sábado, 31 de agosto de 2013

Complexidade da fé



Então Jesus lhe falou: “Ó mulher, grande é a tua fé! Seja feito como desejas”. E desde aquela hora sua filha ficou curada. Mateus. 15,28.

            É bastante comum a falácia sobre a fé quando ainda vemos muitos ou diria quase que a totalidade humana perdida nas duvidas e no que o Mestre Jesus nos deixou em palavras, exemplos e em ações. Quando aproximam- se ao nosso encontro pessoas debilitadas, tristes, sem rumo, sem bussola na vida, logo pedimos que ela persista na fé, mas muitos que falam na manutenção da fé duvidam e andam na contramão dos ensinamos de Cristo, principalmente em amar uns aos outros.

            Uma grande minoria de irmãos acredita na acústica e no sentido das parábolas e de varias lições expostas pelo criador através de Jesus, nosso salvador e nosso verdadeiro caminho e a vivem na sua totalidade, nem todo sacerdote é livre da falta da fé, nem todos frequentadores dos templos lhe são credenciada a salvação, muitos destes ainda faltam-lhe o instituto do respeito, quando seguimentos doutrinários religiosos excluem, zombam e escarneiam seus semelhantes, por este possuir determinada religião, nisto também falta à fé em comungar a todos a vida e a salvação, como todos sabem, no reino de Deus não há distinção, há sim consequências de nossos atos e nosso merecimento pela nossa fé na imortalidade para de fato merecer tamanha dadiva.

            Nosso Senhor Jesus Cristo nos mostrou como a faculdade de nossas escolhas influenciam na nossa condição e na condução de nosso merecimento, ele veio trazer a salvação e o exemplo de comportamento que devemos zelar em nosso intimo e colocar em pratica todas as nossas riquezas mais sagradas, a qual não se deve encarcera-la no egoísmo e condena-la a perpetuidade de seu desuso, enquanto a muitos perdidos que clamam um pouco de nossa riqueza imperecível. Sim, essas fortunas que carregamos dentro de nós, de certa forma não é para guarda-la e nem a nós pertence, são joias emprestadas em confiança pelo criador para que possamos distribui-la a todos e sem o medo de perdê-la, pois esta riqueza é fonte inesgotável de recursos e quanto mais propaga-la maior será a sua reposição que é imediata.

            Pode os irmãos questionar, mas devemos doar o melhor de nós a todos? E aqueles que cometem erros graves contra nós, aqueles que nos desdenham, nos humilham, traem nossa confiança? Irmãos, quantas vezes cometemos crimes piores contra Deus, com essas condutas citadas e muitas outras, com ele e contra nosso semelhante? E mesmo assim ele continua a nos perdoar e a ter misericórdia de todos nós, e sabe por quê? Ele tem a fé inabalável em todos nós, mesmo sendo pecadores e grandes responsáveis pelos desvios de nossa evolução.

            Torna-se uma verdadeira falácia e um gerúndio falar sobre a fé, sendo que grande parte de sua acústica é pouco vivida pelos irmãos em Cristo, pois ainda reina nos corações da humanidade a duvida. Em muitos momentos de dificuldade muitos perdem o pilar fundamental da fé e desabam como uma grade implosão dos grandes edifícios, restando apenas os escombros. E sem este pilar, a reconstrução será muito mais difícil e dolorosa, pois o mal da esperança se apodera das forças restantes, como a depressão, a duvida, a raiva, e acima de tudo a solidão acompanhada com a fúnebre morte e o estranhamento as trevas sem a esperança da divindade, onde somos grandes responsáveis pelos apagar das luzes, bem como nosso suicídio para a vida.

            Jamais será instituto de nosso intimo o castigo divino, na realidade haverá simplesmente as consequências de nossos atos. Se caminharmos pelo deserto com uma bolsa d’água e não soubermos conserva-la e usa-la de modo equilibrado e na primeira vontade bebermos toda água, no próximo desejo não haverá mais com que se manter e cessar a sede e a consequência serão diversas, entre elas a morte. E então, foi castigo divino ou consequências de nossos atos? Muitos irmãos ainda veem nosso senhor Deus como um ditador, um carrasco, um vingador e punitivo e que devemos temê-lo, pois não sabe o quanto esta visão sobre ele, o ofende profundamente, muitos creem que Deus se prende as mesquinharias e os sentimentos destrutivos e malignos que a humanidade tem impregnado no intimo de seu coração, ao contrario, ele é justo e nada nos será dado sem que as consequências daquilo que praticamos sejam justamente nos dado para vivê-la e usufrui-la conforme a vontade divina. Se nosso Pai realmente fosse este perverso que muitos querem ainda acreditar, não nos seria por direito a manutenção de nossos sentidos sãos e não teríamos um novo dia para corrigirmos os nossos atos, simplesmente, ele cessaria nossas esperanças.

            A lei de ação e reação transita por todas as avenidas de nosso sentimento e principalmente nas nossas ações, caminha a humanidade para o cessar do tempo da eterna luta entre o bem e o mal, uma nova era se aproxima, onde o bem reinará soberanamente sobre o mal e os poucos escolhidos de fato deverão fazer por merecer sua escolha, e aos muitos que são os chamados, ainda lhe serão necessárias um pouco mais de progresso e mais fé, não apenas em ti, mas principalmente no Senhor e nas suas obras. Ame incessantemente.

            Dr. Bezerra de Menezes.



sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Acústica divina para a salvação





Depois de fazer sair à multidão, Jesus entrou, tomou a mão da menina e ela se levantou. E a notícia espalhou-se por toda aquela terra. Mateus. 9,25-26.

            Deitados estão àqueles inertes dos objetivos e da vontade de crescer, mortos estão os afastado de Cristo e revoltados com o Pai, principalmente quando as vontades egoísticas não são atendidas pelo pai que tanto nos ama, vários se revoltam e de costas para o Pai permanecem e se fazem irredutíveis aos sinais e proteção do Senhor.

            A lei do livre arbítrio que nos fora dado em comunhão pelo Pai, é nossa fortuna e a mais preciosa joia da divindade, somos todos predestinados a um objetivo de crescimento e evolução, mas com liberdade de escolhermos nosso próprio caminho e por qual setor caminhar, se é para o bem ou se para o mal, lembrando que, também somos os únicos responsáveis pelas consequências de nossas escolhas.

            Quando em terra esteve o unigênito, diversos enfermos e mortos de esperança e de um objetivo se aglomerava ao lado do Messias para que pudesse acender a esperança entrevada no intimo e amordaçada por grupos de supostos sábios e doutores da lei. Nada diferente com a realidade presente dos amigos leitores, quantos ainda são sucumbidos da sua vontade pelo egoísmo de seu semelhante e quantos de nós também imperados pelo egoísmo sucumbimos à vontade de quem esta ao nosso redor, principalmente quando este apresenta uma inferioridade externa e ignoramos totalmente seu intimo e desejamos imperar nossa vontade numa ditadura sem precedentes.

            O egoísmo em sua magnitude causa sérios danos sem pedir licença, invade nosso ser e corroem todas as estruturas essenciais para a manutenção da vida e progressos evolutivos, essas e outras atitudes nocivas que insistimos em manter dentro de nós, prejudicam não apenas a nossa morada divina, afeta com veemência e agressividade todos que nos faz moradas e afins, onde um fruto envenenado poderá comprometer toda safra de frutos sadios, transforando toda saúde em enfermidades sem precedentes e entregando a agonia lenta e dolorosa da alma.

            Uma vastidão de irmãos se encontra nas trevas da agonia, da dor e das enfermidades múltiplas a que se submetem, frutos do abuso dos sentimentos errôneos que muitos ainda insistem em manter, como sempre nos foram alertados por diversos irmãos que no planeta se abrigaram e os presentes enviados da vontade do Senhor. Como novamente apresentamos a lesividade dos sentimentos e ações prejudicam a saúde plena de nosso espírito e não vamos se fadigar em alertar, contra estes males presentes no egoísmo, na inveja, na intolerância, nas cóleras, na irá, no rancor, no ódio, entre diversas moléstias que traz tristezas, choros, doenças do corpo e da alma, mortes e a agonia eterna.

            Estudar a palavra de Deus e vive-la na acústica é o nosso combate a essas enfermidades presentes na humanidade material e espiritual, são as ofertas que o maligno tem a nos presentear, engana-se que a moda do mal trará benefícios, poderá até um momento atender as necessidades imediatas, jamais se sustentará por muito tempo, pois as enfermidades em viver nestas condições serão a nossa colheita.

Compreendendo que ao chamar o Mestre de verdade e arrependidos de todos os pecados e ações contrarias as leis divinas, afinal, elas existem justamente para aprendermos a valorizar e a respeitar o próximo como a nós mesmo queremos e devemos ser respeitamos magnanimamente, e  arrependendo de verdade ao chamarmos pelo Mestre, ele estará conosco para nos ajudar a levantar do leito do sofrimento e da morte.

            Dr. Bezerra de Menezes.


            

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Pelas fendas do progresso




Eu te louvo, Pai, Senhor do céu e da terra porque escondestes estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos. Mateus. 11,25.

            Os humildes aprendem como os chamados de Deus estão próximos, aqueles que se compreendem na ignorância aprendem com qualidade os ensinamentos de Deus, pois estes não se prendem as vaidades em que se dizem melhores entendedores e sábios.

            Jesus Cristo veio designado por Deus e com ele aprendeu com humildade e ensinava aos humildes, os sábios daquela época se incomodavam como poderia aquele homem saber tantas coisas e sendo de família pobre, isto incomodava muito estes que o perseguiam por se sentirem afrontados aos seus entendimentos e lições.

            Nada nos é omitido ou mesmo escondido no sentido e dos ensinamentos do Senhor, não há quem prenda a sua condição que não possa aprender e o que pode ensinar. Ninguém nasce sábio, se faz informado, mas a informação e o conhecimento nos são favorecido para que possamos fazer alunos da vida, como também somos alunos constantes, jamais podemos fazer desta condição o pódio da arrogância e prepotência, por acreditar que pode dominar uma grande massa por suas formações acadêmicas, sociais e culturais.

            Os pequenos do senhor, os mansos e humildes a estes são revelados as belas formas das maravilhas de Deus, muitos ainda podem no auge de suas fortunas pecuniárias se fazer pequeninos como as crianças, puros e sinceros em saber que a evolução passa pelas fendas estreitas do bem, sim, a fenda estreita existe para que cada um possa mostrar a sua qualidade e imparcialidade, mostrando que a passagem esta na nossa habilidade em poder ser útil e fazer-se útil.

            A vastidão do bem passa por diversas etapas do intimo, principalmente no lidar com o egoísmo, ao qual devemos trabalhar para extirpa-lo de nosso intimo, por isto que a fenda do bem é estreita, são essas e outras condições que devemos elimina-lo para que possamos passar ilesos para o lado do mestre. Quando nosso coração, repleto dessas barreiras que impede o progresso de avançar para a seara do bem, de nada adiantará forçar a passagem, pois sempre haverá uma fraqueza a nos impedir a continuidade da determinação e da vitória ilesa que nos possa ser favorável.

            É nosso dever como aprovados de Deus praticar o bem em toda sua extensão, viver e propagar, com o compromisso de separar o joio e do trigo, como exímios semeadores e ao mesmo tempo zeladores de nossa produção, não permitindo que pequenas coisas do mal como, vaidade, orgulho, inveja, egoísmo, poder, arrogância, prepotência possa comprometer toda uma lavoura de progresso e oportunidades.

            Passar pela fenda é necessário se fazer humildes, mesmo que confiados fortunas materiais, pois ao passarmos ileso Deus nosso Pai nos revelará como é prazeroso progredir, lutar contra as armadilhas do mal que existe a nos perder e impedir a salvação. Aos que se dizem sábios e entendedores também lhe são reservados por direito a passagem à fenda, como todos os pecadores, mas antes será necessária uma limpeza profunda da existência e do comportamento, passando pela reforma do sentimento e ações, pois se ao querer passar pelo estreito não será possível, não porque nosso Senhor impedirá e sim o próprio íntimo o impedirá ao verdadeiro progresso.

            Lembrando que o lado progressivo e produtivo do bem existe os aliados de Cristo e filhos de Deus e lá não há distinção entre irmãos, não há religião, não há riquezas e muito menos miséria, há sim o bem soberano e a totalidade do amor vivendo o verdadeiro sentido de sua acústica e o auxilio verdadeiro entre irmãos. Mas esta realidade irmãos não se restringe aos planos espirituais, é necessário que se faça real principalmente o progresso planetário e evolutivo de cada ser. Por isto, se vista do bem e do amor e vá à luta, auxiliando, doando e amando uns aos outros, não enxergue as fraquezas, os erros de seu semelhante como provas a sentencia-lo, pois até o mais puro espirito tem suas fraquezas, pois devemos todos formar a unidade em Deus na prosperidade do bem.

            Dr. Bezerra de Menezes.
           

            

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Plantar para distribuir



O semeador saiu a semear. Ao semear, uma parte caiu à beira do caminho. Vieram os pássaros e a comeram. Mateus. 13,3-4.

            Nosso pai nos criou em harmonia e protegidos de todos os males, e para aqueles que creem na sua palavra e na sua benevolência não há de se perder pela vastidão existencial, bem como a produção dos frutos a que se semeia nas férteis terras do bem.

            Somos todos direcionados com o proposito do bem, o nosso prontuário já vem predeterminado do que havemos de cumprir, entende-se que a vinda ao planeta requererá não apenas a vontade de querer, mas de resistir o não querer, e de posse da liberdade e do livre arbítrio.

            O livre arbítrio é como fosse uma fortuna que se recebe totalmente a sua disposição e ao usufruto, seu uso é um direito bem como a melhor forma que seu uso e vontade. Assim como a grande fortuna, o mau uso poderá leva-lo a falência e a viver na miséria, ou, na disciplina e no equilíbrio a que se dispõe utiliza-lo, nada há de temer quanto à falência dos valores, sempre existirá.

            Somos também semeadores meus amados e minhas amadas, também plantamos nossas sementes pela vida e havemos de colher a qualidade dos frutos e a mesma atenção e proporcionalidade a que cuidamos e zelamos pela manutenção de sua saúde e de seu desenvolvimento. Mas sem o zelo necessário, podemos perder as sementes pelos caminhos e ser devorado pelos famintos de nossa energia e de nosso progresso.  Deus nos tem em pleno zelo a nossa proteção, mas respeita o que de sagrado adquirimos, o livre arbítrio, tão importante quanto à vida que possuímos, pois é ela que determinara a colheita de nossos frutos e a propagação ao uso de demais outros irmãos.

