terça-feira, 27 de agosto de 2013

Plantar para distribuir



O semeador saiu a semear. Ao semear, uma parte caiu à beira do caminho. Vieram os pássaros e a comeram. Mateus. 13,3-4.

            Nosso pai nos criou em harmonia e protegidos de todos os males, e para aqueles que creem na sua palavra e na sua benevolência não há de se perder pela vastidão existencial, bem como a produção dos frutos a que se semeia nas férteis terras do bem.

            Somos todos direcionados com o proposito do bem, o nosso prontuário já vem predeterminado do que havemos de cumprir, entende-se que a vinda ao planeta requererá não apenas a vontade de querer, mas de resistir o não querer, e de posse da liberdade e do livre arbítrio.

            O livre arbítrio é como fosse uma fortuna que se recebe totalmente a sua disposição e ao usufruto, seu uso é um direito bem como a melhor forma que seu uso e vontade. Assim como a grande fortuna, o mau uso poderá leva-lo a falência e a viver na miséria, ou, na disciplina e no equilíbrio a que se dispõe utiliza-lo, nada há de temer quanto à falência dos valores, sempre existirá.

            Somos também semeadores meus amados e minhas amadas, também plantamos nossas sementes pela vida e havemos de colher a qualidade dos frutos e a mesma atenção e proporcionalidade a que cuidamos e zelamos pela manutenção de sua saúde e de seu desenvolvimento. Mas sem o zelo necessário, podemos perder as sementes pelos caminhos e ser devorado pelos famintos de nossa energia e de nosso progresso.  Deus nos tem em pleno zelo a nossa proteção, mas respeita o que de sagrado adquirimos, o livre arbítrio, tão importante quanto à vida que possuímos, pois é ela que determinara a colheita de nossos frutos e a propagação ao uso de demais outros irmãos.

            Havemos de compreender que os nossos frutos jamais deverão se limitar ao uso egoístico da posse, é fundamental compartilha-lo com quem esta ao redor, pois é esse nosso dever, plantar para distribuir.

            Quanto mais distribuirmos nossos frutos, maiores serão nossas sementes espalhadas, pois ao final de cada uso sempre sobrarão às sementes que bem cuidada e zelada estarão sempre aptas a dar vida a novos frutos.

            Lembre-se sempre daquele fruto saboroso que degustam ao paladar, teve inicio em uma semente que alimentou e que se renovou na semente de sua origem e diversos outros frutos se formaram e hoje alimentam muitos com grande fartura e a qualidade. Resultado da excelência da semeadura primogênita.

            Por isto qualifiquem suas sementes, ou seja, as ações e sentimentos diários, para colher os frutos do amanhã e orgulha-se dos novos frutos que se formarão, sendo sempre em si o melhor dos semeadores.


            Dr. Bezerra de Menezes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário