sexta-feira, 5 de julho de 2013

Simplesmente Cristo.




Portanto, prefiro orgulhar-me das minhas fraquezas para que habite em mim a força de Cristo. Coríntios, 12,9b

            A prepotência marcada pelo orgulho destruidor pelas injustiças praticadas em nome de um poder dito soberano, em nome de possíveis conhecimentos privilegiados frente aos demais da sociedade dos homens, é que transforma os mundos inferiores em abundantes moradores e habitantes por não ter em si a dadiva da humildade sincera dentro de suas vidas.

            Em verdade nosso Senhor privilegia a alguns irmãos a faculdade e a confiança no poder do maior esclarecimento frente a determinados assuntos da vida e de habilidades profissionais capazes de render fortunas materiais e com eles dividir entre os que necessitam nestas habilidades. O empresário foi dado à liderança em constituir trabalho a quem lhe clama o pão de cada dia na sobrevivência da matéria, mas é dada a qualquer um a liderança de Deus na riqueza espiritual para poder fazer-se melhor bem como seu semelhante sem que para isto precise da prepotência e dos faraônicos palácios frios e distantes da realidade de Deus na sua vontade para com todos.

            São eloquentes os irmãos ricos em conhecimentos e que faz disto aulas de conhecimento e riqueza necessária a quem precisa de novas experiências, o que não significa que esta dianteira cultural deva servir como fonte de aguas turvas a manchar os que são sedentos de conhecimentos a somar em sua evolução.

            Quando Jesus veio ao planeta, encontrou uma multidão preza pelo medo, mortos das esperanças e dominados pelos demônios que imperavam sobre suas vidas, amedrontados pela prepotência dos palácios e dos sacerdotes e anciãos que faziam de suas posses motivos de dominação a aquele povo. O Nazareno atraía para si estes ignorantes, fracos, pois tinham em si a verdadeira esperança para salvação, e libertação dos demônios que imperavam em suas vidas, curou-os pela fé viva e renovadora, com isto conquistava adversários e odiosos pelas suas praticas que tiravam de suas formas ditatórias as regras dominadoras do medo, pela única vontade real, pois se diziam sabedores da verdade, mas, no entanto eram vazios da verdadeira vontade espiritual do Deus de amor e de misericórdia.

            Isto tudo foi possível porque não chegavam à multidão o dito conhecimento maior movido pela prepotência e pelas riquezas materiais, era puro, porem fracos e dominados, assim como tiveram a humildade de reconhecer aquele ser o verdadeiro enviado do Criador. Quando reconhecemos que somos fracos e buscamos a força no Deus que habita em nós, quando retiramos as cercas da prepotência, do orgulho, das vaidades, que são os impedimentos da salvação divina, ofertamos a Jesus a ser em nós a fortaleza da sua obra para com o mundo, o saber e o conhecimento devem sempre servir de doação a todos, assim como a humildade de reconhecer que as fraquezas nossas, reconhecida pelo intimo são e devem sempre servir de moradia para o Cristo vivo para entrar e fazer sempre novas todas as coisas, servindo-se sempre do cordeiro que tira as nossas fraquezas do mundo e nos faz fortes do único amor transformador. Por isto somos e devemos simplesmente ser de Jesus, que nos ensinou o caminho.

            Dr. Bezerra de Menezes.

           

           


Nenhum comentário:

Postar um comentário