            Havemos de compreender que os nossos frutos jamais deverão se limitar ao uso egoístico da posse, é fundamental compartilha-lo com quem esta ao redor, pois é esse nosso dever, plantar para distribuir.

            Quanto mais distribuirmos nossos frutos, maiores serão nossas sementes espalhadas, pois ao final de cada uso sempre sobrarão às sementes que bem cuidada e zelada estarão sempre aptas a dar vida a novos frutos.

            Lembre-se sempre daquele fruto saboroso que degustam ao paladar, teve inicio em uma semente que alimentou e que se renovou na semente de sua origem e diversos outros frutos se formaram e hoje alimentam muitos com grande fartura e a qualidade. Resultado da excelência da semeadura primogênita.

            Por isto qualifiquem suas sementes, ou seja, as ações e sentimentos diários, para colher os frutos do amanhã e orgulha-se dos novos frutos que se formarão, sendo sempre em si o melhor dos semeadores.


            Dr. Bezerra de Menezes.

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

O EXEMPLO DO REI ARREPENDIDO



Assim, os últimos serão os primeiros, e os primeiros serão os últimos. Mateus. 20,16


            Em meados do século XVII na Europa vivia num determinado país, uma monarquia soberana que ainda se mantem viva até os dias atuais, mas por lá vivia no palácio real uma enorme família do soberano e diversos servos que atendiam os desmandos e caprichos da realeza, não recebiam moedas de ouro, apenas lugar para dormir e alimentar-se, mas haviam de cumprir uma jornada intensa de atividades.

            Os maduros soberanos, rei e rainha, tinham de pouco assumidos o trono da coroa, mas por ser a autoridade máxima daquele país não eram tão austeros como foram seus antecessores, administrava com mais sensibilidade seu povo e seus criados. Ao longo de todo reinado foram decisivos e que refletem até na presente realidade.

            No auge no governo, eis que a Rainha engravida do Rei, a notícia se espalha pelo país sobre o futuro sucessor da coroa, na ocasião foram ovacionados, pois o povo acreditava que a monarquia, Reis e Rainhas e seus herdeiros eram escolhidos pela divindade, eis ai uma explicação por tamanha veneração que estas famílias ditas reais eram respeitadas e mesmo temidas, como também se juntava com a igreja e os sacerdotes como o Papa para homologar dita informação. A gravidez da Rainha transcorreu bem, foi toda cercada das pompas e presentes que eram ofertados pelos ricos e também pelo povo, sendo que os presentes do povo eram separados e distribuídos aos servos.

            Nasce o príncipe e futuro rei, o povo e toda aquela monarquia comemoram o nascimento da criança, uma grande festa é dada para apresentar o futuro coroado ao povo. A criança vai crescendo e se adaptando a todas as regras e comportamentos reais, desde novo já tinha ao seu redor servos a atender seus caprichos, o jovem vai se desenvolvendo e chega à idade adulta, muito inteligente e astuta, forma uma significante rede de amizades no palácio, mas o que seus pais não esperavam que ele desprezasse os servos do palácio e destratasse o povo daquele lugar, constantemente era reprimido por seu pai, mas não surtia efeito algum, o jovem permanecia irascível, crescera tendo muitas mulheres e luxos ao seu redor, o que preocupava seus pais era que o sucessor da coroa tivesse aqueles comportamentos e não se firmava em nenhum relacionamento.

            Eis que morre seu pai, o rei, o povo todo daquele lugar se entristece. O jovem futuro rei não importava com o desenlace de seu pai, o futuro poder já tomava conta de seu intimo, mas sua mãe ainda vivia e que assumiria o trono principal dali para frente, inconformado por não assumir de imediato o trono, o rapaz de rebela, torna-se chefe da guarda local, imposição feita à rainha, sua mãe. Ao longo de sua gestão como chefe da guarda, cometera diversas atrocidades, saia pelas ruas humilhando e prendendo quem achava que deveria prender e ao ser arguido pela Rainha, se revoltava e falava mal de sua mãe na frente de seus súditos, o que causava enorme constrangimento e tristeza a soberana. Eis que a Rainha se entrega a doença e então o tão cobiçado reinado é assumido pelo rapaz. E ao tomar posse do trono diante do povo, com sua arrogância imperialista diz: “Esqueçam o Pai e a Mãe que tiveram, agora terão um Rei de verdade”.  Nada mais pronunciara e então foi determinado que os impostos da época devessem aumentar e sua fortuna triplicar, muitos perderam suas casas, comércios e mesmo a vida, por não atender as exigências reais.

            Quem estava ao redor do novo reino para esta bem, atendia com grande violência os desmandos contra o povo, até que ele resolve que deveria ter um servo a sua disposição constantemente, por isso contratou uma senhora que seria no momento sua criada permanente, pobre senhora, não imaginava o que viria adiante. A senhora não tinha mais livre arbítrio e nem direitos, nem direito ao sono e a sair dos muros reais e quando ela se mostrava cansada, era colocada de castigo em um porão escuro por um dia e sem direito a alimentação e luz do dia, e após era novamente reconduzida aos caprichos reais e era bastante humilhada pelo soberano, que a fazia sentir-se muito pior. Mas esta senhora era muito religiosa e se apegava com Nossa Senhora e vivia pelo palácio orando pela virgem e ao qual tinha forças para suportar toda aquela situação.

            Numa determinada ocasião, fraca e sem folego, eis que a senhora morre na frente do Rei, nervoso, o soberano exige que o corpo fosse jogado no rio para que fosse devorado pelas feras e determinou que outra fosse substituída.

            Dias depois o rei conhece uma linda moça que era noiva de um dos guardas do palácio e a rapta e faz-se sua mulher, humilhada e envergonhada, a jovem se cala. Passa algum tempo eis que a moça tem a noticia da gravidez e tem certeza que era do soberano, então conta toda verdade ao noivo que revoltado a abandona e desperta uma ira contra seu rei, a jovem procura o rei, que agrada da noticia da gravidez, mas a coloca num quarto especial longe do seu. Nasce à criança, um varão. E o rei e os servos se alegram, mas manda matar aquela mulher a sangue frio, pois não suportaria ver o trono de sua família sendo ocupado por alguém do povo e toma a criança para si e por decreto, nomeia a criança como futuro rei. Após a assinatura do termo, num ataque fulminante eis que morre o rei. Como não havia constituído família, o país fora administrado por pessoas que esperava o jovem e futuro rei, atingir a idade maior. E ao atingir a maior idade, assume o trono aquele jovem, que fez um governo totalmente voltado para o bem e fora de verdade amado por todos, e fez uma grande descendência de bons reis e rainhas.

            Com o desenlace deste ditador rei, seu espirito de imediato fora para as zonas inferiores, perseguido por todos que mandara matar e que morreram em decorrência de seus desmandos. Conseguiram o prender e o humilhavam constantemente, era chicoteado, zombado. Perseguido por muitos anos naquele vale sombrio, ate que veio a sentença de sua condenação espiritual e fora levado para a penitenciaria espiritual e condenado há meio século, para que pudesse pensar e reformar seu espirito.

            Ao chegar à penitenciaria, eis que tem uma surpresa, aquela senhora que era sua serva e que tanto fora humilhada e seu corpo jogado aos crocodilos para ser devorada, era uma das assistentes do local e vendo o rapaz condenado veio a tona o passado e este olhando para ela, pediu perdão de joelhos e chorou aos seus pés e a beijou insistentemente. Ela o colocou de pé e severa diz, perdoou, mas o senhor esta aqui para pensar em tudo que fez, não apenas a mim, mas para que reflita o quanto fez as pessoas sofrerem e do que adiantou ter tantas pompas e luxos, que agora o que restava era sua consciência presa às trevas do mal e nenhuma fortuna o fora aliado naquele momento. Então a senhora novamente voltou a dar assistência a aquele homem, mas como era trabalhadora de Nossa Senhora, ensinou o rapaz todos os dias, o oficio do bem. Ao se libertar fora novamente enviado reencarnado a aquele país que um dia foi rei, mas na condição de miserável da matéria, mendigou pelas ruas e dormia nos albergues, fora perseguido por outros que foram os seus perseguidos na época que era rei e que também vieram ao resgate pelos sentimentos de vingança, até que numa determinada ocasião, caiu no rio e fora devorado pelos crocodilos.

            Estava então feito a justiça divina e este subiu a sociedade de Deus e viveu novas encarnações e vive até o presente momento no país em que tudo começou, mas hoje é um homem de bem, pois aprendeu de verdade fazer e viver o bem, teve como sua mãe, a senhora que o acompanhou desde seu reinado e a quem foi tão ruim, mas que com amor, soube dar ao rapaz a dignidade do bem, pois seus espíritos estão ligados por milênios.

            Então meus amigos este caso serve para reflexão para todos, onde ao encontrarmos em determinadas posições social, não fazer deste pedestal motivo de desprezar quem dito, abaixo de sua hierarquia, mesmo os seus inimigos e desafetos merecem respeito, pois nunca se sabe quando precisará deles, e quando este momento chegar, não se entregarem a vergonha e ter que lidar com o pódio do orgulho e da vaidade, e ter de se vestir de humildade e pedir perdão e misericórdia. Pois a justiça de Deus realmente é justa e sempre nos fará confrontar com nossas praticas, ações e pensamentos, pois ninguém subirá ao reino sem está completamente limpo e de fato ser merecedor de receber está desejada graça.

            Por isto irmãos, revejam todos seus conceitos, pois a verdadeira realeza não esta no trono que se senta ou nos ouros que se banham e sim no comportamento que decretamos e no sentimento e na ação que colocamos em nosso favor a serviço de todos.


            Dr. Bezerra de Menezes.

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Tudo é possível desde que haja vontade



Jesus olhou para eles e disse: “Para os seres humanos isso é impossível, mas para Deus tudo é possível”. Mateus. 19,26

            Os seres encarnados e mesmo desencarnados ainda evoluem nas experiências carnais e espirituais, bem como nos ensinamentos de Cristo que estão a disposição não somente do código divino, como nos exemplos que conhecemos por ele vivido, como é da consciência de todos que um dia no planeta existiu um homem chamado Jesus Cristo.

            A crença ou a descrença na existência deste iluminado e unigênito de Deus Pai ainda causa bastante confusão entre os povos que ainda não conseguem se desvencilhar de seus preconceitos e ditatoriais desmandos sob uma nação, cada fato histórico narrado no antigo e novo testamento nos traz uma única verdade, que aqui estamos porque Deus nos fez e se aqui estamos, muitas vezes em condições desafiadoras da tolerância e mesmo do senso de justiça é devido nossas próprias ações pregressa na evolução, em que não aprendemos ainda o sentido que nosso Pai quer para todos, corrigir nossos erros para poder viver em conjunto com ele e outros mais no seu jardim.
           
            É muito eloquente passar para os irmãos palavras de incentivo, de apoio, mostrar a realidade de como devemos nos portar diante da encarnação e mesmo na experiência espiritual que são confiados, ditar palavras de amor, sendo que na pratica muitos ainda desconhecem o sentido da vida e arriscam-se em aventuras muitas vezes sem precedentes e com retorno árduo ao verdadeiro caminho da estrada real da salvação. Os caminhos são diversos, do bem e do mal, o livre arbítrio fazendo-se lei em nosso sentido ditará aonde e por aonde ir, sendo que, a astúcia maligna vive a espreita tentando encantar as ovelhas de Deus para declínios todos os dias mais severos e sem sentido, os rumos sem objetivos e sem colheitas benéficas e muitos quando compreendem o caminho seguido, ao retornar terá uma longa caminhada, árdua, longa e dolorosa em determinados sentidos, evidente com os anjos de Deus acompanhando, mas a reflexão intima sendo o chicote da consciência.

            A convivência entre irmãos ainda é um desafios que persistirá por algum tempo no planeta, a tolerância, o respeito, o altruísmo nas ações podemos encontrar em alguns irmãos, onde brilhantemente segue sua missão de fazer ao seu redor um exercito de bons aliados contra as pretensões do mal, mas ainda não é o suficiente para fazer da evolução dos irmãos uma corrente de ajuda e de exemplos a outros mais, ao nosso redor ainda encontramos pessoas presas a sentimentos errôneos e infundados do que é do bem e o que é do mal.

            O individualismo ainda impera sobre boa parte dos seres humanos, muitos creditam senso de justiça e injustiça sob o ponto de vista egoístico pessoal e da realidade pessoal vivida, crê que irmãos devem seguir suas orientações ditas, a melhor, e não permitem que outros multipliquem seus conhecimentos em nome do bem, ofertando nisto o prato farto ao maligno de deliciar da degradação humana, através das guerras, dos assassínios, da desunião e da criação divina.

            Os mistérios que envolvem nossas diversas existências ainda é nossa missão de resgates infinitas, cada vida seja carnal ou espiritual, nos da à oportunidade de corrigir todos os nossos erros, não creem que uma encarnação a outra, apagasse débitos da antiguidade, os erros não corrigidos ainda nos serão cobrados a repara-los, mas todo bem que praticamos será nosso advogado pela eternidade, pois nenhuma ação dos seres é esquecida ou abandonada, até mesmo o mais elevado espirito tem suas fraquezas que também lhe é facultado à escolha e a reflexão de seus atos, como novas oportunidades de corrigir as manchas passadas e vividas.

            Para muitos humanos, pequenas coisas ainda parecem impossíveis no sentimento e nas ações praticadas, entre elas o desafio do perdão, tanto os próprios erros e principalmente e mais desafiadores aos nossos sentidos, o erro alheio. Como sempre fora estudado e vivenciados, somos seres em evolução que traz sempre a inexperiências de variados assuntos em seu intimo, então é comum e natural erros cometidos, há diversas escalas dos erros, como todos os seres vitais são passiveis, como também corrigi-los e aprende-los é direito de cada um, independente da magnitude de suas praticas, todos merecem receber e ofertar o perdão, mas ainda este instituto desafia e se torna em muitos, impossíveis de realizar, pois ainda tem a consciência e o coração enfermo de todas as impurezas do mal.

            Compartilhar a encarnação com outras pessoas também para muitos é impossível, há quem não consiga equilibrar o sentido e suas ações, é imperado em seu intimo o orgulho e a vaidade, principalmente quando vêm acompanhadas de fortunas materiais, essas capazes de retardar com bastante significância a evolução de seu ser. Não se pode confundir conforto material, com superioridade espiritual e existencial, pois nem todo ser afortunado é tão evoluído quanto aos irmãos que andam até mesmo no mais miserável das posses materiais, pois há sim vida em meio aos escombros humanos, e trevas envoltas das mais afortunadas moedas que proporcionam riquezas e vazios espirituais e, no entanto ainda vemos pessoas de poderes aquisitivos com comportamentos dignos e seres em evolução ainda presos a cercas de preconceitos e vaidades que os impedem se seguir sua caminhada e se arrastarão por longos períodos.  Não há regra comportamental, há sim nosso e único sentido a serviço do bem a disposição da coletividade.

            Para Deus todos os nossos erros é possível de perdão, desde que sinceros apenas para os homens ainda uma questão impossível de se viver, como as conquistas e o progresso, muitos ainda vem à montanha longe e desanimam com a caminhada e estacionam na própria preguiça e na própria covardia e não busca a evolução, poucos se enchem de energia, de confiança e avançam para esta longa e mesmo cansativa subida, mas com a certeza que encontrará no topo deste lugar, algo que tanto deseja.
           
            Então irmãos vão seguir viagem? Tenho certeza que querem sim, então coloquem em suas bagagens as ferramentas necessárias, como: a perseverança, a força de vontade, a fé, leve contigo mais e mais pessoas para te auxiliar e lhe ajudar ao longo da subida, para quando sentir-se cansado, desanimado e sem forças, ter estes para ajuda-lo a se levantar, a ajudar a recarregar suas forças e energias para seguir viagem e também se houver alguma queda ou alguma ferida que possam te auxiliar a estancar e aliviar sua dor, e claro, também os auxiliando na mesma atenção e sempre lembrando que o seu principal guia, Jesus Cristo, terá toda atenção a sua disposição e não deixará jamais que nenhum empecilho lhe desanime, claro se tu chamares por Ele e disser, Senhor seja meu guia e esteja sempre em mim.

            Ainda há muito para superarmos e crescermos dia após dia encontre em você o que lhe impede de crescer e trabalhe para reformar onde há as ruínas que logo poderá vir abaixo e perde tudo o que foi construído até hoje. Acredite em você.

            Dr. Bezerra de Menezes.



terça-feira, 20 de agosto de 2013

Vida nos escombros




Nisso, alguém se aproximou e lhe perguntou: “Mestre, que devo fazer de bom para ter a vida eterna?”. Mateus. 19,16.

            Neste trecho que Mateus nos apresenta na passagem do Messias em meio à multidão, a pergunta feita por uma pessoa é a mesma que devemos fazer a nós mesmo e onde conseguiremos as respostas desde que o coração tenha pelo menos um facho de amor seja na quantidade que for.

            O desejo da felicidade eterna é a cobiça de todos os seres habitantes da vida, todos os seres criados por Deus, até mesmo os mais perigosos assassinos tem o desejo da felicidade, mas para viver a vida eterna no Reino de Nosso Pai quererá de nós um compromisso permanente com as dadivas reais do bem, e não a pratica superficial de querer praticar o bem com algum desejo pessoal na ação. Jesus, no entanto nos mostrou e nos mostra que para viver na vida eterna, basta amar, simplesmente amar.  

E como amar num oceano repleto de pecados e pecadores a que vivem os presentes leitores desta mensagem? Vejam irmãos, como as belas flores podem nascer em meio ao lamaçal, nos meios mais improváveis de vida, vemos em meio a um asfalto concretado e que logo surge um facho de terra, logo brota uma vida e muitas vezes a se destacar em meio a esta pavimentação fria e morta. Diversos corações são como um enorme concreto que se quilométrica por extensões vastas, que são colocadas para viver um desenvolvimento econômico, são estradas que ligam a riqueza material, que muitas vezes para ser pavimentados e concretados passam por cima de vidas futuras, são colocadas acima das formas vitais, sobre a terra.

Muito tempo se passará e muitos utilizarão desta condição, quantos passará por este concreto para facilitar seu deslocamento e suas intensões, e nada é percebido diante dos olhos de quem se faz usufruto desta condição, apenas a condição favorável de passar, o tempo vai passando e nenhuma vida se manifesta, a degradação vem acontecendo, o tempo vai ruindo o que de melhor em algum tempo pode se usar com fartura, com o tempo o desvelamento vai surgindo, as crateras perigosas se formando e logo quem precisa utilizar deste caminho, já não mais utilizará com segurança o que há muito tempo se pode utilizar, muitos começarão a ter os cuidados, medos, muitos até mesmo passarão a evitar este ambiente. Por quê? Não oferece mais segurança e sim muitos risco perigosos.

Eis os corações de muitos irmãos, que num primeiro momento se faz belo e forte em sua condição, são concretizados os sinais vitais, a condição favorável poderá atrair outros irmãos, que desejam também passar por este caminho que parece tão fácil e atrativo. O tempo será implacável, o que um dia ofereceu segurança, logo oferecerá riscos e medo a quem ainda poderá se arriscar a passar por ali, pois tempo incumbirá de perder toda a beleza e se transformará em terras inabitáveis e temerata e logo não existirão mais vida e o que se utilizou neste caminho, nada será lembrado, a não ser os riscos que este caminho proporciona.

Mas o caminho conservado com zelo, brindando a natureza de Deus, respeitando o próximo e seu caminho ofertando as verdadeiras riquezas da alma, este não há de se esquecer, ao contrario, será para sempre lembrado com o caminho de prosperidade, de felicidade e de segurança, e quem não deseja caminhar por este caminho, que brilha no coração daqueles que se utilizam e desejam sempre passar por ali e enriquecer-se com as belezas ali expostas e fartas a distribuir todas as suas qualidades.

Não há mistérios irmãos para viver a vida eterna, o que é preciso é saber escolher o seu caminho. Por onde seguir e por onde passar? O próprio discernimento lhe responderá, não precisa utilizar-se do outro para escolher seu caminho, evidente que este poderá se revestir-se de anjo de Deus a te mostrar o caminho, mas caberá somente a cada um o caminho a escolher. Muitas vezes o caminho farto e feliz trará diversas situações embaraçosas e desafiadoras a própria fé, sendo que o outro caminho mostrará uma pavimentação perfeita e sem riscos, mas chegará ao final de onde? Muitas vezes do medo, do erro, da inconsciência dos atos, são caminhos que oferecerá o rancor, o ódio, os pecados e a perdição, onde muitos que desejam o Reino de Deus deverão voltar todo o caminho e passando pelos vales da sombra, do arrependimento e em muitos casos a volta será dolorosa e longa. Mas tendo a certeza do arrependimento puro e verdadeiro, nosso Senhor o acompanhará passo a passo e logo mostrará o caminho da salvação e da vida eterna.

Por isto irmãos, aproveitem enquanto pode arrepender-se do pecado e do mau caminho escolhido, aposse-se do amor de Deus para orienta-lo em seu caminho regresso e coloca-lo no melhor dos caminhos, o da vida eterna. Não concretize totalmente a vida de seu coração, dê espaço para a vida brilhar e viver com toda harmonia neste jardim de terras férteis que todos possuímos a vivenciar novas vidas, pois não há um que não desfrute de terras férteis em seu coração, o que pode ocorrer é que muitos concretam todos os cantos e não permite que os frutos nasçam, mas com paciência e persistência há de encontrar em cada concreto um sinal farto de terras a germinar o amor e o respeito, permitindo que Jesus retire estas barreiras e encontre onde pousar.

Dr. Bezerra de Menezes.


segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Vivendo como uma criança feliz



Mas Jesus disse: “Deixai vir a mim as crianças e não as impeçais, porque o Reino dos Céus é daqueles que são como elas”. Mateus. 19,14

            Irmãos,

            Não há quem se sensibilize com as caricias, a inocência e a magia que vive as crianças em meio a tantas mazelas espalhadas pelos corações da sociedade humana decorrente a longos períodos da historia se confundindo com as pragas do pecado.

            A vaidade e orgulho que tanto se destaca em textos instrutivos aos irmãos da terra mostram o quanto estes sentimentos quando vive acima da sensibilidade pode causar na vida e no desenvolvimento evolutivo por quem tem que passar e de quem esta ao redor. Orgulho e vaidade traz em muitos momentos o auge da arrogância e da prepotência, ainda mais quem possui instruções e culturas dita a frente de seu próximo, principalmente quando estas instruções se passam por entendimentos a palavra e a vontade dita por eles, vindas do Senhor.

            Muitos deixam de ser crianças e enveredam para o lado sombrio da maturidade e da idade terrena e passam não mais ter a visão sensível e sonhadora como das crianças, os compromissos com os amigos imaginários dão lugar ao ídolo nefasto das riquezas materiais, acompanhado da ganancia e do poder que impede muitos de viver a magia da vida e ao seu lugar no Reino de Deus, a felicidade para de ter importância nas pequenas e singelas coisas, a felicidade em grande parte é buscada através das riquezas fundiárias e econômicas, muitos perdem a oportunidade de realmente serem felizes em todo seu ser.

            As extremidades da vida estão frias e o coração não tarda a parar na inercia da realidade imposta e não vivida. Os irmãos devem desbravar o mundo de uma forma mais sutil e amena, sem destruições em geral, sem impedir o sonho alheio, sem gozar de riquezas materiais e viver um vazio completamente existencial e espiritual. Em que adiantará o acumulo dos bens materiais que servirão para futuras brigas e separações do que Deus uniu? Não há a separação espiritual por vaidade e orgulho, mas há o egoísmo e a inveja que zombam de irmãos que creem em determinados seguimentos e mesmo compreendem a palavra do Senhor e procuram vive-la na mais lisura dos sentimentos e da caridade pura.

            Sejam católicos, evangélicos, espiritas, espiritualistas, judeus, enfim as diversidades religiosas são intensas e o caminho apenas um, quem escolhe seu caminho da melhor forma que possa praticar o bem maior em prol de seu semelhante e da edificação pessoal do divino, não deve desviar de seu segmento, deve sempre permanecer praticando o bem comum, e vivendo o coração e o sentimento como de uma criança, sem entender as fragmentações religiosas e vivendo o sonho de conquistar o mundo e viver o bem universal, sendo um super-herói que está sempre pronto a resgatar aqueles que se encontra em perigo, ou seja, quase todos os irmãos, que vivem numa realidade fria e esquece-se de vibrar as energias e o senso infantil, o de viver um sonho feliz.

            Nesta passagem de Jesus, mostra quando Ele chega a uma determinada região e as crianças vêm ter com o Mestre e os apóstolos de alguma forma tenta impedir a aproximação com a sensação que poderiam incomodar Jesus. Então Jesus foi severo com o apostolo e disse que deixa ir às crianças até ele, pois o Reino dos Céus são daqueles que são como elas, acreditam sem desconfiar, creem sem arguir o porquê de tudo.  Abraçam o Mestre sem o interesse de barganhar, o abraça simplesmente pelo fato de ama-lo sem os interesses pessoais, mas pela alegria de esta com Cristo e em Cristo.

            Quantos adultos abraçam Cristo por um interesse próprio e não vivem a alegria simplesmente de saber que ele existe que é um super-herói pronto a nos salvar do perigo, crentes são os que creem e não somente os que pedem, os crentes são aqueles que agradecem cada dadiva e não aqueles que se zangam quando seu deleite não é atendido, os crentes de verdade são os que aceitam com resignação e confiança a realidade existente e não se frustram com o Mestre, os crentes de verdade são aqueles que respeitam a caminhada alheia e em conjunto buscam unir-se para o bem da vida e não para sua agremiação separatistas.

            Deixem aflorar e sair para seu exterior à criança adormecida dentro de cada um, deixe a inocência, o sonho, à pureza fazer parte de você e claro vivendo a segurança e a experiência da maturidade para mesclar em prol da salvação e do bem comum à realidade que é o Reino dos Céus. Os anjos de Deus são as crianças em sua concepção e sentimentos, não há maldade, há a brincadeira, não há lagrimas, há o sorriso, não há pesadelo, há o sonho perfeito, não há as riquezas materiais, há a riqueza da alegria, não há o choro do interesse, há o choro da emoção em poder crer e em poder saber que Cristo vive e que Cristo reina e é nosso herói que vem nos resgatar.

            Dr. Bezerra de Menezes.

           


domingo, 18 de agosto de 2013

Os Laços da eternidade



Assim, já não são dois, mas uma só carne. Não separe, pois, o homem o que Deus uniu. Mateus. 19,6.

                                                                                 
            A união universal entre seres de espécies distintas na vida existencial traz diversos entendimentos entre povos e culturas dizimadas por todas as nações, a força bruta insiste em perpetuar sobre a força do amor e da sensibilidade, a virilidade masculina atravessa longos períodos em trevas em seu comportamento dito instintivo.  Por outro lado a força feminina se esconde no medo e na moral de uma sociedade alienada a forças ocultas do perverso.

            A vida estável de dois seres compreende-se a necessidade de perpetuar os seres para a continuidade deste grande ciclo, conforme a historia nos apresenta e comprova nas paginas do código divino. Onde desde a criação do homem a união em prol de uma nova existência de toma por uma única unidade, o amor e a união de Deus.

            Vemos com bastante fartura ao longo da sociedade a distorção deste instituto de união, onde a banalização deste laço sagrado tem se tomado proporções assustadoras e contrariando completamente a lei divina.  E o que se é unido pelo amor de Deus, o homem não separa. Esta agressão que muitos fazem a face de Nosso Pai atrasa com grandes precedentes a evolução de quem pratica. Os laços familiares quando construídos com amor é nossa divindade eterna e laços que nunca se romperão.

            A sexualidade entre os povos tem levantado uma grande discussão nas colônias espirituais, o comportamento dos seres tem sido bastante atacável e incentivado pelas forças do mal que imperam sobre o ego, a vaidade, o orgulho e o egoísmo, onde os prazeres da carne sobressaem aos valores divinos. No corpo material físico, nosso Pai nos dá as duas faces da vida, o bem e o mal, este último acompanhado dos prazeres aos quais devemos ser arredias de nossa própria vontade e combate aos instintos que em muitos casos colocam nossos semelhantes a posições vexatórias e humilhantes por nossa responsabilidade.

            A união meus amigos não se restringe aos laços matrimoniais entre um homem e uma mulher, a união esta em dividir a mesma existência com demais outros irmãos que também galgam a evolução e caminham de volta ao Jardim do Éden. Os laços entre filhos e pais são tão sagrados quanto nossa fé no Pai Altíssimo, onde nada pode romper este laço nem mesmo os que se adentram a este seio, é compreendido que todos vêm com missão única, mas os laços de amor, respeito e cumplicidade jamais deve ser romper, bem como a união universal dos seres, seja na família, como na convivência com o universo. Sejam na língua falada e entendida, seja na linguagem diferente ao qual devemos aprender se comunicar.

            Por isto amigos, quem faz parte deste grande livro da vida onde se faz o protagonista principal, este livro dado por Deus que é sua existência e que é escrito pelo Pai de Amor, e a historia e os capítulos conduzidos pelo próprio livre arbítrio, os personagens desta historia são regidas pelo pai, ao qual deverá aprender a lidar com todos e suas distinções diversas, pode muitas vezes se perguntar o porquê de determinados irmãos fazerem parte de sua historia, principalmente, os que te causam algum desconforto, é a mesma pergunta que muitos também fazem o porquê também fazem parte de seus capítulos. Este é o mistério de Deus, que faz de nossa existência uma experiência e de cada sentido, uma certeza, amar uns aos outros como nós mesmos nos amamos e amar principalmente aos nossos diferentes, pois amar os nossos páreos é cômodo e não traduz o verdadeiro pódio da vida, o amor universal.

            Ninguém poderá separar a união que Deus sela formando uma única vertente, o amor, e quem mesmo assim persistir em separar a união de Deus, que a própria sorte não seja recebida como injustiça e castigo e sim como forma de não interferir nos planos de Deus. Aquele que cobiça cônjuge alheio é tão adultero quanto quem é pego no fato, bem como aquele que deixa o lar e se une em outro matrimonio, estes também estarão vivendo em adultério permanente. O adultério se estende aos demais laços de união configurada por Deus, onde muitos persistem em separar as uniões familiares, nas amizades, no convívio profissional que também são laços de união constituídos por Deus, onde a convivência entre trabalhadores é forma de comunhão, e se alguém causa algum maleficio para afastar determinados irmãos de um trabalho e se os sentimentos estiverem armados de egoísmo, inveja, intolerância, impaciência, poderes, egos, vaidades e orgulhos, também estarão desatando os laços de amor com Deus.

            Devemos sim desatar o nó do mal que insiste em permanecer em nosso ser, causando dores, desunião e cóleras por todos os sintomas de maldade que possa imperar em nosso sagrado coração e nossa condução de sentimento e pensamento, onde temos que em todo momento renovar nosso intimo e se os bens materiais não te parecerem justo no que vive em sua experiência, não credite em seu semelhante sua frustração e ignorância quanto os planos divinos e agradeça a nova vida que tens a crescer e aprender, pois se muitos voltar a vidas pregressas, verá muitas vezes o que possuímos ainda é muito. Então agradeça a união que ainda tens com Deus.

            Dr. Bezerra de Menezes.
           


sexta-feira, 16 de agosto de 2013

O Instituto do Perdão



Assim também fará convosco meu Pai celeste, se cada um de vós não perdoar seu irmão de todo o coração. Mateus. 18,35

            Amados,

            O instituto do perdão em nossa consciência traz diversas etapas de compreensão e aplicação de toda sua acústica em nossa existência. Oferta-lo e recebe-lo é sem duvidas em grande parte dos seres um grande desafio, o reconhecimento do erro e mesmo o entendimento do erro alheio, em muitas oportunidades vem de colisão com nosso orgulho e nossa vaidade.

            Os seres munidos de sentimentos sensíveis compreendem com bastante eloquência o quanto viver diariamente neste instituto traz conforto e alivio aos nossos corações. A grande massa planetária não aplica toda modalidade do perdão, pois perdoar se perdoa, mas na primeira oportunidade de agressividade ao seu errante, despejam com bastante cólera os erros deste irmão, inclusive os erros perdoados.

            Como diariamente são estudados na consciência dos irmãos, nossos semelhantes assim como nós, são munidos de muitas fraquezas e imperam sobre o grande mundo a vaidade e o orgulho que não permite viver o único e verdadeiro perdão.

            Nosso Senhor Deus Pai e todo poderoso, nos deu o discernimento do certo e do errado, bem como a consciência de consertarmos nossas condutas dia a dia e poder caminhar livres como um pássaro que busca o norte. Como por meio de seu unigênito, Jesus de Nazaré, nos ensinou a perdoar setenta vezes setenta o perdão e quanto mais precisar. O perdão meus amados, não está simplesmente na única vertente de perdoar o seu próximo, é acima de tudo se perdoar, sim, devemos nos perdoar de nossos erros que cometemos e que traz constantes consequências dos atos praticados.

            Pedro, o apostolo, conversava com Jesus, como poderia perdoar os seus inimigos nas diversas lições que o Mestre aplicava à multidão. Então Jesus contou a parábola onde um comerciante devia moedas ao rei e a estes outros comerciantes o devia, desesperado com a dívida este foi ter com seu rei, e angustiado teve perdoada todas as suas dividas, saindo de lá aliviado com a atitude do soberano. Mas este ao deparar com aquele mais humilde que o devia, começou a persegui-lo e cobrar o que lhe devia, fazendo serias ameaças. O jovem comerciante desesperado, não lhe foi dado o tempo devido para saldar sua divida e este foi perseguido, até que o rei, de posse desta atitude do homem, mandou que o prendesse e de fronte com o homem, arguiu-o o porquê da atitude, que foi perdoado sua divida e este não pode também perdoar a quem lhe devia, e o soberano então, o manteve preso.

            O breve resumo desta passagem em que convido os irmãos a conhecerem na integra com maior afinco e atenção nos traz esta pratica do perdão, ou seja, quando erramos e temos uma divida seja com quem for, seja divida de diversos institutos, desejamos ser perdoados para que nosso alívio de nossa consciência e da alma possa sonar numa tranquilidade e não mais ter que se preocupar, assim meus amados, é aqueles que nos tem dividas inúmeras que deseja ser perdoados muitas vezes por sua impotência diante da vida comungada e partilhada no mesmo respirar.

            O perdão na sociedade moderna tem se visto com bastante desinteresse e de forma muito vulgar, ou seja, tem se pedido muito perdão, mas sem qualquer sentimento, o perdão para se desculpar de falhas e erros muitas vezes conscientes e desejados, para evitar confusões mais serias, e não tem se visto o verdadeiro perdão no seu aplicar. Pois nas primeiras manifestações pós-perdão, a mesma ferocidade é novamente apontado os erros de um perdão já dado. Ou seja, o verdadeiro perdão não foi em sua acústica ofertado, pois quando de posse de sentimento nobre e genuíno o perdão ao Pai de nossos erros, Ele nos perdoará, quantas vezes mais forem necessárias, desde que nosso compromisso e atitude não sejam mais cair na mesma tentação, mesmo o perdão dado pelo Senhor, não nos afugentará das responsabilidades, colheitas e das experiências que devemos vivenciar no resgate aos erros, é a justiça fazendo-se vez, mas Nosso Senhor jamais retroagirá e despejará sobre nós esses erros na eternidade, como dito, que o perdão pedido seja sincero e o compromisso de não mais pecar.

            Jesus perdoava os nossos pecados naquele tempo e continua a nos perdoar quando estamos sempre dispostos a não mais cair no mesmo erro e nem outro mais, mas ao querer persistir nestes erros e não perdoando seu próximo de coração e sem reconhecer os erros e fraquezas e também pedir perdão, terá sua consequência agravada na busca de sua salvação e novamente deverá se prestar a uma nova existência para que o perdão e o ensinamento a si e ao seu semelhante seja instituto de perdão e de forma pedagógica a aplicar sobre todos.

            Há muitos que gravemente erram contra nós e de certo que muitas vezes o perdão é de fato um desafio áureo em nossa consciência e nosso coração, de palavra o perdão não deve ser soado como forma hipócrita a se dizer, pois o verdadeiro perdão não corroem os seres, mas quando você meu irmão e minha irmã se defronte ao desafio do perdão a aqueles que erram contra ti, trabalhe a consciência e o sentimento real do perdão, não vai aplicando de forma vazia, pois ao persistir o erro preso em seu semelhante e o próprio em sua consciência, quem sofrerá as consequências será somente ti, ninguém mais, onde as doenças oriundas das magoas, do rancor, do ódio, desencadeará em seu corpo físico e espiritual, as chagas e as enfermidades de uma consciência insana.

            Errar é dos seres, o perdão é para todos. A aplicabilidade real do perdão é nossa libertação e nossa cura das enfermidades presentes e futuras, e quando proferimos a oração que o Senhor Jesus nos ensinou, perdoe nossas dividas e ofensas como perdoamos nossos devedores e ofensores preste bem atenção no que pedimos a Deus, o perdão desejado e você perdoa realmente seus devedores? Não faça como este comerciante que teve sua divina perdoada pelo rei e foi cobrar a divida de quem lhe devia para não se ver preso na própria consciência e na própria insanidade de pedir e ter e não aplicar com a mesma graça e limpeza interior. Perdoe de verdade e se num primeiro momento não puder aplicar, trabalhe seu ego, sua vaidade e seu orgulho, para não reverter contra ti os atos que se mantem inerte a qualquer mudança, e se mesmo assim, continuar difícil, peça a Deus auxilio e busque em outros irmãos este auxilio e lembre-se sempre de colocar Deus a frente de sua visão e poder agir conforme a vontade do alto.


            Dr. Bezerra de Menezes.

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Ligação pela eternidade



Eu vos garanto: tudo que ligardes na terra, será ligado no céu; e tudo que desligardes na terra, será desligado no céu. Mateus. 18,18.

            Nosso Senhor é muito claro e muito transparente em tudo que ocorre em nossa evolução planetária e espiritual, nada e nenhum comportamento, sentimento e ação são desprezados e esquecidos, somos ligados diretamente no comando divino que nos observa em cada instante respirado e vivenciado a frente da confiada encarnação e da abençoada existência.

            Esta ligação irmãos nos acompanha deste a nossa formação e nos acompanha por toda eternidade até mesmo quando atingirmos a condição angelical de nossa realidade. Sim, todos nós caminhamos para a condição do anjo, mas cada experiência e cada ponto de ligação mantida acessam e ligada na divindade nos favorecerá nesta condição.

            Por isto é muito importante aproveitar cada instante de oportunidades que nos são oferecidas a cada momento para poder continuar nesta suntuosa subida ao reino de Deus. As oportunidades nossa de cada dia não será unicamente as condições alegres, confortáveis, e de eterno sorriso, esta realidade existe para quem também aprende sabe lidar com os desafios e as chagas das experiências, principalmente nas fraquezas de nossos semelhantes, onde nosso dever será de ampara-los e seguir conjuntamente na sua evolução e em sincronia com a própria condição favorável.

            Muitos irmãos choram uma esperança, choram uma atenção, clamam um alimento melhor e que sustente sua verdade e vida que arrastam pela misericórdia, as necessidades de nosso próximo deve ser nossa necessidade, mas a de suprir e amenizar sua dor e suas chagas.

            A condição angelical ao contrario que muitos irmãos creem é repleto de muito trabalho e atenção aos que galgam a evolução, somos constantemente amparados por eles, mas poucos sentem sua presença e alertas constantes, muitos se entregam na perdição do abismo e das sombras e nas trevas da morte e não clamam por Jesus a sua salvação e se entregam as amordaças do pecado, desligando-se completamente da luz divina e entregando as trevas e da morte em todos os sentidos.

            É compreendido pelos céus a fraqueza dos irmãos planetários e suas necessidades que são muitas vezes entregues ao mal pela sedução, no pódio da vaidade e orgulho que imperam no ego dos irmãos que não conseguem compreender os ensinamentos de Jesus, que ainda através de nossa própria fé e de nossa própria vontade pedir perdão e seguir com ele na eternidade. Muitos se entregam ao mal por querer satisfazer seus prazeres lascivos e mundanos, vantagens e poderes irreais, esta astucia do mal consegue atingir com veemência os laços sagrados de todos os irmãos e quebram completamente o encanto da verdadeira felicidade plena que é Deus em seu Reino. E quantas novas vidas ainda serão necessárias para regatar o tempo perdido?

            Mesmo compreendendo nossas fraquezas e que somos fracos e vulneráveis ao arrebatamento do mal, não nos foge da responsabilidade de resgatar e colher nossos frutos da sementeira plantada. Nenhum irmão é alienado que não compreende o bem e o mal. Diversas situações planetárias podem levar o ser a diversas revoltas e mesmo a acidez da vida que sempre lhe fora apresentadas, mas um limão se aquebranta de sua acidez com uma pitada de açúcar, o fogo se desfaz com a água, a tristeza se finda com a alegria, a tempestade se cessa com o brilho do sol, ao malfeitor a dignidade humana lhe é devolvida com a gloria de Deus, o cego da alma enxerga com a luz da vida e de Deus, o mudo lhe é devolvida a fala divina, o surdo volta a escutar soar das palavras, o respirar pelo odor do aroma da vida, a morte pela vida eterna. Para tudo há sempre um novo recomeço.

            A vontade de vencer e salvar-se não esta somente na vontade de Deus, é nosso comando de desejo e ação diária dessa graça, pelo próprio merecimento. A cruz de cada irmão pode assustar de inicio, onde caminhar na ligação divina esta no nosso real e na certeza da ressurreição diária, onde devemos deixar as trevas e caminhar com Ele. E mesmo que ande pelo vale das sombras e da morte nada há de temer, porque o Senhor deve sempre esta em ti.

            Não deixe jamais o elo com Deus se rompa, entenda que as marcas das experiências são necessárias para crescermos em nossa evolução, não desanime com a cruz, mesmo que o peso for grande, mas sempre poderemos contar com Simeão, a quem se sensibilize com nossas dores e nos alivie o peso, não podemos caminhar sós, precisamos uns dos outros, se as quedas forem inevitáveis, lembre-se de que Deus estará sempre contigo e a justiça e a misericórdia nos será real de nosso merecimento, nada que ocorre conosco será em vão e fugirá aos olhos de Nosso Senhor, mesmo que a injustiça do homem seja perversa e nos aniquila na força e nas oportunidades oferecidas e nos aprisione na escuridão, mas tendo fé e esperança, a luz divina que brilha nos favorecerá em nossa justiça e a quem comete injustiça que a misericórdia seja aliada, como também o arrependimento sincero é o elo com os céus, assim como o perdão e o amor, sempre.

Não deixe que as lágrimas movidas pela fraqueza de seu semelhante comprometa toda a sua salvação e sua evolução, pois sua condição depende de seus pensamentos e sentimentos, ninguém sentirá a dor por você e nem a felicidade por você, poderá compartilhar e ajuda-lo, mas a própria vontade é unicamente soberana. Levante sua cruz para amanhã se fazer grande e seguir o exemplo do Mestre, não guarde rancor, ódio, cólera, ame sempre. É fácil amar irmãos, o difícil é controlar nossa vaidade e nosso orgulho que impregnam nossa alma de preconceitos e rancores, seja o engenheiro de suas ações e construa edifícios de bondade e receptividade as necessidades de seu irmão, para quem amanhã também seja acolhido.  

            Dr. Bezerra de Menezes.