quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Profunda Reforma.




Mas Jesus lhes disse: “Um profeta só é desprezado em sua terra e em sua própria casa”. Mateus. 13,57b.

            Amigos,

            Em nossa reflexão vamos adentrar para o mundo muito comum entre nós, encarnados e desencarnados, o seio familiar. Compreendamos que somos frutos únicos que se modifica ao longo da existência e nas aparências estruturais, somos vários em uma única existência. Em cada intimo diversas experiências, a realidade a busca de novos conhecimentos e novas experiências que adquirimos não para mostrarmos nossas habilidades ao Senhor, mas para que a engrenagem da vida seja precursora da salvação.

            Quando criados somos lisos de aprendizados e colocados em evolução para adquirirmos diversas vidas dentro desta unidade, isto serve para que sejamos espelhos para aqueles que veem em sua evolução e que nossas praticas para que o ápice do bem seja espalhado como brisa a penetrar e a tocar nossa face sem permissão e sem qualquer interesse.

            Praticar o bem nada mais é que nosso real dever frente à encarnação e a existência confiada, as aparências não devem jamais refletir os conceitos para com a sentença que decretamos em maioria vezes aos nossos entes amados e criaturas que comungam este grande mistério que é o proposito divino. Muitos mundos nos serão apresentados para que possamos desenvolver os seres no rumo da evolução e da salvação. Quando atingiremos o reino? Quando nós mesmos quisermos. Mas para que tenhamos esta graça, devemos começar a partir deste momento a reformular nossos pensamentos e ações frente à sociedade divina, desfazendo dos preconceitos que impregnam nosso intimo e descartando nossas vaidades e orgulhos nocivos a evolução. Compreendam que esta reforma não será feito por ninguém a não ser por cada um que comanda a própria existência evolucional, poderão aparecer os anjos que nos cercam para de fato nos mostrar nossas condições e não se apossar das vaidades e acolher com humildade a voz divina que clama por diversas formas.

            Estes anjos estão sempre conosco ao qual caminhamos para a evolução e crescimento, a começar pelo seio sagrado da maternidade, ao qual somos todos colocamos e enviados para que se faça nova todas as coisas, aprendendo com as marcas e as essências ancestrais para que uma nova era possa evoluir para o melhor de todas as condições da alma no crescimento infinito rumo a felicidade.

Para a infelicidade divina, a realidade existencial ainda não germinou como uma semente produtiva, quantos nos são postos diante de nossa face para nos alertar e ensinar e o quanto desdenhamos e desrespeitamos o próximo por crer que sua verdade é imperialista aos seus próprios desmandos. As criaturas crescem e aprendem no seio familiar a existência do bem e ao criar as primeiras asas de liberdade logo escarnassem daqueles que tanto lhe querem o bem por aventuras libertinas e regradas a muitos pecados devastadores, onde muitos em nome da vaidade acabam interrompendo sua evolução por uma liberdade sem precedentes e desrespeitosas.

O plano espiritual meus amigos não vem para comungar com essas praticas, vem para alertar e como é feito incansavelmente desde a existência da vida no momento em que tudo fora criado pelo Pai e criador de tudo, para direcionar a todos. Onde diversas carnes são colocadas entre as carnes para que possa vivenciar na mesma experiência a comunhão evolutiva e ao professorar todas as criaturas numa única vertente, o reino dos céus.  O que Cristo em sua passagem ditara que quando nosso senhor envia profetas diretamente sob o seu comando e orientação permanente, de certo que este mesmo deseja que o comportamento das criaturas se modifique sim, como no tempo de Moises que diversas regras foram implantadas pelo profeta, bem como as praticas dos costumes, mas com sua vinda, ele mesmo em concordância com o Onipotente, veio para reformar estes costumes das leis mosaicas, não que as leis de Moises estivessem em desalinho com a vontade de Deus, ao contrario, pois naquele momento eram necessárias as regras de Deus para o alinhamento das criaturas. No tempo de Jesus já se comportava a humanidade de formas diferenciadas e como muitos exageravam na aplicação em nome de poderes vaidosos, foram necessários que Jesus viesse para implantar novas liberdades dentro dos princípios da vontade de Deus, no amor incondicional de todos.

Como o homem terreno ainda engatinha na sua evolução e ainda impera sobre cada criatura as trevas do pecado, não compreenderia a voz divina a clamar sobre todos numa única comunhão e unidade, com isto, sempre envia os profetas homens entre os homens e mesmo assim não são reconhecidos e respeitados, como o pai e a mãe que quando os filhos crescem as primeiras asas e descobrem o mundo mundano e não filtra o bem e o mal, desprezam todo zelo pelos pais, como muitas vezes desprezamos o pai celestial em nossa casa, o coração que impregna no pecado sem dimensão e movidos pela própria vontade e pelo próprio livre arbítrio, pois não há uma criatura ingênua que pratique o mal sem a consciência de suas praticas e claro consequentemente suas consequências.

Não despreza jamais o amor do pai em nome dos ídolos imaginários do pecado, como o poder, a ganancia, o ódio, a ira, o rancor, o ódio e mesmo o imperialismo do dinheiro, este instrumento capaz de construir tudo bem como tudo destruir. O equilíbrio sempre deverá imperar. E devemos sem restrição mergulhar no divino amor a nos banhar com todas as formas de bênçãos, a começar pela vida, e louvando sempre os homens de boa vontade.

Dr. Bezerra de Menezes.
           


2 comentários:

  1. Felizmente, e Graças a Deus, temos a certeza que Dr. Bezerra de Menezes nunca se esquece de nós, contribuindo incansàvelmente para nosso Bem Estar, nossa Saúde e nossa alegria Cristã no caminho da caridade, do Amor e da Paz.

    ResponderExcluir
  2. Gratidão sempre Dr. Bezerra médico de homens e almas.

    ResponderExcluir