quarta-feira, 17 de julho de 2013

Jesus, o sonho que se tornou real.



Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo.

            Sem duvidas a mais de dois milênios que esteve presente neste planeta o filho de Deus entre nós, Jesus, um homem de origem simples, hábitos comuns aos costumes da época, obediente às regras das sinagogas imposta a humanidade pelos anciãos e seus sacerdotes que se diziam os representantes do altíssimo, pelos conhecimentos e vasta astucia em dominar uma grande massa. Jesus foi uma criança e um jovem especial aprendeu com seu pai terreno José o oficio de carpinteiro, se destacando pelas habilidades e atenção que exercia a cada serviço acionado.

            Quando ao seu nascimento fora anunciado à vinda do Messias, uma grande euforia tomava conta daquele lugar, afinal, quem seria esse enviado? No inicio somente as pessoas realmente tocadas do sentimento divino que identificaram o verdadeiro salvador, aos grandes palácios a duvida e o receio de quem poderia tomar seus suntuosos tronos e riquezas, o rei da época, Herodes, incomodado com a notícia que se espalhava, cometera seus devaneios como mandar assassinar as crianças com menos de dois anos, quantas vidas mortas em nome da ganancia e medo da perda do poder, como junto com Pilatos que até então inimigos e que se uniram para condenar o filho de Deus.

            Com a idade se avançando e sendo fiel aos costumes da época, Jesus pregava no grande templo e ensinava com muita presteza e atraia olhares e atenção, tanto da multidão quanto dos sacerdotes que muitas vezes se incomodavam com o que era dito pelo Mestre, pois de alguma forma sua verdade incomodava esses ditos poderosos. Ao sair das paredes dos templos, ele atraia uma multidão que sedentos pela salvação, pela verdade e o tinham como o salvador, o reconheciam em suas almas este como o verdadeiro Messias. O Nazareno trouxe para seu lado homens simples e até mesmo pecadores para segui-lo fielmente, como os doze apóstolos, mas porque Ele escolhera homens com estas características? Pelo simples fato dele ter vindo a salvar os pecadores.

            Então, ele curou, ensinou e amo-nos e ainda nos ama incondicionalmente, perdoou-nos das nossas fraquezas e erros, os nossos exageros e nos ensinou também pela fé em seus ensinamentos que também podemos ser instrumentos de paz e de salvação. Toda esta movimentação causava nos poderosos à ira, a cólera, a raiva, a inveja, o rancor e principalmente o ódio, pois Jesus mostrava que os exageros ditados por eles, não passavam de costumes socais a fim de dominar em nome de interesses sórdidos e que desviavam do caminho da salvação e tornavam vazia a vida espiritual daquele povo que era em seu intimo famintos de um norte, e este alimento surgia, o Cristo estava entre eles.
           
            Para os poderosos da época Jesus afrontava seus costumes e poderio, pois se sentiam ameaçados pelos feitos daquele homem do povo, pois conversava e tinha ao seu lado os esquecidos, abandonados e humilhados, como os pecadores, as prostitutas, os doentes, os miseráveis, as mulheres abandonadas e que viviam a margem da sociedade e do padrão autoritário do tempo, como também os fieis da sinagoga que viviam sufocados pelas inúmeras regras que eram ditadas por um soberano e também pelo império romano.

A ira destes homens eram tamanhas que sempre buscavam meios para condenar Jesus, mas com sempre foi e é cheio de sabedoria e o verdadeiro enviado, respondia suas provocações com a reflexão que impunham a estes que nenhuma resposta havia de replicar.

            Até que apossado pelo tentador, o Iscariotes entregou-o aos sacerdotes e anciãos em troca de moedas de ouro, o entregou pela mentira pregada. O prenderam, machucaram sua carne, condenaram e crucificaram e como de costume os poderosos exercendo o domínio sob a grande massa intimidavam aquele povo na condenação do Messias e a liberdade do assassino, Barrabas. E ao entregar seu espírito ao pai perdoou os nossos pecados e nos libertou de toda tentação.

            Se ele fez isso tudo por nós, porque a humanidade presente ainda permanece no pecado e nos exageros? Bem irmãos, desde o tempo de Jesus, a sociedade esta integrada num contexto acomodado pelas proezas da tentação do pecado que surti em nossas vidas como algo melhor a se fazer, esta situação não veio apenas no tempo de Cristo em nosso planeta, muito antes o mal surge como força desafiadora do bem de Deus em nossas vidas, desde a revolta de Lúcifer contra Deus sobre sua criação que foi o homem, criado como imagem semelhante a Ele, e que teria os anjos de reverenciar sua criação, e tornando-se rebelde criou seu próprio universo de pecado ao contrario que Deus deseja para todos nós.

            Mesmo o mal não tendo como vencer as obras de Deus, ele é forte e astuto, e consegue atrair os filhos de Deus que somos nós para sua grande emboscada, a situação atravessa milênios, e o Senhor permanece intacto na sua condição para todos nós, respeitando em nós o livre arbítrio e de onde estaremos e para qual caminho a seguir. Seria essa situação um joguete de forças promovidas por Deus? Não. Justiça, se ele nos da o livre arbítrio, como o fez com anjo negro, deu-lhe a liberdade de seguir o seu caminho, pois Deus não é limitado páreos aos preconceitos e conceitos limitados do homem, ele não é o ditador e o carrasco que todos pensam, ele nos dá a liberdade para agirmos, e claro, seus mandamentos são para todos e as consequências de nossas escolhas serão frutos da própria vontade.

            Infelizmente a humanidade se acomoda naquilo que lhe traz conforto material e esquece-se do preenchimento espiritual, as riquezas das moedas e grandes conquistas de terras latifundiárias que exercem sob o ego sentimental que se torna alvo e moradia dos demônios da tentação, é que faz e traz desde outrora tempo este grande embate entre o bem e o mal. O mal tem a todo o momento fazer-se criativo a nos perder, ao contrario do bem, que desde a criação não se modificou, manteve a mesma linha, ou seja, praticar o bem comum e a paz para que deles desfrute também sua condição.

            Ao longo do tempo, Deus nos presentou e presenteia com a vida de irmãos e seus enviados a arrebanhar a multidão pelo o caminho da salvação, fez com diversos profetas , bem como seu filho único, Jesus de Nazaré, o verdadeiro e único Cristo, ele nos oferta a todo instante esta condição de seguir o seu caminho para a salvação. Pode parecer difícil seguir sem cair em tentação? Claro, em nenhum momento Ele nos disse que seria fácil. Os desafios existem para ser aprendidos e crescer na fé, a tentação também apareceu para Jesus, mas ele soube expulsar os demônios da tentação que queriam domina-lo por acreditar no Pai e na salvação.

            Escolham seguir com Jesus irmãos, sigam seus ensinamentos e ação, resistam ao pecado, às tentações e as armadilhas que ele oferece, nem todo conforto material poderá traduzir a verdadeira paz, a liberdade e a verdadeira salvação, ele esta prestes a nos salvar de todas nossas fraquezas e pecado.


            Dr. Bezerra de Menezes.

2 comentários:

  1. aguardo com ansiedade a salvação de todas as nossas fraquezas e pecados.

    ResponderExcluir
  2. A nossa reforma íntima. O despejo às coisas materiais. O exemplo de amor e caridade que devemos passar para os nossos irmãos do caminho. Tudo que pensamos de bom e desejamos para os nossos semelhantes, aliados à boa vontade deajudar. O cuidado com o tratamento para com os nossos vizinhos e familiares, tudo isso nos aproxima do Cristo. Não devemos só aguardar a salvação mas fazer com que ela seja possível no nosso dia à dia.

    ResponderExcluir