sexta-feira, 28 de junho de 2013

Enxergue sempre Cristo a sua frente.



O olho é a lâmpada do corpo. Se o teu olho for sadio, todo o corpo ficará iluminado. Mateus. 6,22

            Todos os sentidos do ser que elevam sua caminhada rumo ao reino de Deus é de fato a importância grandiosa nos caminhos a se seguir. Veja como somos todos perfeitos e realizamos todos os desejos, isto porque há quem nos fez e nos ama. E os que são limitados fisicamente? Os caminhos que percorremos ao longo da nossa existência, em especial as vidas pregressa determinam nosso presente rumo ao futuro, e mesmo assim, como frutos da misericórdia divina, somos novamente confiados ao progresso e a evolução.

            A veste da alma abrigará nossa caminhada a poder crescer na divina misericórdia, resistindo ao mal perverso e logrando sempre as conquistas, diante da nossa caminhada existencial. Mas um sentido nos é tão importante quanto o pulmão da vida, o que a luz de nossos olhos reflete em nossa consciência e para onde iremos. Há duas distancia imensa, o que nossos olhos veem e reflete a nossa consciência, o que é bom e o que é mal, como sempre alertamos o mal em sua maioria nos apresenta como cordeiros, mas ao ter em suas garras a preza fácil, logo nos aprisiona na perdição dos pecados, por isto é muito importante à vigília e a oração, para que não sejamos vitimas destas armadilhas.

            Somos seres aguçados pelos prazeres da matéria, pois o deleite do bem estar logo acende a chama de viver a acústica de todas as maravilhas do bem esta e sempre pessoal, quase nunca comungado ao seu próximo. Isto acontece porque Deus quer? Não irmãos, é nossa condição e nosso dever saber resistir às tentações, principalmente dos prazeres da carne e quase sempre o abismo espiritual, como Cristo assim resistiu a todas as tentações.

            Mantendo em nós os olhos perfeitos, ou seja, prontos a discernir o bem e o mal, de certo que será determinante para a sadia vida que prossegue, lembrando que o corpo espiritual que abriga na matéria clama sempre pelo bem e está qualidade estará em nossas escolhas conscientes, sim irmãos, nenhum ser caminha para o mal contra a vontade, são movidos em sua maioria pela ganancia ao que os olhos veem, pelas facilidades materiais e pelas barganhas que a vida pode proporcionar. Vivemos a época da moda ao mal, onde ser do mal é status de virilidade e poder, no entanto se entranha numa pobreza existencial capaz de afundar cada vez mais nos pântanos movediços e por lá afundar cada vez mais no pecado, nas injustiças, nos vícios, nas guerras, uma falsa sensação de prazer, mas que arruína completamente a evolução, devendo novamente aprender numa nova existência com as marcas das experiências à poder crescer e aprender.

            Nenhuma criatura retroará a evolução, ao contrario, suas ações poderão estagnar seu crescimento e retardando ainda mais sua salvação, voltando ao resgate e trazendo sempre as marcas das experiências para uma nova oportunidade. Riqueza material não é tradução de evolução, pelo contrario, é uma das portas abertas para o insucesso da encarnação confiada, pois por merecimento os seres que retornarão ao planeta podem escolher sua sorte material, mas dependendo das escolhas pode se perder pela astucia do mal, pois ele nos mostrará as vantagens e as prisões do pecado.

            Por isto orai e vigiai sempre e acenda a lâmpada de Cristo em seu coração para que possa refletir sempre o amor divino em prol da vida sadia de seu corpo físico e principalmente espiritual para que possa não apenas acender as esperança a você e sim todos os que o admiram e se fazem refletir o bem maior.


            Dr. Bezerra de Menezes.

quinta-feira, 27 de junho de 2013

O que Cristo representa para você?



E vós, quem dizeis que eu sou? Jesus.


            Em nossa reflexão vamos adentrar para dentro de nós, em nosso intimo tão sagrado quando nossa existência do fruto divino. Todos sabem que existiu entre nós um homem que era chamado, Jesus de Nazaré. Mas quem era este homem? Um fenômeno? Um santo? Um anjo? Ou simplesmente o homem que nos amou e ama como ninguém nunca nos amou? Isto é você quem vai definir.

            Este homem meu amigos foi e é responsável pela nossa salvação, veio num momento delicado da historia da humanidade, pelo amor divino do Pai Celestial que tanto nos ama, para dividir o tempo, entre, antes e pós Jesus. Nada mais fez do que ensinar a cada um de nós o verdadeiro proposito da nossa salvação, mas não movidos por uma força exteriorizada, não, mas por uma força que parte de uma vontade que cada um dentro de si, a fé e a vontade de ser do bem. Foi Ele preciso vir entre os homens, passar pelas privações e necessidades, bem como a desconfiança de um povo amordaçado pelos costumes materiais e totalmente vazios no que tange verdadeiramente a vontade de Deus em cada um de nós.

            Diversos profetas e enviados antes dele, que abriu no coração da humanidade a existência de Deus, pois como acreditar em algo invisível a nosso olho nu e carregado de todas as grossas camadas de preconceitos e pecados. Mas através de suas sabedorias faziam a vontade do criador para salvar aquele povo massacrado pelo medo e pela incerteza de uma esperança e para onde iria após a consumação do tempo. Moises o profeta responsável por apresentar as leis de Deus, psicografando numa pedra os mandamentos responsáveis pelo bem estar entre todos e para se viver em tolerância amando e respeitando seu próximo com desejas ser amado e respeitado.

            Por fim veio Jesus pelo seu amor à humanidade, mesmo perdida nos pecados, mas compreendido que muitos eram tomados por fúrias legislativas e costumais a época e pelo medo a adorar o Deus amor, pois eram amedrontados por um Deus dito autoritário, vingativo e perverso, como as forças dos homens e do mal, este era o Deus que eram ditados, mas construído pelas maldades e pelos sentimentos mesquinhos e vazios dos ricos e dominadores daquele povo. Já foi provado que Deus é amor. Ao fazer nova todas às coisas, Jesus foi seguido por uma multidão, e por onde passava era abordado pelos humildes que de verdade aceitavam com veemência que estavam diante do filho de Deus que clamavam curas e libertação para os seus pecados. Todos recebiam graças e eram salvos.

            Naquele tempo ele provou que podemos fazer milagres em nossas vidas, basta acreditar, nada mais, devemos acima de tudo despir nossas vestes postas e lavar a alma contra todos os pecados e preconceitos e buscar a própria liberdade, a própria salvação, simplesmente acreditando em suas palavras, que significa o único caminho para nossa salvação, pois suas palavras e lições traduzem o que realmente Deus quer para todos.

            Jesus continua a trabalhar em prol da humanidade desde aquele tempo, e até então jamais parou de se preocupar e amar a todos, sua morte não foi em vão, onde aceitou com humildade a sua sentença e humilhação sofrida, mas fez por amor, onde poderia muito bem pela força de Deus romper com os homens e aniquilar todos seus algozes, no entanto, perdoou a todos nós, e morreu fisicamente pela nossa salvação, pois veio e mostrou seu verdadeiro amor a todos nós, até mesmo aqueles hipócritas que o perseguiam e o crucificaram-no. Pois no Reino de Deus também há lugar para os arrependidos do pecado e inclusive a você meu irmão e minha irmã, arrependa-se do pecado, compreende-se Jesus. A astucia do pecado é perverso, pois nos atinge no auge da nossa cobiça, pois de fato ele entende nossas fraquezas, mas também Cristo quer que você resista ao pecado e não deixes cair em tentação como sempre é pedido nas orações que ele mesmo ensinou, mas constantemente ele nos oferta todas as oportunidades para resistir, principalmente no momento em que o mal deseja nos enfeitiçar e entregar seu ser nas armadilhas de suas prisões que sempre vem em forma de cordeiro, mas quando a preza esta dominada se transforma em fera roais que nos devora e perdendo-nos para o pecado e escravizados pelos demônios de nossas vidas.

            Quando o pecado lhe bater a porta, pergunte para você mesmo. Será porque Cristo foi crucificado? O que Cristo representa para você; a liberdade ou a prisão?  

            O que ele representa para você? Responda para si mesmo.

            Dr. Bezerra de Menezes.


terça-feira, 25 de junho de 2013

Ele não morreu por acaso e sim pela nossa ressurreição



Ele morreu por todos, para que os que vivem já não vivam para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou. 2ª carta aos Coríntios 5,15

            O estudo do novo testamento, o de Cristo, é alvo de bastante relevância e importância para qualquer irmão que caminha para a evolução, não apenas o caminho egoístico, pois querer crescer não deverá jamais ser desejo e sentimento apenas para si, pois este não é o verdadeiro proposito do Mestre para conosco. Devemos prosperar e levar consigo todos aqueles que lhe cercam, sejam os íntimos quanto os que cotidianamente fazem parte das paginas da vida existencial.

            Quando entendemos todo proposito de Cristo, compreendemos o seu amor para conosco, bem como a faculdade de nos conhecer, estudar nossa evolução e modificar os nossos pensamentos e sentimentos para com a vida em um todo, principalmente em entender que em nosso meio haveremos de comungar a vida com irmãos em evolução páreo, tanto quanto aos que caminham abaixo da nossa condição, onde em grande segmento presos aos seus preconceitos e nos farão em sua maioria combate as nossas ideias, pensamentos e evolução, onde havemos de praticar a tolerância e a compaixão, pois já estivemos nesta mesma condição, ou pior, precisamos nos incorporar no sentimento do próximo para entender os graus de desafios.

            Ele veio com a missão de mostrar uma nova vida, o verdadeiro caminho e único para a salvação divina para todos, desafiou os costumes temporais, a ira e os mandamentos ditatoriais dos poderosos a época, bem como a mutação das praticas costumais e os parâmetros comportamentais e morais a que se propunha o povo e mostrando que os exageros classificados como pecados a época, na verdade jamais representou o verdadeiro reino de Deus, um povo amordaçado e amedrontado com as punições e encontrou em Jesus e em suas varias lições o alivio e o conforto de poder adorar de verdade o Deus amor e misericordioso e não o Deus vingativo e punitivo que eram apresentados e era usado para o domínio daquele povo, não diferente nos tempos modernos. O que o Mestre resgatou aquele povo, foi o uso fiel e verdadeiro da fé, onde trouxe para consigo o Espirito Santo de Deus em detrimento aos pecados, a salvação divina que esta em cada um de nós.

            E ao ser capturado, morto e sepultado, o Messias deu o exemplo que a fé jamais poderá ser superior às amordaças que são colocadas em nossas vidas, jamais podemos temer pelas ameaças de um grupo limitado de pessoas se dizendo doutores do evangelho para poder consumir a esperança de uma nação, lembre-se de que está situação já vivera a época e que se repete por gerações, mesmo o império romano por conveniência se aderindo aos ensinamentos de Cristo, pois o fez pelo crescimento dos adeptos e fieis de Cristo, quantos mártires foram perseguidos e mortos pelos romanos por se converterem aos ensinamentos e resolveram caminhar com Jesus para a salvação, e vendo uma grande multidão já não os temia e muito maior do que a que o próprio mestre atendia nos povoados de Israel. E para não perder o domínio se fizeram adeptos às lições. E mesmo se adaptando aos seus ensinamentos, mantiveram a politica do medo e as perseguições e exageros continuavam como o próprio Cristo foi alertado, os falsos cristos e profetas se levantarão dizendo ser o único caminho, mas não se esqueçam das artimanhas do maligno, o mesmo que tentou o Mestre no deserto.

Muitos irmãos foram santificados de verdade, mas pela vontade de Cristo e não pelos títulos humanos que são concedidos aos irmãos, pois a santidade vai muito além dos padrões humanos, todos nós podemos seguir a este caminho da santidade, não somente pelos milagres, mas sim pelos comportamentos e seguimentos ao verdadeiro Cristo e pelas obras que diariamente se propõe a humanidade e a todos os irmãos, em especial aos perdidos da esperança e da salvação. Os anticristos estão por toda parte, principalmente nos grandes templos e altares, onde desviam verdadeiramente a salvação de cada um, não credite simplesmente à riqueza das moedas de ouro a verdadeira salvação do espirito, pois o que é da matéria pertence à matéria, e ao que permanece em Deus é tido o verdadeiro caminho da salvação e rumo ao seu Reino e onde não haverá miséria nem riqueza, mas sim a salvação rica do espirito único em Cristo. Ele não morreu simplesmente para servir de exemplo, mas sim que façamos de verdade a ressurreição dele em nosso ser, nos exemplos a espelhar outros mais no caminho da verdade e da vida.

Dr. Bezerra de Menezes.


            

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Resistir às tentações do mal é salvar-se para vida eterna.


Afastar-se do mal, eis que agrada ao Senhor; o sacrifício de expiação é apartar-se da injustiça. Eclo 35,5

           
Quando algo nos desagrada, de pronto desejamos nos afastar com veemência e de qualquer problema se extinga das nossas vidas e visões, em muitos casos estes problemas vem acompanhado de situações que nos desagrada o bem estar, diversas são as vertentes. Diversas situações nos acontecem pela própria procura, não que veio por escolha desafortunada a nossa caminhada, varias obras que praticamos e realizamos em nome do mal nos faz desafios na vida terrena e que mesmo podem abortar nossa evolução, dependendo das escolhas.

Nas passagens do evangelho nos mostra as tentações que o nosso Mestre Jesus sofreu e teve que passar para seguir seu caminho e se proposito, quantos demônios o atentavam a querer desviar este caminho. Mas bravamente ele resistia e expulsava os demônios que o atentava, bem como expulsava os demônios daquele povo que sofria pelas fraquezas espirituais, que permitia que o mal apossasse de seu ser e de suas famílias, e naquele tempo, muitos iam até Jesus para serem curados, e eram curados pela fé. Seria Cristo a metamorfose da vida? Ele curava pela graça e vontade de Deus, nosso senhor e criador de tudo o que existe. Mas Jesus nada mais fazia do que curar em nome e da permissão do Senhor Deus, movidos exclusivamente pela fé.

Sempre foi possível a cura, pois aquele povo era emanado de muita fé, mas amordaçados pelos poderosos daquele tempo que puniam com veemência quem ousasse transgredir as leis interpretadas pelos exageros humanos que até os tempos modernos desta leitura continuam a existir, mas com a tolerância que era nula naquele tempo. Deus se fez homem na vontade de Cristo e com ele provou que nossa fé é responsável pela própria salvação, o Nazareno em suas lições ensinava aquele povo o poder transformador que cada um carrega dentro de si e que exteriorizado pode se fazer nova todas as coisas e curar as chagas da alma e salvar-se na gloria divina.

Ao perdoar os pecados daquele povo, Jesus mandava não mais pecar e assim muitos o seguiam e faziam seguidores, como exemplo de seus apóstolos, que se converteram na verdade e na salvação da verdadeira palavra e boa nova, ate então eram homens pecadores e que pela fé e afastamento do mal de suas vidas se fizeram imunes dos pecados, principalmente pelas lições que tinham com o Mestre. Irmãos, cada um de nós temos o dever de afastar todos os males do caminho, seguir os ensinamentos de Cristo, resistir às tentações de nossos olhos, que é a primeira porta das perdições pelo pecado, pois é da íris dos olhos que começam nossa caminha e nossa sorte para onde seguiremos.

Nossa luz pela visão nos transporta no caminho a seguir, pois nele esta nossa vontade de se entregar a salvação eterna ou seguir pelas estradas obscuras do pecado pelo aguçar do deleite das tentações da carne.

Irmãos do planeta material, as provas e expiações da terra nos são favoráveis à salvação e nela com sabedoria resistir todas essas armadilhas do mal eterno, para muitos é impossível não se entregar ao mal, mas Cristo o fez, porque não resistiremos também? Mas Jesus foi fruto do amor de Deus e veio com a missão de transformar todas as coisas e mostrar a vontade de Deus para mudar nossos pensamentos e sentidos, é o Espirito Santo. Sem duvidas. E nós? Também não somos frutos do amor e da vontade de Deus? Tudo o que existe e inclusive a você que lê esta, é fruto do bem, mas o mal está à espreita, nosso Pai deseja para que resistirmos ao pecado em suas diversas faces, inclusive os lobos que se fazem cordeiros a perder os filhos de criador. É tempo de mudar e de se arrepender de todos os seus pecados e se arrependendo estará consigo extirpando todas as formulas de injustiças do ser. Vamos se fazer exemplos em Cristo e procurar afastar os demônios tentadores da perdição e dos desvio da estrada única, da salvação.

Dr. Bezerra de Menezes

sexta-feira, 21 de junho de 2013

A verdadeira fortuna de Cristo.




Vós conheceis a graça de Nosso Senhor Jesus Cristo. Sendo rico, se fez pobre por vós, a fim de vos enriquecer com sua pobreza. Coríntios 8,9.

            A riqueza material é alvo da cobiça de muitos irmãos desde os primórdios da criação divina, o querer o bem estar move em cada ser as chagas do egoísmo, da inveja, do poder, da ira, da inversão da caridade, das injustiças, enfim ser rico materialmente não traduz a verdadeira riqueza que engrandece o ser para a salvação da existência.

            Jesus Cristo teve todas as condições de viver num luxo material sendo ostentado e rodeado pelos anjos de Deus e viver cercado de bajuladores e pessoas que não lhe causariam qualquer embaraço e problemas como foi àquela época.

            No entanto preferiu esta ao lado dos ditos pequenos da matéria, pois ali encontraria a riqueza da fé, responsável pelas grandes transformações de nossas vidas. Não que os pobres da matéria sejam vulneráveis da fé, ao contrario, a sinceridade e a honestidade deste pessoal não se move pelas armadilhas que a riqueza material proporciona. Pois até o rico tem todas as oportunidades de entrar no reino dos céus, tendo em sua vida a caridade imperando na sinceridade de suas ações.

            Queira viver um conforto material, deseje, pois nosso senhor deseja que todos seus filhos viva no veludo da existência, jamais se esquecendo da verdadeira face do amor, a caridade pura, a única responsável pela salvação, caridade esta muito além da oferta material as necessidades do seu próximo, a caridade é um grão de areia na vastidão dos mares, que junto com outros grãos se tornam a união da força na manutenção da grandeza dos oceanos, ou seja, a fé.

            Cristo provou que a riqueza esta dentro de cada um de nós, temos joias brutas em nossos corações prontos a serem lapidados pela habilidade e interesse pessoal, joias lapidas que podem ser divididas e ofertadas sem o medo de faltar, ao contrario, quanto mais lapidarmos e distribuirmos estas joias, em dobro, irá brotar em nossos corações a verdadeira riqueza do existir, a fé enriquecedora de nosso ser.

            Quem já experimentou a graça de Nosso Senhor Jesus Cristo, compreende que nunca precisou e nunca irá necessitar ofertar faraônicas fortunas para que tenha a graça da salvação, pois mesmo presente na matéria, Jesus não se deleitou das riquezas perecíveis da matéria, ensinou sem cobrar, curou sem cobrar juros, simplesmente ofertou a graça de Deus que é fonte eterna da nossa salvação e direito de cada um, assim como a misericórdia e o amor eterno é para todos sem distinção.

Compreendam, os bens da matéria fica na matéria e perece com o tempo, nem as vestes da alma, o corpo levará, deixamos para o adubo da terra, e o que realmente levaremos são as verdadeiras ações enriquecedora do existir e a riqueza da nossa salvação de nosso semelhante e o que praticamos, está sim permanecerá na eternidade.

            Dr. Bezerra de Menezes.


            

quinta-feira, 20 de junho de 2013

O verdadeiro pensamento das minhas condições.


 Três dias depois o encontraram no Templo sentado no meio dos doutores, ouvindo e fazendo perguntas. Lucas 2,46

Jesus veio num período da historia da humanidade muito forte, principalmente numa terra onde os costumes e as regras eram severas e qualquer desvio nas condutas as penas eram severas. Muitos se dizendo estudados cultos abusavam destas condições para impor o medo e seus conceitos sobre a massa que eram facilmente dominadas e até os modernos tempos do presente ainda encontramos estes comportamentos, onde um grupo pequenos ditos os melhores e mais cultos desejam dominar uma grande massa, pelo medo e pela violência.

Como naquele tempo os costumes eram ditos ditatórias e qualquer conduta era levada a perversos julgamentos e condenações, dentre as mais de duzentas regras Jesus rompia com seus ensinamentos estes paradigmas, o que faziam com que o verdadeiro proposito da evolução humana ficasse em planos secundários e engaiolavam a população nos manifestos da época. Por isto em diversos momentos, conforme encontramos nas paginas do código divino, os poderosos arguiam com grande veemência o comportamento e as obras de Cristo sobre aquele povo.

Da mesma forma que o arguiam, Jesus também em diversas audiências em que era convocado pelos doutores da lei e aquele povo, ouvia-o que tinha a falar e ao mesmo tempo fazia as perguntas no sentido de fazer repensar os exageros, se realmente as condutas que eram aplicadas e cobradas estavam realmente de acordo com o poder, a lei e os desejos de Deus.

Esta situação meus irmãos não foge a nossa realidade, em que tantas perguntas se fazem e não deixamos que as verdadeiras respostas entrem em nossos corações e em nossa consciência, de muitas situações vividas pela experiência encarnada que não compreendemos o proposito divino. É de nosso conhecimento a misericórdia de Deus para cada criatura, engana-se que Deus cria e abandona seus filhos, ao contrario, seu amor e misericórdia são tão grandes que diariamente podemos sentir este amor em cada um de nós, quantos erros se cometem pela própria vontade e mesmo involuntariamente, mesmo assim nosso senhor não nos limita a comunhão de todas suas belas obra a nos inspirar ao bem supremo.

Não credita sua situação como castigo, como vingança de Deus, ao contrario, aceite com resignação e humildade e agradeça a oportunidade de poder novamente corrigir seus erros, pois no reino de nosso senhor todos têm direitos, basta evoluir através das nossas ações e pensamentos de amor, caridade e gratidão à confiança dada. Os limites da matéria física nada mais é que os limites em que o espirito deve repensar suas ações retrogradas das ações praticadas, onde lhe é permitido esta oportunidade à resignação, de certo que muitos se revoltarão com a situação onde não poderá ser modificada, mas a realidade deve sim ser compreendida, ser aceita e o trabalho de evolução redobrado, para que as novas oportunidades sejam de gosto e merecimento do desejo intimo.  E não credite sua sorte somente no passado, pois as ações e sentimentos do presente nos serão cobrados e atraídos por irmãos aquém nos faz páreos sua evolução. A qualidade das suas ações e pensamentos ditará os aliados e a sorte em que estará vivendo, por isto não reclame das experiências, simplesmente repense suas ações e busque modifica-las a todo instante.


Dr. Bezerra de Menezes.

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Vencendo o mal pela fé




Todo aquele que é gerado por Deus vence o mundo. E esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé. João 5,4.

            Todas as formas de vida é fruto da vontade e do amor de Deus na eterna misericórdia e amor, o Senhor criador de tudo que existe coloca em cada um na concepção da vida e do existir todas as formas de amor e abnegação do mal em nossas vidas. Quando as criaturas se purificam pelas aguas do batismo estamos renegando o mal em nossas vidas através da fé e das obras de Jesus e de suas promessas que desde então se concretizam pelo tempo.

            Mas como compreendemos, mesmo sendo frutos da vontade de Deus e puros de todo mal, nos é dada a lei do livre arbítrio, este responsável pelas nossas ações e sentimentos perante o mundo de Deus. Como nos fora ensinado, o maligno revoltando-se contra a criação de Deus, se revoltou por não concordar com suas obras, desde então fez para si o reino da perdição da criatura divina. Criando todas as formas contrarias as leis divinas e tão aguçadas nos sentimentos dos povos que vem a este mundo para evoluir e pela vontade acabam se perdendo no reino do perverso, com sentimentos destrutivos as criaturas de Deus, eis então a explicação por tamanha crueldade existente no plano material.

            O mal se apresenta a nós nas formas mais convenientes aos nossos caprichos, se mostram confortáveis aos nossos olhos grosseiros e nossa falta de confiança na vida eterna, que nos faz entrar neste caminho muitas vezes de difícil regresso, dependendo da misericórdia divina às novas oportunidades de recuperar o tempo morto na evolução. Fazendo com que as criaturas sejam novamente retomas ao ponto zero das experiências, levando consigo apenas a essência e as condições para resgatar os débitos. Não creia que as diferenças existentes no planeta sejam por castigo divino, pois ele não se vinga de suas criaturas, apenas ensina através das experiências encarnadas o valor da vida. O maligno também tem suas criações e em sua totalidade as criações dos sentimentos a perder as almas de Deus.

            A confiança na imortalidade é a fonte de fé da salvação do povo de Deus, único responsável pelas maiores transformações elevado pelo amor puro e universal da nossa existência no mundo de fraternidade e abnegação de todo mal, que nos fará anjos nos resgates das almas e irmãos abandonados pelo pecado e armadilhas do mal. Ser do bem não deve jamais servir de vergonha ou de fraqueza, ao contrario, o mal é aniquilado pelo bem, sempre, e a fé é a nossa única fonte de geração de amor e o único caminho da liberdade das nossas prisões internas do mal perverso. A verdade única é nossa fé naquele que nos criou, sinta ao seu redor a todo o momento o amor de Deus, a começar nesta brisa que sempre lhe beija o rosto em sinal de serenidade, certeza e confiança do amor e da misericórdia divina a todos nós. Jamais desconfie de Deus por crê não te amar somente pelos percalços da vida, é a oportunidade que ele esta lhe ofertando para esta com ele em seu reino, se a cruz pesar, lembre-se sempre que poder ter um Simão Pedro a aliviar o peso e ajuda-lhe na grandeza e no resgate do seu ser, não se acomode, vá a luta, não se prostre no desanimo das chagas, faça da força de vontade a mola propulsora da superioridade que cabe a cada um e vencer no amor de Deus. Se resgatamos é porque temos débitos e oportunidade da remissão dos pecados esta na própria vontade.

            Dr. Bezerra de Menezes


            

terça-feira, 18 de junho de 2013

Livres como o povo de Deus.



Eles procuravam prender Jesus, mas tinham medo do povo. É que perceberam que Jesus havia contado a parábola contra eles. Marcos 12,12 a-b.


            Como já aprendemos, Jesus nasceu da vontade de Deus no seio da família de Maria e Jose, ambos eram pessoas simples do povo, viviam sem luxo, sem ostentação, José era carpinteiro e Maria como costume cuidava do aconchego do lar, num sonho o anjo revelou a Maria a vinda daquele que faria dos costumes uma nova etapa e concebida sem pecado foi à portadora fundamental da vontade de Deus, e com receio de José que não entenderia a sua situação, o anjo se fez presente a ele e o fez compreender a verdade da vontade divina.

            Jesus veio ao mundo e como luz e estrela atraíram diversos admiradores, entre eles os reis magos que se fizeram Deus tocar em seu coração e seguir até a manjedoura, onde ali estava o homem que transformaria a humanidade. Nascido dos costumes judeus, Jesus obedecia a todas as regras comportamentais da época e obedeciam as mais de duzentas leis do costume judeu e ditado pelos fariseus e saduceus da época.  Pregava nas Sinagogas, e vestia-se conforme os costumes, sua aparência física era páreo ao povo de Israel, homem simples, sem vaidades, sem ostentação, sem o diferencial físico, mas toda superioridade espiritual a que nos é por dever caminhar.

            Com o passar da época, Cristo mostrava sua luz e vontade de Deus, suas obras e ações reuniam em torno de si uma multidão que viam nele a fé de sua vontade, muitos desesperados do espirito e das necessidades físicas a que se eram aprisionados com as doenças inúmeras, o procuravam em busca desta salvação, a fé daquele povo era tão grande em Cristo que o próprio mestre mostrava como a fé pode nos transformar e curar todas as nossas doenças, seja do corpo, como principalmente do espírito, este sim responsável por tudo e eterno da vontade de Deus.

            Jesus ensinava um novo tempo e confrontava com os costumes da época que vinham de gerações herdadas, naquele tempo muitas manifestações seja qual for devia respeitar um protocolo hierárquico aos reis, os doutores da lei e os sacerdócios, bem como aos anciãos que eram responsáveis pela manutenção dos costumes locais. Jesus rompia com sabedoria estes paradigmas, não para afronta-los, mas para mostrar que a fé em Deus e em sua existência vai muito além destas prisões comportamentais, e aquele povo sofrido, simples e dominados pelo medo que eram impostos, enxergavam no Mestre a salvação das suas necessidades mais urgentes, saciou a fome dos famintos do corpo, curou os enfermos, ressuscitou os mortos da esperança e da eternidade. A boa nova aguçava a ira dos poderosos daquele tempo, que viam neste homem o afronte aos costumes. As praticas de Jesus afrontava com seus interesses e de todas as formas buscavam em Jesus condena-los por transgredir as regras e por fazer o uso da cura em dias considerados sagrados daquele povo, perdoar os pecados e levar aos poderosos a refletir seus atos e exageros. E como aquele povo acreditava em Jesus, o defendiam com veemência os exageros dos saduceus e fariseus e Eles tinham medo da união daquele povo e não tinham coragem de prendê-lo e encarcera-lo, mas buscavam a todo instante acusa-lo e condena-lo, com arguição que iam de encontro às leis, pois através dos ensinamentos Cristo mostrava as verdadeiras intenções daqueles que detinham o poder a qualquer custo.

            Eis meus irmãos o exemplo de Cristo em nossas vidas, seremos em todos os instantes aguçados a pecar e ser entregue a perdição do pecado pela vontade do maligno que a todo o momento faz adeptos e seguidores a perder o povo de Deus, nos apresenta o anticristo impregnado nos pecados ditos cotidianos do tempo, como as drogas, os vícios, os assassínios, na perdição dos pequenos, seja do etário, ou seja, das limitações materiais, mas ricos nos comportamentos e ensinos do mestre. Este afronte meus irmãos, nada mais é que os mesmos e até piores aos afronte contra o Cristo que há entre nós, prontos a nos perder nas prisões do próprio ser, não creem que as prisões sejam somente as gradeadas, são estas prisões que nos impedem a seguir com Cristo na salvação, entre as que expomos, diversos outros afrontes, como a intolerância, o ódio, a ira, a cólera, o rancor, a escravidão que colocamos nossos irmãos de acordo como nossa conveniência e mesmo poderes conquistados. Estas situações meus irmãos, nada mais é que as diversas formas de nos prender na vontade que contrariam as leis de Deus, são povos do maligno que assim como os saduceus e fariseus usam todas as formas de situações a nos aniquilar e prender no eterno encarceramento do ser e impedir que seguimos com Cristo para a salvação. Defenda Cristo como aquele povo o defenderia, mas não a defesa pessoal e sim de todos os ensinamentos que existem para nos salvar.

            Dr. Bezerra de Menezes.

           

           


            

segunda-feira, 17 de junho de 2013

OS CAMINHOS DA PALAVRA.



Pelo caminho, proclamai que está próximo o Reino dos Céus. Mateus 10,7
           

            Pelos caminhos da eterna existência, nos deparamos com a proclamação imutável da palavra de Cristo e todas as suas promessas se concretizando pela vida toda.  A palavra única e objetiva a nos salvar nada mais é que nosso existir diante do amor e do fruto divino.

            Antes mesmo da vinda do messias entre nós, o unigênito de Deus a representar tudo e a todos diante dos exemplos de metamorfose do comportamento e dos paradigmas que imperavam na vontade dos povos. O que Jesus fez foi simplesmente mostrar uma nova era, uma nova disposição para aplicar a nós e principalmente aos nossos semelhantes. Ele nos mostrou que nossas ações para com o próximo, nossas ações diárias são determinantes a salvação e que as condutas vão muito além dos comportamentos e costumes sociais.

            É compreendido que Jesus desde a vontade de nosso Pai já era o escolhido para colocar na vida de todos nós um novo tempo e uma nova consciência diante da vontade do Senhor. E mesmo assim, ele veio nos parâmetros comportamentais da época, passou por todo processo social que imperava naquele povo e naquela época, seguia os rituais judeus conforme eram de costume, pregava e ensinava nas sinagogas, enfim, era um homem comum como todos nós. Ao longo da sua evolução entre nós Ele começava a mostrar um novo evangelho e uma nova forma de explorar o que de melhor há em cada um tem de explorar a favor de seu semelhante e principalmente uma nova visão sobre o verdadeiro Deus amor e misericordioso.  Diante desta boa nova, Jesus conquistou diversos adversários e perseguidores, principalmente os ditos doutores da lei e o sacerdócio dos templos, ao qual buscava de todas as formas induzirem o Mestre ao desvio da época a fim de encarcera-lo e mata-lo, mas o Nazareno mesmo tendo consigo a responsabilidade de proclamar o novo evangelho segundo Deus, respeitava aqueles ignorantes da salvação e diante das provocações, faziam refletir quanto aos exageros e costumes que os Saduceus e Fariseus impunham a sociedade da época, em vez de condena-los, os ensinavam de forma que obrigava a todos a repensar no que arguiam o Mestre.

            Por isto irmãos eis entre nós a palavras de Deus, a única forma da salvação, nela há interpretada a boa nova do verdadeiro comportamento, quando na passagem se proclama que o reino dos céus esta diante de nós, é porque tão próxima esta nossa razão e sentimento, fruto único da vontade própria, pois a palavra esta diante de todos, assim como o discernimento do certo e do errado, nada mais é que o caminho da salvação que pela própria vontade, busque extirpar do seu sentimento todas as formas de magoas, ódios, rancor, intolerância, raiva, inveja, egoísmo, orgulho, vaidade, zombarias principalmente contra os designos divino e aqueles que de alguma vontade, independente da sua doutrina, busca entender a palavra do Senhor, pois cada irmão tem o direito à interpretação que melhor lhe convenie, evidente que dentro do proposito trago por Jesus de proclamar a boa nova e os novos comportamentos para com a sociedade, o que se pregava nos códigos do antigo testamento, ao qual devemos trabalhar sua interpretação quando na verdade são paradigmas que devemos compreender a que se propôs Jesus diante de cada um de nós no novo tempo. São códigos que devemos interpretar se quisermos de verdade a salvação. Entenda que, ao querer desvendar a palavra, não é simplesmente se acomodar somente nas leituras eternas, é fundamentalmente compreender que o caminho começa agora, na mudança do comportamento que havemos de praticar a todo o momento.



Dr. Bezerra de Menezes.

sexta-feira, 14 de junho de 2013

O Casamento divino.



Porque na ressurreição dos mortos as pessoas não se casam, nem se dão em casamento, mas são como os anjos do céu. Marcos 12,25

           
A instituição da união entre os seres distintos no caminho da evolução pessoal passa por diversas etapas do crescimento evolutivo, não apenas para as particularidades e sim para com a união dos povos em nome da vontade divina. O casamento não se limita apenas na união afetiva dos enlaces matrimoniais, é sem duvidas a comunhão de todos os seres em prol do amor de Deus.

            Muitos acreditam que a união matrimonial das bodas é o ápice das cerimonias do dever a se cumprir, em verdade é uma das manifestações de amor mais pura entre diferentes gêneros. Há quem passa pela vida sem contrair estes paradigmas humanos, compreendemos que as bênçãos equivalem a todos, sem a exigência destas situações, o casamento entre Deus e o homem passa por diversas fontes de sabedoria e tarefas para com o próximo, assim com a proliferação da vida neste grande ciclo que jamais se finda. O casamento cerimonioso nada mais é que uma manifestação social entre povos unem-se em vida material, mas por afinidade que transpõe as barreiras do tempo.

            Meu cônjuge se foi para a morada eterna do pai e agora? O novo ciclo se inicia, o que ficou de aprendizado e vivencia, perpetua na memoria e as praticas devem se somar as suas qualidades e se fazer ainda melhor na vida que continua no planeta. Ao que volta para a casa de nosso Pai, leva consigo a bagagem de acúmulos da vida, caminhará como os anjos agora, na atenção diária para com o próximo na misericórdia e na compaixão do amor divino. Quer dizer então que assim que voltam para a vida eterna, não haverá mais a união do casamento? Da forma social da matéria de certo não. Mas os laços de amor constituindo a família, este jamais se rompem, se modifica, e a união trabalhará em prol incondicionalmente do próximo. Na ressurreição serão todos chamados à renovação da vida e das experiências, levando sempre consigo a essência de amor e transformação do amor de Deus.

            A cada etapa da vida terrena vamos nos deparar e comungar as experiências com diversos irmãos e das mais variadas formas de evolução, umas com maior conhecimento outros iniciando sua caminhada evolutiva, e nossa função? Acompanhar a evolução, somando para si todas as formas de aprendizado, pois não há na vida dos mundos o que detém todos os conhecimentos, é necessário aprender no infinito com todos, bem como ensinar a todos, seja no dialogo das palavras, seja no dialogo simplesmente das ações a espelhar o próximo.

            Sempre aos olhos do Senhor todo casamento das mais variadas formas é abençoado, ou seja, a união de todos os seres. Mas engana-se que a perpetuidade acompanhará pela evolução, haverá a metamorfose das experiências de cada ser, o que será fundamental para a renovação da vida, mas todos somos anjos designados a transformar a vida e esta aonde é determinado pela vontade divina. Aproveite sempre a cada momento todas as formas de amor e união.

            Dr. Bezerra de Menezes.
           



quinta-feira, 13 de junho de 2013

Com fé na estrada de Deus




Pois eu vos digo: se a vossa justiça não for maior do que a dos escribas e fariseus, não entrareis no Reino dos Céus.  Mateus 5,20

           
                Quando caminhamos na vida terrena buscamos incessantemente as qualidades necessárias para poder entrar no Reino de Deus na eternidade apresentada pelo Cristo, em todas as suas lições. Não há quem não conheça toda sua obra tão presente como naquele tempo.

            Na vida terrena vamos nos deparar com muitos justos, mas em sua magnitude sua justiça anda em contrario ao proposito da verdade do caminho divino. Ao longo da humanidade nos fora testemunhados diversos abusos em nome de uma suposta justiça, os injustos da lei dos homens que se diz atuar em nome das leis de Deus. A lei de Deus é imutável diferente das leis do comportamento humano, as leis do homem sempre serão compostas de muitos exageros e mesmo contrario a justiça divina.

            Na lei de Deus é compreendido a necessidade e comportamento impar de cada ser na evolução do seu tempo. A lei do livre arbítrio permite a liberdade de cada um atuar e seguir o caminho que melhor lhe é peculiar, não há retrocesso na evolução, mas sim o retrocesso dos comportamentos, constantemente verá irmãos dotados de ricas atribuições e habilidades relevantes ao bem na humanidade e tendo comportamento aquém dos praticamos dos tempos primários da evolução. Somos testemunhas o quanto é comum vermos estas praticas e muitos destes ocupam searas de liderança e impondo leis e justiças perversas contra outros ditos hierarquicamente inferiores aos seus desmandos. Estes se enchem de vaidades e orgulhos, tenho em seu ego a necessidade de serem reverenciados pelos subalternos dos poderes terrenos, mas miseráveis da espiritualidade no sentido único da misericórdia e do bem estar.

