sexta-feira, 19 de julho de 2013

UNIVERSO DA VONTADE DIVINA



Nem todo aquele que me diz: “Senhor, Senhor” estrará no Reino dos Céus, mas quem fizer a vontade de meu Pai que estás nos céus. Mateus. 7,21.

            É cotidiano desde os tempos pregressos da historia existencial a intensão de todos os irmãos galgarem um privilegio e habitar no reino da salvação, diversas ações praticadas intencionalmente visam esta condição e a sorte para que após a obsessão da carne ver-se envolto dos anjos e arcanjos, onde creem a existência de um mundo sem as dificuldades terrenas.

            No planeta a que os amados caminham e evoluem exige disciplina, abnegação e luta constante de vencer todas as barreiras impostas pelo mal, nenhuma ação da criatura humana é esquecida ou abandonada pela historia, ao contrario, todas nossas ações e pensamentos nos mostrarão a nossa real condição. Engana-se o que guarda somente para si ficará ao breu, pode-se calar e omitir ao seu irmão de fé, mas a conexão com o altíssimo é vivido simultaneamente. Muitos podem viver a existência ludibriando seu próximo, mas diante do Senhor nada ficará impune e sem a reflexão. Não somente as ações materiais nos serão cobrado como nossos pensamentos, pois é nele que esta toda a ação e intensão do espirito refletido nas ações periódicas.

            É verdade que haverá sempre aquele que age com a intensão da salvação e faz de toda sua obra uma condição de troca com o criador, onde diante das frustrações dos desejos cobrará com veemência de Deus as recompensas muitas vezes infundadas de um merecimento imaginário.  Nem todas nossas praticas voltadas ao bem serão recompensadas com as indulgencias que desejamos, afinal é nosso dever praticar o bem sem qualquer pleito a desejos íntimos, nada nos é ofertado sem o devido merecimento, e o que será realmente credenciado a ter o merecimento não é o quanto se doa, mas quanto seu coração e suas ações estão à disposição de seu semelhante, lembrando que a verdadeira caridade é ofertada aos irmãos mais desesperados e mendigados de atenção, principalmente na miséria do espirito que se perde nos pântanos do pecado.
           
            É muito cômodo praticar a caridade com quem lhe causa sossego e não traz nenhum incomodo com as ásperas palavras que muitos perdidos da existência de encontram e desferem a quem se aproxima. Ofertar valores financeiros é louvável e atenderá momentaneamente às necessidades daquele irmão que mendiga um pouco mais de sorte na vida planetária, mas não o credenciará a barganhar a Deus sua ação imediatista e distante da caridade da real e da salvação daquele semelhante. Mas o que posso fazer nesses casos se não tem a habilidade suficiente para atendê-lo em toda sua precisão? No mínimo uma oração para este espírito perdido, onde compreendemos que o alimento do espírito assim como a água para o corpo é essencial à manutenção diária da evolução.

            Por isso Cristo nos alerta quanto a essas ações que praticamos com a intensão de algo futuro, de uma sorte desejada e pleiteada, é louvável todas as pratica de auxilio ao próximo que estão fundadas unicamente para o bem, mas o que não crê que sua ação fará da vida deste irmão a verdadeira oferenda de ajuda, como também não o credenciará a qualquer privilegio no juízo celeste, evidente que será considerado, mas o que esta verdadeiramente diante dessas ações é o que realmente responderá com maior entonação a favor da nossa passagem e habilitação às esferas superiores da evolução.

            Procure praticar as ações cotidianas voltadas ao bem pelo sentimento maior que é a satisfação do amor em prol da recuperação e salvação de um irmão perdido na vastidão do deserto, visualize em seu semelhante à mesma atenção que deseja a suas vontades, principalmente na vontade e no interesse de está salvo, por isto não grite ao Senhor e não peça para que aviste suas ações de ajuda ao próximo, pois ele lhe acompanha desde a criação e que percorre toda sua evolução e continuará a acompanhar por toda eternidade. Não precisa mostrar ao Criador suas obras, precisa colocar em pratica sua real verdadeira obra a serviço de seu semelhante da intensão maior de salvar o seu semelhante. Pois essa sim é a vontade de nosso Pai e praticando-a com obediência, humildade, caridade e principalmente amor este sim será o ingresso para sua estada no Reino desejado.

            É compreendido novamente que a vida material não é critério de liberdade e da verdadeira condição da alma, é um merecimento conquistado pelo esforço e merecimento, e assim como nosso dever fazer parte do exercito de Deus a combater todo mal.

            Dr. Bezerra de Menezes.
             

             


Um comentário:

  1. Que maravilhosos ensinamentos de nosso amado BEZERRA- QUE DEUS ABENÇÕE A TODOS

    ResponderExcluir