segunda-feira, 17 de junho de 2013

OS CAMINHOS DA PALAVRA.



Pelo caminho, proclamai que está próximo o Reino dos Céus. Mateus 10,7
           

            Pelos caminhos da eterna existência, nos deparamos com a proclamação imutável da palavra de Cristo e todas as suas promessas se concretizando pela vida toda.  A palavra única e objetiva a nos salvar nada mais é que nosso existir diante do amor e do fruto divino.

            Antes mesmo da vinda do messias entre nós, o unigênito de Deus a representar tudo e a todos diante dos exemplos de metamorfose do comportamento e dos paradigmas que imperavam na vontade dos povos. O que Jesus fez foi simplesmente mostrar uma nova era, uma nova disposição para aplicar a nós e principalmente aos nossos semelhantes. Ele nos mostrou que nossas ações para com o próximo, nossas ações diárias são determinantes a salvação e que as condutas vão muito além dos comportamentos e costumes sociais.

            É compreendido que Jesus desde a vontade de nosso Pai já era o escolhido para colocar na vida de todos nós um novo tempo e uma nova consciência diante da vontade do Senhor. E mesmo assim, ele veio nos parâmetros comportamentais da época, passou por todo processo social que imperava naquele povo e naquela época, seguia os rituais judeus conforme eram de costume, pregava e ensinava nas sinagogas, enfim, era um homem comum como todos nós. Ao longo da sua evolução entre nós Ele começava a mostrar um novo evangelho e uma nova forma de explorar o que de melhor há em cada um tem de explorar a favor de seu semelhante e principalmente uma nova visão sobre o verdadeiro Deus amor e misericordioso.  Diante desta boa nova, Jesus conquistou diversos adversários e perseguidores, principalmente os ditos doutores da lei e o sacerdócio dos templos, ao qual buscava de todas as formas induzirem o Mestre ao desvio da época a fim de encarcera-lo e mata-lo, mas o Nazareno mesmo tendo consigo a responsabilidade de proclamar o novo evangelho segundo Deus, respeitava aqueles ignorantes da salvação e diante das provocações, faziam refletir quanto aos exageros e costumes que os Saduceus e Fariseus impunham a sociedade da época, em vez de condena-los, os ensinavam de forma que obrigava a todos a repensar no que arguiam o Mestre.

            Por isto irmãos eis entre nós a palavras de Deus, a única forma da salvação, nela há interpretada a boa nova do verdadeiro comportamento, quando na passagem se proclama que o reino dos céus esta diante de nós, é porque tão próxima esta nossa razão e sentimento, fruto único da vontade própria, pois a palavra esta diante de todos, assim como o discernimento do certo e do errado, nada mais é que o caminho da salvação que pela própria vontade, busque extirpar do seu sentimento todas as formas de magoas, ódios, rancor, intolerância, raiva, inveja, egoísmo, orgulho, vaidade, zombarias principalmente contra os designos divino e aqueles que de alguma vontade, independente da sua doutrina, busca entender a palavra do Senhor, pois cada irmão tem o direito à interpretação que melhor lhe convenie, evidente que dentro do proposito trago por Jesus de proclamar a boa nova e os novos comportamentos para com a sociedade, o que se pregava nos códigos do antigo testamento, ao qual devemos trabalhar sua interpretação quando na verdade são paradigmas que devemos compreender a que se propôs Jesus diante de cada um de nós no novo tempo. São códigos que devemos interpretar se quisermos de verdade a salvação. Entenda que, ao querer desvendar a palavra, não é simplesmente se acomodar somente nas leituras eternas, é fundamentalmente compreender que o caminho começa agora, na mudança do comportamento que havemos de praticar a todo o momento.



Dr. Bezerra de Menezes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário