sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Os meios justificados.


A ninguém damos qualquer motivo de escândalo, para nosso ministério não ser criticado. 2Cor.6,3.

            O que somos e o que sentimentos de fato refletem em nossas ações diárias e é o resultado das colheitas a que tanto semeamos na vida, a felicidade reflete o quanto e como zelamos pelo nosso jardim interior, se cuidamos para deixa-lo belo e livre da praga do pecado que surgem para devastar os verdes campos e o colorido das flores que leva a destruição e tristeza a seus frequentadores.

            Os seres planetários desenvolveram ao longo da historia o péssimo habito de questionar os acontecimentos da vida com bastante cólera e quase sempre dificultando o andar da suavidade da vida e da liberdade para que o bem possa ser soberano na qualidade dos pensamentos e das ações praticadas. Quase nunca estamos satisfeitos com o que temos, creditamos uma injustiça ao que possuímos, quase nunca agradecemos.

            Adquirir bens é um desejo de todos e é aprovado pelo senhor sobre nós, entendendo a proporcionalidade e o merecimento de cada um. Os protestos ganham veemência ao longo da vida, o que quero e o que é merecido? Quando não somos atendidos em nosso deleite, seja em qual magnânima for, logo entregamos as falácias e a acidez das reivindicações, queremos mais, queremos muito mais e o que temos é pouco e é injusto ter o que temos, é a grande chaga da humanidade, nunca estão satisfeitos com o que tem, não agradecem a graça recebida na proporção ofertada pelo merecimento. E o que realmente fazemos para merecer a recompensa? Esta reflexão deve atender a todos encarnado e espirito aprofundando sem medo e sem cerimonia a nossa consciência.

            Devemos reivindicar as melhorias para nosso intimo, solicitando ao senhor influencias positiva e anjos a nos auxiliar no reerguimento de nossas estruturas, reclamar sem fundamento trará mais dificuldades do que solução para a existência, compreendendo que devemos agradecer cada graça recebida, mesmo que a dimensão não atinja os holofotes em que a vaidade e o orgulho tanto clamam. Se nosso semelhante tem algo melhor do que possuímos é graça alcançada e merecimento recompensando, a mesma graça e o mesmo merecimento que usufruímos no que temos.

Se quisermos mais, façamos por merecer, não apenas nas orações expressadas, que é fundamental para a manutenção e a segurança de nossas estruturas e é o que trará de verdade parte fundamental ao nosso equilíbrio e ao que necessitamos e para nivelar o equilíbrio devemos praticar a oração em ações cotidianas e rotineiras e não extraordinárias, onde às vezes é feito algum bem, a oração expressa e a oração praticada deve ser o equilíbrio e o exercício diário, como no local empregado, no seio familiar, nos irmãos compartilhados, na natureza grandiosa a nos auxiliar na totalidade da vida. Jamais esquecendo os seres em desenvolvimento como os animais de todas as espécies, pois eles são fundamentais ao nosso auxilio e importantes no equilíbrio vital, afinal, Deus nosso Pai escolheu os animais em pares para renovação da vida no período do diluvio em que confiou a Noé a missão e não aos homens, cheios de pecados.

É nos animais que devemos espelhar nossas ações, são eles que nos ensina que devemos respeitar os desígnios de Deus sobre nossos sentimentos e instintos, não devendo praticar o mal por divertimento e deleite a atender as satisfações do mal, um animal não guarda rancor e ódio de ninguém, se é agredido, no momento ele se entristece e se amedronta com a ferocidade do mal, mas logo esquece que foi agredido e não desejará qualquer retorno negativo ao seu algoz, não reclama a sorte depositada, não reclama o que tem, agradece tudo e o mínimo de atenção recebida. Não aniquila pelo simples prazer do sofrimento alheio em todos os sentidos, não são ingratos com Deus e nem com quem lhe oferta o bem, mesmo agredidos são ainda capazes de venerar os humanos que se consideram superiores.

Temos de aprender com os anjos, assim como os animais caminham para a condição do homem, os homens evoluem no encalço do anjo. Os anjos foram animais e homens como muitos nesta vasta seara, foram puros, pecadores, arrependidos e aprenderam o valor de glorificar a Deus e entender os propósitos e proporcionalidade do merecimento, souberam e sabe agradecer a cada ar respirado e a cada grão de mostarda ofertada, mas para que os irmãos atinja esta qualidade devemos observar os extremos, pois estão na metade do caminho, compreendendo sempre que haverá o início, o meio e o fim. Pois são os meios que justificarão o fim.

Não reclame o que tem, agradeça e se desejar conquistar algo a mais, mereça.


Dr. Bezerra de Menezes, escrito pelo médium Marcelo Passos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário