domingo, 18 de agosto de 2013

Os Laços da eternidade



Assim, já não são dois, mas uma só carne. Não separe, pois, o homem o que Deus uniu. Mateus. 19,6.

                                                                                 
            A união universal entre seres de espécies distintas na vida existencial traz diversos entendimentos entre povos e culturas dizimadas por todas as nações, a força bruta insiste em perpetuar sobre a força do amor e da sensibilidade, a virilidade masculina atravessa longos períodos em trevas em seu comportamento dito instintivo.  Por outro lado a força feminina se esconde no medo e na moral de uma sociedade alienada a forças ocultas do perverso.

            A vida estável de dois seres compreende-se a necessidade de perpetuar os seres para a continuidade deste grande ciclo, conforme a historia nos apresenta e comprova nas paginas do código divino. Onde desde a criação do homem a união em prol de uma nova existência de toma por uma única unidade, o amor e a união de Deus.

            Vemos com bastante fartura ao longo da sociedade a distorção deste instituto de união, onde a banalização deste laço sagrado tem se tomado proporções assustadoras e contrariando completamente a lei divina.  E o que se é unido pelo amor de Deus, o homem não separa. Esta agressão que muitos fazem a face de Nosso Pai atrasa com grandes precedentes a evolução de quem pratica. Os laços familiares quando construídos com amor é nossa divindade eterna e laços que nunca se romperão.

            A sexualidade entre os povos tem levantado uma grande discussão nas colônias espirituais, o comportamento dos seres tem sido bastante atacável e incentivado pelas forças do mal que imperam sobre o ego, a vaidade, o orgulho e o egoísmo, onde os prazeres da carne sobressaem aos valores divinos. No corpo material físico, nosso Pai nos dá as duas faces da vida, o bem e o mal, este último acompanhado dos prazeres aos quais devemos ser arredias de nossa própria vontade e combate aos instintos que em muitos casos colocam nossos semelhantes a posições vexatórias e humilhantes por nossa responsabilidade.

            A união meus amigos não se restringe aos laços matrimoniais entre um homem e uma mulher, a união esta em dividir a mesma existência com demais outros irmãos que também galgam a evolução e caminham de volta ao Jardim do Éden. Os laços entre filhos e pais são tão sagrados quanto nossa fé no Pai Altíssimo, onde nada pode romper este laço nem mesmo os que se adentram a este seio, é compreendido que todos vêm com missão única, mas os laços de amor, respeito e cumplicidade jamais deve ser romper, bem como a união universal dos seres, seja na família, como na convivência com o universo. Sejam na língua falada e entendida, seja na linguagem diferente ao qual devemos aprender se comunicar.

            Por isto amigos, quem faz parte deste grande livro da vida onde se faz o protagonista principal, este livro dado por Deus que é sua existência e que é escrito pelo Pai de Amor, e a historia e os capítulos conduzidos pelo próprio livre arbítrio, os personagens desta historia são regidas pelo pai, ao qual deverá aprender a lidar com todos e suas distinções diversas, pode muitas vezes se perguntar o porquê de determinados irmãos fazerem parte de sua historia, principalmente, os que te causam algum desconforto, é a mesma pergunta que muitos também fazem o porquê também fazem parte de seus capítulos. Este é o mistério de Deus, que faz de nossa existência uma experiência e de cada sentido, uma certeza, amar uns aos outros como nós mesmos nos amamos e amar principalmente aos nossos diferentes, pois amar os nossos páreos é cômodo e não traduz o verdadeiro pódio da vida, o amor universal.

            Ninguém poderá separar a união que Deus sela formando uma única vertente, o amor, e quem mesmo assim persistir em separar a união de Deus, que a própria sorte não seja recebida como injustiça e castigo e sim como forma de não interferir nos planos de Deus. Aquele que cobiça cônjuge alheio é tão adultero quanto quem é pego no fato, bem como aquele que deixa o lar e se une em outro matrimonio, estes também estarão vivendo em adultério permanente. O adultério se estende aos demais laços de união configurada por Deus, onde muitos persistem em separar as uniões familiares, nas amizades, no convívio profissional que também são laços de união constituídos por Deus, onde a convivência entre trabalhadores é forma de comunhão, e se alguém causa algum maleficio para afastar determinados irmãos de um trabalho e se os sentimentos estiverem armados de egoísmo, inveja, intolerância, impaciência, poderes, egos, vaidades e orgulhos, também estarão desatando os laços de amor com Deus.

            Devemos sim desatar o nó do mal que insiste em permanecer em nosso ser, causando dores, desunião e cóleras por todos os sintomas de maldade que possa imperar em nosso sagrado coração e nossa condução de sentimento e pensamento, onde temos que em todo momento renovar nosso intimo e se os bens materiais não te parecerem justo no que vive em sua experiência, não credite em seu semelhante sua frustração e ignorância quanto os planos divinos e agradeça a nova vida que tens a crescer e aprender, pois se muitos voltar a vidas pregressas, verá muitas vezes o que possuímos ainda é muito. Então agradeça a união que ainda tens com Deus.

            Dr. Bezerra de Menezes.
           


Nenhum comentário:

Postar um comentário