segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Muitas vidas necessárias.



Quem dá ao semeador a semente e o pão para comer também vos dará ricas plantações e multiplicará os frutos de vossa justiça. 2Cor.9,10.

            A riqueza da vida não reflete nos bens materiais acumulados de diversas gerações, a maior das riquezas esta onde alimentamos nosso Ser na grande caminhada que nos dará o acumulo de energia para dia a dia galgar o reino de Deus.

            Não é uma caminhada fácil, quem crê nesta vertente de que chegará ao reino sem luta, sem suor, sem o trabalho diário, não precisa sequer iniciar o primeiro passo, pois ao alcançar a primeira curva defrontará com a frustração da cruz a carregar. Pois muitos acreditam que as posses confortáveis e ricas são traduções de bem estar, aparentemente pode parecer, mas haverá sempre um vazio ou uma lacuna a se preencher que poderá passar uma existência sem o menor interesse em preenchimento para realmente completar a felicidade e a verdadeira caminhada.

            Mas porque será que Deus galga tantas dificuldades para que os seres possam alcançar o seu reino? Irmãos esta situação começo no quinto dia da criação de tudo, onde Deus criou o homem conjuntamente com diversos outros seres vitais que comungam nossa existência, conforme o livro dos Genesis, e deu ao homem a mulher para que pudesse auxiliar nas atividades no Jardim do Éden ou o Paraiso, como desejar os irmãos. Mas naquele instante, Deus auxiliou a sua criação em perfeita harmonia, como também ditou quais frutos poderiam se alimentar. E uma determinada arvore, proibiu que seus frutos fossem provados pelo homem. No entanto, a serpente se aproximou da mulher e ofereceu o fruto daquela arvore, receosa não desejava experimentar, até que fora convencida pela serpente que a ludibriou e também ofereceu ao homem que experimentasse tal fruto. No instante que experimentou ambos se viram nus e envergonhados colocaram folhagens para esconderem sua nudez que era até então inocentes.

            Ao aproximar de ambos, Deus constatou a contravenção cometida por ambos e a mulher justificou os motivos que levou a experimentar tais frutos, então o Senhor determinou que a partir daquele momento a serpente andasse rastejando pelo seu ventre e seria temida pelos demais seres, a mulher fora determinada que para dar vida a novas vidas fosse pela dor do parto e ao homem se sustentaria pelo seu trabalho e tiraria da terra o seu sustento e foram expulsos do paraíso para que pudesse novamente aprender o caminho do certo e a volta ao Jardim do Éden.

            Aqui estamos nós irmãos, encarnados e desencarnados, sendo reflexo de nossos ancestrais, ao qual em cada nascimento uma nova e única experiência em consertar todos os nossos erros e caminhando para novamente ser dignos de entrar no Reino e para isto as necessidades de viver todo o fruto das experiências e entre eles a resistência quanto ao fruto das serpentes na tentação diversas que nos são oferecidas diariamente.

            Compreendendo as nossas inúmeras fraquezas e facilidades em encantar-se com o encanto das serpentes, Deus em sua infinita bondade e infinito amor, nos enviou diversos profetas, entre aos quais se destacam Moises e seu unigênito Jesus Cristo, que trouxe ao tempo as regras que haveríamos de seguir para a salvação. E mesmo assim irmãos, tempos se passaram e nada na humanidade se evolui evidente que encontramos diversos irmãos que compreenderam e compreende as passagens do evangelho e das regras e buscam com elas se fazer pessoas de bem, descartado é claro, a religião doutrinaria, pois nenhuma delas fala mais pelo Senhor que as palavras e o sentimento único de cada irmão em seu santuário único voltado para a linha dos mandamentos de Deus. Quem transgrida deverá novamente aprender a respeitar e vive-la na acústica em novos nascimentos e vidas.

            O exemplo do mestre Jesus tão mais próximo da realidade traz a vertente que devemos considerar com bastante atenção, as parábolas e as linhas de seu novo testamento que nos traz a cada um o verdadeiro comportamento para que possamos de fato alcançar este reino, sem para que isto fosse necessárias diversas regras comportamentais e sacrifícios diários, Jesus nos mostrou que a força de nossos pensamentos e sentimentos ditam as regras de nossas ações e nossas condutas para que possamos não apenas egoisticamente alcançar o reino, mas para que em conjunto fossemos como uma enorme plantação, onde damos ao semeador o melhor de nós e o alimento que ele precisa para ter a força de nos dar todas as condições necessárias para poder periodicamente chegar ao ápice do merecimento ao Reino de Deus na eterna felicidade e no ingresso as suas determinações e que possamos resistir às tentações dos frutos proibidos e fazer por mérito nossa estadia eterna.
           
            Uma plantação não se faz bela somente com um ramo, mas ela é fundamental para que fique bela, para que possa inspirar outras mais, devendo em harmonia e sincronização praticar a única verdade, o amor, com este temos todas as chaves e aberturas para que sejamos jus a toda justiça.


            Dr. Bezerra de Menezes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário