segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Brilhantes da alma.



Nele tendes tudo plenamente. Ele é a cabeça de todo principado e autoridade. Colossenses. 2,10.

            O que somos e o que temos vem do principio ativo das nossas ações e sentimentos pregresso, ao que desenvolvemos em sociedade no presente de nossas praticas e atividades que exercemos frente aos conceitos que adquirimos oriundos dos ensinamentos mestre de Deus, que tanto nos inspira a confiança do progresso da salvação e a certeza de nossas ações guiadas por Jesus.

            Compreender a vontade de Deus sobre nossas ações não vem unicamente do conhecimento das palavras e dos diversos livros que abrigam as cidades e temos a nossa disposição, a verdade são conteúdos necessários para que atinjamos o ápice da vontade, no código divino encontraremos os índices necessários para alimentar a alma com magnânimas opções em seu sumario, basta indicar a vontade e praticar o que é ensinado.

            Ao nosso semelhante havemos de espelhar suas beneficências e somar aos nossos sentimentos, excluindo os excessos nocivos e peneirar a demasia, retirando a lama e colhendo os brilhantes desejados por todos, lapidando com zelo e retirando todos os excessos, aproveitando o melhor a cada valor fragmentado em nas ações e sentimentos a distribuir as fortunas da alma.

            Há diamantes que devem ser adquiridos com o garimpo de nosso trabalho interior, deslocando-se ao lago sagrado do próprio intimo e nas buscas da preciosidade interior, não há quem se furte desta riqueza, há sim aqueles que não exploram o próprio ser e não encontram essas belezas, deixando o tempo corroer o brilho diário e a oportunidade de exibir o maior dos brilhantes e poder viver a verdadeira riqueza da alma.

            A praticidade da escrita para com a execução das ações atravessa uma longa passagem, do inicio ao fim do transpor há os meios das praticas, unidas aos sentimentos e ações. Os conhecimentos adquiridos com as escritas são temperos fundamentais para a execução de todo alimento a se ofertar, mas a essência fundamental esta na qualidade que distribuímos. Não se deve apenas prender-se ao que se lê o não praticar o que se aprende, pois sufoca o conhecimento e empobrece o espírito e as ações que por dever devem ser produzidas, perde-se pela inercia e pela omissão, afinal, o conhecimento é fonte eterna que passa por diversas etapas de nosso intimo, assim como a criação de Deus disposta a todos sem distinção.

            Para Deus o melhor é se fazer analfabeto das palavras, mas ricos nas ações, pois a experiência praticada vai muito além do que se lê e do que se escreve, o que se indica nas palavras como do código divino são todas as opções e o menu que temos para explorar o maior do universo, a caridade e o amor sadios, pois a necessidade de cada um vem das ações eficientemente praticadas e os exemplos espelhados para que o renovar da vida seja praticada.

            Não guarde para si o que se aprende, distribua, mas sem se prender as vaidades e o orgulho, distribua os conhecimentos e se permita também a aprender. E também não queira fazer da sua saberia lei para seu semelhante, mas sim o pão multiplicado e que se compartilha saciando a fome de aprendiz. Ler e aprender com as palavras são fundamentais e essenciais para compreender a catedral do bem, mas apenas saber de nada adiantará se as ações não corresponderem pelo curriculum aprendido, leia com atenção e aprenda com dedicação o que está escrito, mas rompa com fé as paginas dos best-sellers e coloque em prática, a começar pela atenção aos seus semelhantes, se alguém lhe aproximar querendo capinar o mundo, entregue a enxada e deixe-o desbravar, afinal, as ações é que resultará de nossa real limpeza.


            Dr. Bezerra de Menezes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário