantes, principalmente aqueles que se apresentam com vestimentas singelas e externam uma limitação material, são escarnados, zombados e agredidos pela vaidade e orgulho que imperam no ego e na vida de muitos destes irmãos. Não conseguem enxergar além desta viseira que lhe são impostas pela sociedade por um comportamento padrão e não consegue colocar em pratica o evangelho de Deus a frente de suas ações e sentimentos.

            Quantos irmãos que se aproxima de outros e sofrem series injustas de condenação, seja pelo porte físico, padrão social, vestimentas, culturas, etnias, nações como Jesus sofreu e que muitos destes que condenam seu semelhante se revoltam quanto da passagem dos romanos cometeram contra o Messias, mas não veem que diante de suas ações cometem as mesmas ou até piores truculências a seus semelhantes.

            Ainda há nações que engatinham quanto à visualização de seu semelhante como um irmão e não um adversário ferrenho prestes a combater e a lutar com impostas bandeiras hipócritas da vaidade e do orgulho em nome de um domínio soberano. No passado houve a necessidade de irmãos lutarem contra outros para fazer a vontade de Deus, pois muitos diante da força física e de exércitos amordaçam nações e levavam dor e sofrimento, escravizam povos, violentam mulheres e crianças, aprisionara homens para o trabalho escravo.

E diante de tantas injustiças enviava sempre profetas para libertar os povos das astucia pervertida do mal e por fim enviou o maior de todos, Jesus que unindo a todos os antepassados trouxe a boa nova e as lições de Deus, pois Cristo não agia pela vontade egoística e não expressava as palavras por crer que era devido, agia como muitos de nós temos a capacidade de agir, guiados pelo Pai e Ele quando diz ser o Caminho, a Verdade e a Vida porque Deus esta nele, e quem o negar como o filho de Deus, também será negado, pois estará este agindo em nome do mal.

Nega-lo não é apenas desconhecer suas lições impressas no código divino e muito menos negar sua existência física, é negar as lições ditadas pela vontade de Deus, onde que para salvar-nos devemos ser irmãos no amor e na caridade, extirpando todas as trevas da alma que condena a exclusão da oportunidade de estar com ele no paraíso.

Rejeita-lo estão na condenação aos nossos semelhantes, levando dor, sofrimento, injustiças, ódio, rancor, perseguições, cólera, escarno, enfim muitos ainda o renegam pelas ações condenáveis pelo Mestre e que mesmo após sua vinda, houve poucas mudanças em face da vontade de Deus.  É preciso encher-se do Espirito Santo enxergando sempre Cristo em seu semelhante e não julgue pelo que se vê aos olhos da matéria e alie-se a alma ao coração de Jesus a poder estar com ele salvos na vida eterna, deixe seu evangelho de amor tomar todo seu coração e sentimento, para poder sim agir sempre em nome de Deus.

Viver o evangelho na alma é muito mais suave do que as grosseiras camadas de preconceitos nos mostra, para viver a acústica da paz celestial basta apenas ter vontade e reformar-se cotidianamente.

Dr. Bezerra de Menezes. pelo médium Marcelo.

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Não somos uma ilha inexplorável





Cuidado para não desprezar em desses pequeninos, porque eu vos digo que seus anjos estão continuamente no céu, na presença do meu Pai Celeste. Mateus. 18,10.

            Às singelas manifestação do Senhor encontra-se nos pequenos detalhes que nascem em meio a uma vastidão, não há quem se sensibilize com a forma singular das maravilhas da manifestação de Deus sobre o olhar permanente de nossa alma. A formiga que tão pequena trabalha com afinco a resguarda-se do rigoroso inverno, as flores que nascem em pequenos filetes de concreto mostrando o que de mais belo pode manifestar-se, o sorriso inocente de uma criança na confiança ao adulto.
           
            Diante da evolução deparamos com inúmeros irmãos que comungam nossa historia, seja por um período curto, longo e aqueles que encontramos numa única oportunidade em suas diversas peculiaridades e mesmo necessidades que clamam a nossa atenção, nenhum irmão poderá ser indigno da nossa indiferença, somos diariamente chamados a prestar o auxilio aos nossos gêmeos assim como todos dependem de seu semelhante para evoluir-se neste gigante universo do amor divino.

            Não somos uma ilha inexplorável em que a existência deva ser temida pelos mistérios que envolvem sobre essa realidade, aqueles que tornam sua vida um mistério e fecha-se a qualquer testemunho de sobrevivência e acolhida, isola-se na solidão dolorida da invisibilidade, quando se atinge este patamar não haverá qualquer motivo e interesse na exploração desta terra que pode esconder em seu interior uma joia rara perdida em meio à obscuridade do medo, não haverá quem arrisque entrar nesta floresta fechada em meio aos seus mistérios.

            Determinamos então a realidade da exploração, onde permitimos aos nossos semelhantes fazer de nós esta infinita caçada, onde o interesse em explorar nossa intimidade parte da imagem que produzimos mediante nossa apresentação frente à sociedade e como injetamos Deus e suas obras em nossa infinita e única realidade.  Por certo há irmãos que preferem o isolamento frente aos desafios da vida em um todo, onde o pecado e a perdição faz presente na existência em muitos de nossos irmãos que se amedrontam a iluminar-se em situações de comunhão com a luz em meio às trevas.

            A realidade de muitos que se amedrontam contra a exploração destes demais irmãos que externam sua real condição, podem muitos esconder verdadeiros e nocivos venenos escondidos na alma e que muitas vezes pode ser mais feroz que aqueles que mostram sua real aparência, estes venenos silenciosos tem o poder de persuasão maior para o encantamento da perdição ao pecado, lembrando que a astucia do mal é mais sutil do que idealizamos em nossa imaginação e que muitas vezes adentram nossa alma sem que a percebamos e quando deparamos com sua instalação, ficará muito difícil a expulsão da acomodação na alma.

            A instalação destes venenos poderá trazer transtornos irremediáveis à evolução que muitos se encontram, podem muitos arguir o porquê nosso Senhor permite esta facilidade do mal em agir sobre a vida de muitos seres, bem amigos, o livre arbítrio é lei, somos criados no amor divino e somos colocamos sempre na presença do bem , mas havemos assim como Jesus lutar sempre contra essas forças malignas. E o que encantam muitos são as facilidades que o mal se apresenta, pois ele sabe das fraquezas humanas e a ganância que se tem para alcançar o objetivo final sem as lutas honestas e permanentes da concretização do caminho que traçam nos objetivos da colheita.

A falsa pavimentação que muitos irmãos creem produzir em sua estrada vital há primeiro instante podem parecer perfeitos, sendo que nas primeiras tormentas mostraram as falhas e as lacunas que vão se deixando pelo caminho, vazios esses que muitos buscarão remediar com mascaras a tapar as irregularidades das aparências, mas que jamais poderá esconder essas falhas e a vulnerabilidade que existe e a fragilidade que está fraca realidade pode mostrar a visão de qualquer irmão.

Por isto irmãos, seguindo as orientações do Anjo Ismael que nos fala, se a luta vai ser grande, lembre-se que não será maior que a recompensa de Deus na vida eterna.

Lutem e trabalhem de verdade, superem as limitações, deixe seu próximo explorar o melhor que há em você, pois há joias que nunca há de perder-se por maior que seja o garimpo em nosso coração, pois quanto mais diamantes produzirmos para a riqueza de nossos irmãos, maior será nossa real fortuna, pois em cada irmão haverá uma riqueza sincera. A riqueza da lealdade e do amor de Deus a falar por todas nossas ações.

Dr. Bezerra de Menezes.

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Ser como Sansão foi.



Mas agora, sem a lei, manifestou-se a justiça de Deus, atestada pela lei e pelos profetas. Romanos. 3,21.

            Dentre muitos escolhidos do Senhor entre nós viveu um homem que enfrentou exércitos e não tinha adversários à altura. Sansão aquele que tinha o poder nos cabelos e combatia a ferocidade dos Filisteus que viviam a confrontar os Hebreus, como era Sansão que defendia seu povo, o que derrotou o gigante Golias e tinha uma enorme fé em Deus, como poucos aquela época, mesmo lhe sendo confiado o segredo de jamais revelar a fonte de sua força, eis que caiu na tentação da beleza de Dalila que tirando todas as suas forças o fez prisioneiro e escravo do Soberano Tirano da época.

            Muitos de nós devemos equiparar a vida e a fé de Sansão em nossas ações aos obstáculos da existência, muitos exércitos contrários nos combaterão e a luta pelo enfrentamento as ferocidade de muitos outros irmãos nos requerera uma força energética na fé para enfrentar todos os ataques possíveis, a quantidade de soldados a nos atacar serão e nos acompanharão pelos longínquos períodos de nossa historia, as armas destruidoras como as injustiças, as cóleras, a inveja, o egoísmo, o rancor, o ódio, entre diversas outras aniquiladoras formas de perdição poderá com veemência acertar nosso intimo e nos aprisionar nas frias camadas de trevas a que propõe os ataques.

            Há situações na vida que o chão abre-se diante dos pés e nos suga todas as forças possíveis a qualquer reação, são sensíveis as possibilidades que nos afrontam na fé e na confiança no Senhor, aonde nos deposita a força da coragem e dos manejos intelectuais e mecânicos das articulações para superar nossas próprias limitações. Cada irmão há uma força impar e dada pelo criador para que possam usa-las principalmente nos momentos mais afrontosos da vida.

            Devemos ter forças para enfrentar cada desafio e todos os exércitos armados a nos acometer na evolução pelos ataques da inveja e do egoísmo como infantarias a disparar contra nossa simplicidade e humildade que nos faz escudos para desviar de todos esses ataques. Resguardando sempre a nossa intimidade e a nossa força contra o mal, jamais revelando o que de mais sagrado lhe fora confiado pelo alto, por mais que todos sejam filhos do Criador somos todos livres para escolher o nosso caminho evolutivo e com a liberdade dada muitos escolhem o caminho dito mais fácil e se alistam no exercito do mal, em face ao orgulho e a vaidade permanecente no ego e na consciência, onde os julgamentos pelos preconceitos impregnados fazem-se vitimas por todo canto por onde passar.

            A astúcia do mal nos cerca por todos os lados e no momento mínimo de fraqueza estará ele pronto a tirar todas as nossas forças, tirando a nossas visões e nos escravizando em suas tiranias e no instante em que o horizonte da esperança nos fará aprisionadas na busca da luz e eis que a escuridão das trevas nos fará real e estaremos prontos a agonizar na dor e no medo.

E nos instantes em que os desafios forem perversos diante da fé devemos fazer-nos pacientes como Sansão, com humildade, resignação e fé esperar o tempo de Deus para recuperar as forças que nos são merecidas, trabalhando e jamais se entregando ao desanimo, a preguiça, aliando-se aos mais puros e sinceros amigos para refazê-lo das forças e acreditando sempre que jamais somos abandonados pelo Pai de amor e de bondade, apenas respeitando as nossas escolhas, sendo que no instante de nosso arrependimento e clamor por toda sua misericórdia, estará ele nos enviando seus anjos para nos amparar e a mãe divina a nos confortar na proteção universal.

Todos os irmãos e irmãs são impares na natureza que nos é presenteada pelo criador, comungamos as experiências com outros mais, sem esquecer nas forças que possuímos em nossa qualidade infinita oriunda da força de Deus, não a força física, mas a fortaleza para poder lutar com braveza contra todos os ataques possíveis do mal. Nas diversas nações espalhadas por este universo todos defendem suas etnias, como a mãe que dá a vida pelo fruto de seu ventre, honre todas as ofertas do criador que conquistastes pelo próprio merecimento, guarde suas forças para si e para proteger todos aqueles que lhe são páreos, sem menosprezar qualquer força alheia e da natureza, respeitando à vida e a confiança da existência real. Orai e vigiai resguardando todas as forças e sem oferecer brecha para a possessão do mal em sua vida, nos momentos de fraqueza e desanimo, busque a vida em Deus e ore que virá a socorrer todos nós sempre em sofrimento e no choro do medo.

E se mesmo assim as consequências da vida forem desafiadoras e o chão se abrir diante de sua realidade e a queda for inevitável, respire fundo e tenha a humildade de reconhecer as fraquezas e a situação em que se encontra e resigne-se, mantenha-se a fé e a tolerância, pois o desespero e o desanimo serão um adversário a mais, e mesmo diante das trevas, a consciência e as articulações mecânicas na vida se mantém e busque sempre a inspiração nas pessoas que te amam de verdade para poder lhe amparar nos momentos de maior dificuldade e junto consigo reerguer para abonança das novas oportunidades.


Dr. Bezerra de Menezes.

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Bem vindos ao Lar



Em qualquer casa onde entrardes, dizei primeiro “A paz esteja nesta casa”. Lucas. 10,5.

            Aquele que abre as portas de sua intimidade para a acolhida de demais irmãos, de certo traz para si a vontade e a confiança em poder desfrutar do seu intimo para com seu semelhante, as portas que abrimos para vida nos deve ser por dever abençoar toda confiança adquirida que nos acolhe, a começar pelo próprio lar que nos recebeu no momento da concepção ao compartilhamento de toda estrutura familiar.

            A primeira porta a se conquistar a entrada deve ser o coração alheio, mas está conquista parte de nossas ações para com o bem e a confiabilidade que depositamos em nossos sentimentos, pela pratica do respeito e a compreensão da oferta daquele próximo. Não haverá uma morada física idêntica aos demais, há semelhanças, jamais igualdade e a cada morada uma vida e costumes, ao qual para adentrarmos neste sagrado lar, havemos de compreender a receptividade de seu anfitrião e a nós como bons visitantes, a nossa mais rica recompensa, as bênçãos a levar a este lar.

            Infelizmente ao longo do tempo muitos fecham as portas pelos próprios atos e ações praticadas pelo acumulo errôneo à liberdade que nossos irmãos nos oferecem, em tudo que praticamos nesta vida o equilíbrio deve demandar nossas praticas e limitações aos direitos e liberdade alheia, quem nos acolhe em seu lar oferta o que há de melhor no seu sagrado púlpito abençoado, mas quando nos instalamos inconveniente neste lar, levando dor, desagregação, desestruturas, abusando da hospitalidade, não há o que se queixar de ver as portas se fechando para si e as oportunidades de comungar o bem e as experiências novas que engrandece a própria estrutura vital.

            Não há um irmão com quem não se possam adquirir novas experiências, aprender com os nossos semelhantes é escola única e que dificilmente será lecionado nos bancos acadêmicos. Aprendemos tanto com os afortunados, como principalmente com os mais miseráveis da matéria, ao rico aprendemos a oportunidade da aquisição de informações mais privilegias culturalmente e com ela distribuir toda essa riqueza aos que necessitam e confiam a nossa lição, como aprendemos com os miseráveis da matéria, onde a luta diária pela sobrevivência faz a humildade se fazer presente, bem como a ação para buscar o novo amanhecer de um futuro incerto, mas com a vontade de viver de poder continuar a labuta diária de suas obrigações.  

            Nenhum irmão é mais importante que o outro, o que diferencia são as gradativas evoluções, mas todos são importantes nas experiências individuais, aonde aprendemos nesta infinita roda da vida o mais nobre da compreensão e do respeito e as inúmeras riquezas a brindar a hospitalidade genuína e em cada lar a certeza de uma acolhida aconchegante a nossa hospedagem.

Há irmãos que se hospedam em nossas vidas e após seguem sua estrada e distancia-se a nossa presença ocular e física, permanecendo sempre o que de melhor nos proporcionou e nos deixou para o seguimento da vida evolutiva, como há aqueles que permanecem presentes por mais tempo. Todos tem presença fundamental a nossa historia e se faz presente a nossa morada para ofertar o melhor de si, seja nas ofertas intelecto cultural, seja nas diversas faces da fortuna imperecível, mas a cada passo uma experiência fundamental para a manutenção ao nosso dever e a nossa doação e as bênçãos a cada morada que nos abrigou o conforto da hospitalidade e nos fez e faz o que de melhor somos e adquirimos, sendo que nada nos pode furtar a esta verdadeira riqueza que é o passo avançar da evolução.

Não há retrocesso à evolução, há a estagnação e o desaproveito as oportunidades oferecidas pelo pai de amor e bondade, onde muitos deixam escapar a felicidade de infinitas opções, pois o estado de felicidade não se mede pelos prazeres físicos, são aquelas que marcam nossa existência e tatuam na alma a plena conquista individual, lembrando que essa conquista jamais será a idêntica felicidade de seu próximo, mas para vivermos plenamente na plenitude desta graça alegremo-nos pela felicidade plena de seu semelhante.

Ser feliz de verdade não permite o egoísmo de nosso intimo, abrir as portas de nossa morada é permitir o acesso a este estado sagrado e se em algum momento adentrarem nosso intimo e causar diversos transtornos, lembre-se que a organização dependera unicamente de nossa vontade e se alguém lhe trouxer desconforto, simplesmente convide-o a sair, mas abençoando-o e deixando as portas à disposição para serem dignos de um dia poderem voltar a visita-lo, afinal nunca saberemos se também um dia causaremos a um sagrado lar as diversas tempestades, devemos tratar todos com o respeito que nos é por direito ser vivido.

Deixe sempre a morada eterna do Cristo de Deus reger as ações de seu lar, pois com Jesus morando em nossa intimidade, todas as glorias nos farão merecedores de felicidade e alegria no entendimento e compreensão a todos aqueles que nos bate a porta pedindo uma acolhida.


Dr. Bezerra de Menezes, pelo médium Marcelo Passos

sábado, 19 de outubro de 2013

Façamos a própria vontade






“Perguntou-lhes então: “E vós, quem dizeis que eu sou”“ – “ O Cristo de Deus”, respondeu Pedro. Lucas. 9,20.


            Os planos de Deus para a humanidade fogem ao conhecimento das muitas prisões emocionais, sentimentais que carregamos em nosso intimo. Atingir a graduação dos espíritos superiores é possível a qualquer um, desde que desprenda por completo das astucia da vaidade e do orgulho que aprisionam o sentido e a caminhada de muitos irmãos.

            Estas chamas da realidade que arde sem precedentes na alma e na existência de muitos irmãos, retardam a evolução e o avançar para mundos mais evoluídos que deveriam ser acompanhada pela vontade e pelo próprio interesse.

            Nascemos puros e ao longo do crescimento humano vamos aprendendo a enxergar a vida em geral, em torno de preceitos e preconceitos de nossos irmãos próximos e mesmo ao redor, em que vamos galgando o crescimento em comunhão. Cada ser uma ordem de ação, de evolução, resgates e missões a frente do próprio intimo. Nascemos devedores e acumulados débitos ao longo dos exageros e desacerbados conceitos que desenvolvemos bem como o injusto julgamento as criaturas de Deus, as sentenças e as diversas punições que impomos aos nossos páreos e o acumulo destas nocivas praticas que impedem nosso crescimento. Como nos faz imperar no próprio íntimo o discernimento do bem para com o mal.

            Entendam que essas chagas não são apenas do milênio de Jesus, vem galgando fileiras de antepassados que exageram na sua intuição em crer que estavam e agiam em nome do verdadeiro Deus. Aprisionavam irmãos e entre diversas outras condenáveis atitudes de seus praticantes, e que ao longo do tempo vêm tidos seus justos resgates.

            No tempo em que esteve entre nós e enviado pela misericórdia divina, Jesus mostrou o quanto o reino de Deus está próximo e o quanto o distanciamos de nós, não pelos nossos semelhantes, mas sim pela própria vontade e ação em praticas pecadoras em inúmeras escalas e quase nunca reconhecemos nossos erros e fraquezas, pois a soberba em mistura com a vaidade e orgulho trazem estas consequências regressa a evolução, estagnando por completo o avançar do tempo.

            Quando Jesus de Nazaré se pôs diante da humanidade, vinha com a missão de resgatar os perdidos e os desesperados da alma, sua posição e postura incomodavam os poderosos que no auge de suas vaidades, orgulhos e preconceitos exalando pelos cantos da alma entregue as trevas da própria existência, viam a ação do mestre como afronta aos costumes e leis criadas para dominar aquele povo massacrado pela miséria e pela amordaça que amedrontavam as famílias; como acontece nos dias presentes; acreditavam genuinamente na pregação daqueles homens e os argumentos sofistas a fim de garantir seus soberanos postos de destaques.

            Estes homens se envaideciam quando eram reconhecidos, cumprimentados e saudados pelas praças, como os doutores e poderosos da lei e que imaginariamente vinham em nome e representante de Deus na terra. No entanto o Homem de Nazaré surge de família humilde, com singelas vestimentas e fisicamente aquém da soberania poderosa e mostrava a aquele povo que a verdadeira salvação e representação de Deus estão nas singelas e ricas ações e sentimentos, a fé que é externada em milagres da vida em qualquer irmão nesta vastidão divina. E a posição de Jesus frente aquela multidão trazia curas e entendimento a verdadeira vontade de Deus, onde o que mais importava e importa para o pai são as práticas oriundas do coração e do puro sentimento, mostrava que ele era o verdadeiro caminho, a verdade e a vida, pois suas lições e curas mostravam que as verdadeiras chagas nossa de cada dia estão no acumulo de sujidades que colocamos embaixo de nossas mascaras aparentes de bem estar.

            Jesus afirmava ser o caminho, a verdade e a vida, não para se barganhar de adeptos e muitos menos para inflar o ego da vaidade e do orgulho para fazer-se líder de seu povo, ao contrario, ele veio como a missão de transmitir em cada ação e a cada palavra o externar a vontade e a verdade de Deus, como o unigênito e pastor de nossa esperança, veio, cumpriu e cumpre a missão de arrebanhar os pecadores, excluídos, pobres, oprimidos e os humilhados, pois a estes a pureza e o arrependimento são em sua mais genuína vontade de ação, pois as condições que lhes desfavorecem ao momentâneo olhar afastam qualquer possibilidade de sentimentos que cegam a verdadeira salvação.

            Quando Nosso Senhor Jesus Cristo quer que reconheçamos nele a salvação, a verdade e sendo o filho de Deus quer que façamos a vontade do pai em todas as nossas ações, desprendendo de todos os males mortíferos da alma que entregam nossa sorte aos vales da sombra e do sofrimento da morte. Jesus veio para formar envolto de si os novos moradores do Reino de Deus, salvando os arrependidos e esquecidos, os pobres e os fracos e acima de tudo aqueles que se enchem do Espirito Santo e faz de suas ações e sentimentos a vontade de Deus.

            A escola planetária desafiam em constância todos os filhos e criaturas do Senhor, como Jesus também fora desafiado incessantemente pelos dragões, que além de o perturbarem pessoalmente, faziam nas pessoas dos Escribas, Saduceus e Fariseus que com bastante cólera desafiava o Mestre em suas pregações, como buscando formas de acusar Jesus em nome das leis dos homens e na contradição dos costumes daquela época. Somos tentados a todo tempo a perder-nos pelas trevas, nos é de direito o livre arbítrio, como também responsáveis pelas consequências assumidas e se mesmo diante da continuidade do pecado e do verdadeiro arrependimento, lá estará Cristo Deus para nos amparar e a nos resgatar.
           
            Nos vales sombrios do plano espiritual há diversos irmãos perdidos e sem esperança, perdidos nas próprias prisões e entregues a suas vaidades e orgulhos, amedrontados e arredios e que são abusados pelos abutres do maligno, que incidam para que apossem das energias de irmãos para a manutenção de suas vontades terrenas, que permanecem impregnados nestas algemas e faz de muitos irmãos encarnados fracos e desprotegidos da energia protetora, posse de sua lasciva e devastam toda caminhada do usurpado, levando a depressão e as inúmeras doenças e vícios que vão além da individua vontade. Por isto a necessidade de seguir sempre as orientações do Mestre; orai e vigiai; e lembre-se que o obsessor é um irmão doente e que merece também toda a misericórdia, e aos primeiros indícios da obsessão aonde vem para machucar aos nossos semelhantes e a perder-nos na própria liberdade, mostre para esse irmão que o respeita e oriente-o a pensar em Jesus, pois o Reino de Deus e a sua misericórdia são para todos que buscam salvação e peça a eles que se arrependem e que chamem por Cristo, mas se estes insistirem em permanecer a própria sorte, diga-o que afaste de você, pois tu és um filho de Deus e que com você vive ao lado e nas lições de Jesus. E não sejam perversos a estes irmãos, pois são doentes e dignos ao mínimo de nossa oração e do respeito e da plena de dignidade.

            Lembre-se quem nem sempre o fruto da nossa obsessão é de responsabilidade de irmãos desencarnados que se unem aos seres para sugar o melhor da matéria, a própria obsessão aos prazeres do poder em todo o sentido, em destaque para o poder do dinheiro é fruto do livre arbítrio e que a consciência de cada um é a sentença de sua verdadeira situação. Por isto a importância do autoconhecimento e da constante e reforma intima, pois ninguém é mal e pratica o mal irracionalmente, todos sabem a tonalidade da aplicação de suas vontades.

            E lembrem-se irmãos: Jesus é o único Caminho, a única verdade e a única vida e se quisermos ir com ele junto ao pai, fazemos por merecer a nossa própria vontade.

            Dr. Bezerra de Menezes.

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

A poderosa força da fé



Levanta-se e vai! Tua fé te curou. Jesus.
           
            A fé é a força que carregamos em nosso intimo e traz incalculáveis reservas poderosas e é a chave para a solução dos problemas que a humanidade carrega e é o trunfo contra todos os males do perverso. Há enfermidades do corpo e da alma que são solucionados por este grande poder, quando acreditamos no próprio potencial e unimos a força do bem com amor, respeito não haverá mal algum que possa nos vencer.

            Não vamos encontrar a força da fé nos livros, nos poderes aquisitivos, nos bens materiais acumulados com o tempo, pois cada um tem sua força individual capaz de fazer possível todos os desejos e inclusive viver o bem em toda sua acústica longe do poder do mal.

            Acreditar em si e nas oportunidades que Nosso Senhor Jesus Cristo nos prova com inúmeras curas promovidas a irmãos que acionam o maior das forças e aniquilando todos os males, é motivo de espelhar essa força em todas nossas ações. Compreendendo que cada irmão tem suas próprias e incalculáveis reservas para obter o que tanto almeja: A cura, a felicidade, a liberdade e a salvação.

            A sociedade está enferma quanto à falta do uso energética da fé, quando guardamos algo e não se utiliza na sua real importância, perde-se pelo tempo e pelo desuso, e quando necessitar não saberá onde encontra-la, pois estará perdida, e em muitos momentos o desespero pela inexperiência e pela incerteza o sentido sem rumo será realidade, pois consome nas diversas enfermidades que assombram os filhos de Deus.

            A fé destrói com todo o pecado e transforma nossa caminhada em um tapete vivo de esperança e oportunidades, quando se conhece a força do próprio intimo nas diversas obras do criador que nos inspira sempre a buscar a verdade e a força do bem, estaremos sempre prontos a enfrentar as astucia do mal com todas as habilidades de um soldado cristão a defender-se de todos os ataques possíveis, entre eles a lutar pelo maior do amor, que é Deus, a nos fazer todos os milagres se transformarem em merecimento.

            Devemos nos desapropriar das armas nocivas que carregamos e torna-se impeditiva contra a fé verdadeira, que são as armas do orgulho e da vaidade excessiva que atingem o intimo das vulneráveis criaturas, aonde as trevas se faz presente a abriga-se por todos os cantos vazios dos irmãos entregando-os as areias movediças do pecado e da esperança, causando enfermidades que fogem aos olhos da medicina convencional, levando aos homens a eterna infelicidade e as enfermidades sem a esperança da cura física e principalmente espiritual.

            Deus não quer que façamos sacrifícios pela fé como impôs a Abraão naquele tempo, pois ele conhece a nossa fé e deseja que a façamos uso permanente e está sempre em sintonia com a sua palavra e sentido que fala em nossa alma e em nosso coração. Permita escutar a voz racional e equilibrada que emana de nosso coração, voz essa que grita a verdade e o equilíbrio.

Surdam-se os irmãos para está voz que clama no deserto da alma, onde são levados pelo próprio sentido e ações. E ao encantar-se pelo cântico hipnotizador do mal que nos mostram um oásis a falsa realidade estará todos sem sentido, sem um norteador da vida e sem a bússola da única e verdadeira direção, entregando-se ao calor e ao gelado clima das trevas do medo e da dor eterna.

            Mesmo perdidos no deserto movediço e ao clamar pelo amor do Pai e pela sua misericórdia, logo encontraremos Jesus a nos salvar e mostrar a verdadeira força da nossa fé, que nos salvará de todos os abutres do pecado e da morte.

Clamamos Jesus a salvar-nos de todos dos perigos e encantamentos do mal, tenhamos sempre a real e força para vencer as injustas facilidades que nos hipnotizam pelas forças que nos aprisionam ao próprio abismo.

            Realmente querem ser salvos, curados, amados, livres, então se desarme da vaidade e do orgulho nocivo e dê lugar à fé e verá o quanto este poder é incalculável e fundamental a nossa caminhada e o quanto podemos ser perante a humanidade pela fé e seremos todos livres do pecado e das enfermidade e dignos da presença do Senhor em nossa sagrada morada.


            Dr. Bezerra de Menezes.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Liberdade divina


Quem não está comigo, esta contra mim; e quem não recolhe comigo, espalha. Lucas. 11,23.

            A liberdade é umas das mais agradáveis e cobiçada busca a viver na alegria e na felicidade, podendo comungar os mesmos ares com Nosso Senhor Jesus Cristo na pratica infinita do bem e do amor, brindando com toda a emoção e certeza em trabalharmos e agirmos com ele na infinita bondade.

            Ser livre parte do pressuposto da compreensão a todos os seres vitais sejam orgânicos e inorgânicos, no instituto universal de respeito que sempre deve imperar em nosso ser. Compreende-se que todos os seres são impar e criaturas da obra do Pai e com eles suas estruturas peculiares que é limitada a fronteira da vontade de seu semelhante, não podemos jamais interferir no livre arbítrio alheio, temos o dever de instruir para o bem todos os irmãos, pois ao cuidarmos de quem nos faz necessários, agimos pela vontade de Deus e ao omitirmos estaremos sendo covardes e em alguns casos entregando aqueles ao perigo de se perder pelo universo do pecado.

            O dever da orientação é fruto do amor, assim como a negativa impeditiva quando se limita a uma criança aos excessos nocivos em que para desbravar o mundo não calculam os riscos e muitas machucam com diversas consequências. Assim são todos aqueles que nos cerca, o excesso maléfico em muitos momentos pode-se passar por um inocente pensamento ou ação, mas quem consegue visualizar tem por dever alertar, mas se mesmo assim este irmão insistir no erro, as consequências lhe será proporcional.

            Por isto nosso Pai maior nos enviou e sempre nos envia anjos a proteger-nos e para que todos compreendam a sua vontade, nos enviou Jesus Cristo, como sua imagem semelhança da salvação e fonte de toda vida, por ele fomos ensinados o que permanece intacto a todas as formas de está com ele no paraíso, há nações que não o veem como o Salvador e enviado pelo Criador, mas sabem que existe um homem que dividiu o tempo da historia em nossas vidas.

            Ao aprofundar no ensinamento divino compreenderá o universo que para fazerem-se criaturas melhores não precisa acreditar na figura ilustrativa de Cristo, basta compreender as lições das escrituras e colocar em pratica em toda sua magnitude, pois no código divino é compreendida a existência da historia e da reforma intima necessária para a felicidade e a postura que devemos adotar frente aos nossos semelhantes, bem como entender que todos nós somos diferentes neste universo e que além das diferenças temos nossas fraquezas como também qualidades e devemos sempre preencher nossas lacunas vazias bem como a de nossos irmãos que necessitam do equilíbrio.

            Estar de verdade com Jesus é colocar em pratica tudo aquilo que ele ensinou, não basta apenas conversar incessantemente com ele por meio das orações; que nos são vitais para a existência; mas as ações diárias na compreensão, no amor, na caridade e no respeito devem ser mantidas e reformadas na sensibilidade divina, desfazendo-se do orgulho e da vaidade. Somos livres, mas com o dever de limitar essa liberdade na pessoa de seu semelhante e com ele somar com o bem, não sendo desleais e perversos e muito menos algozes da evolução alheia.  

            Disciplinemos as nossas ações e sentimentos aos ensinamentos do mestre, pois tendo a organização, a presteza do bem e com a sede ao aprendizado único e respeitando as inúmeras obras de nosso amado Deus, bem como nossos semelhantes e suas individualidades, terão a oportunidade e o merecimento de desfrutar a verdadeira liberdade e as beneficias verdadeiras e imperecíveis, como o amor verdadeiro que nunca morre simplesmente se eterniza, pois acreditamos no Senhor.


Dr. Bezerra de Menezes, pelo médium Marcelo.