            A quem é confiado a dadiva do conhecimento e das riquezas intelectuais lhe é por dever ensinar e fazer a evolução do seu próximo como fora proporcionado a sua sorte de forma amena e paciente a cada ensinamento, pobre daquele que usa do seu conhecimento a menosprezar o menos evoluído, este ainda lhe falta à graça do amor e deverá sentir o peso do mal praticado. Então Deus é punitivo e injusto? Não. Sua justiça será para aquele que na mesma pratica injustamente fora aplicada, mas de forma única e justa a quem precisa aprender a evoluir com os próprios erros. Não será como as leis dos homens que punem inocentes pelo simples sentido do poder e do ego em face do orgulho e da vaidade, que representam nada mais que a chaga da vida evolutiva. Ao invés do irmão continuar seu crescimento espiritual existencial aos passos prósperos do reino, as injustiças atrasará este único caminho.

            Por isto seja justo de verdade, compreenda as necessidades de auxilio ao seu próximo e compreenda a distinção do saber intelectual do verdadeiro comportamento a se aplicar ao seu próximo, seja responsável por evoluir o seu próximo, em especial aqueles que por alguma inferioridade evolutiva lhe é presente na pagina de sua vida, esta é sua obrigação, auxilia-lo, da mesma sorte que periodicamente clama aos céus. Encha sua existência de paciência, amor, compreensão, tolerância e justiça, pois é a mesma essência que tiveram e ainda tem para que você continue a evoluir. Está é a verdadeira justiça divina e é nela que tens de praticar de verdade e não aquela imposta pelo orgulho e pela vaidade de falsos ditadores da verdade. Não tenha a mesma justiça que condenou Cristo à crucificação injusta, a injustiça da traição, da inveja e principalmente do egoísmo, pois estas não são o verdadeiro caminho da verdade e da vida.

            Clame pela justiça divina em seus atos para com o próximo nas ações e no sentido da consciência pura e justiça verdadeira da salvação e a que nosso Senhor deseja de cada um de nós.


Dr. Bezerra de Menezes.

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Ser Justo



Então Jesus lhes disse: dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus. Marcos 12,17


            Atribuímos muitas situações em nossas vidas a outras pessoas e quase sempre não reconhecemos nossas responsabilidades. O culpar o próximo as nossas frustrações é bastante cômodo no sentido de justificar muitas vezes a impotência e a incompetência. Fácil mesmo é festejar as glorias e os feitos prósperos, pois assim se enche de orgulho de fazer a coisa certa.

            Diante de muitos estudos e entendimento compreendemos que as consequências das nossas situações é fruto da lei de ação e reação, ou seja, o que plantamos, colhemos. Nosso Senhor em sua infinita misericórdia permite a cada um de nós a oportunidade da regeneração e conserto das nossas ações, principalmente se causar certo transtorno para si e seu semelhante. As encarnações trazem consigo as experiências da alma embutido em uma veste de carne ao qual permite sentir com justiça o proposito da evolução e com ele o sentido da resistência entre o bem e o mal.

            Nenhuma ação do homem é esquecida ou abandonada, tudo é devidamente credenciado a nos representar diante do senhor no sentido de prestar nosso esclarecimento das nossas ações. Entendendo sempre na misericórdia do senhor, mas responsáveis por tudo que pensamos e agimos, em especial com nosso semelhante. Ele nos dará toda a oportunidade de corrigir nossas falhas, evidentemente que seremos levados a situações que nos faça refletir e sentir tudo que fizemos. Castigo? Não. Justiça. A sociedade desde os primórdios tem a visão de um Deus autoritário e vingativo. Irmãos, nosso Senhor não se prende aos insignificantes sentidos do homem, essas atitudes se reflete as fraquezas espirituais e evolutivas de cada ser, cada um caminha para a evolução e o encalço do anjo, assim como os animais caminham para a condição do homem. Para isto diversas experiências serão dotadas o ser, mas comungada com as astucias do mal que existe justamente ao proposito do maligno que se revoltou com a criação de Deus de perder toda sua criação.

            Sim irmãos, o maligno se revoltou com criação de Deus que nos fez realidade da sua vontade e respeitado pelo criador na sua atitude, o Criador seguiu a mesma filosofia, sem alterar a verdadeira essência do bem e da evolução, assim como fez com o perverso, nos ofertando o livre arbítrio, para escolher o melhor dos caminhos e claro, responder pelas escolhas, será castigo ou justiça? Causar o mal, arrepender e ser perdoado são privilégios de cada um de nós. Perante os erros responderemos, assim como o arrependimento que nos dará a resignação e o caminho da salvação. Esqueça-se do aprendizado do Deus vingativo, se assim fosse não daria a oportunidade da vida para corrigirmos todos os nossos erros e aumentar ainda mais nosso dever de satisfação da confiança depositada e correspondida. Ele é justo e misericordioso e nos dará tudo àquilo que buscamos. Inclusive anjos para sempre nos salvar.


Dr. Bezerra de Menezes.

terça-feira, 11 de junho de 2013

Salvando para salvar



Felizes os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia. Mateus 5,7


           
            O carrossel da vida e da evolução de cada um traz novas experiências, nenhum espirito retrocede na evolução, simplesmente trabalham e escolhem os caminhos que melhor se identifica. O livre arbítrio a lei da vida é a responsável pelas nossas escolhas bem como onde estaremos.

            No planeta, assim como nas colônias espirituais comungaremos com irmãos com variados sentimentos e evolução, todos caminhando para a condição do anjo. Cada um de nós caminha para esta situação no reino de nosso pai e para isto devemos acima de qualquer sentimento peculiar entender o próximo como sempre deseja que lhe entendam nas suas escolhas e ensinamentos da vida.

            Somos como o recém-nascido no mundo, sem defesa e necessitando sempre do próximo, do mais evoluído e do mais forte para poder nos amparar na firmeza de cada passo e alimentar nossas necessidades. Quedar fará parte dos nossos primeiros passos e inclusive da vida evolutiva, onde sempre contaremos com apoio de todos para reerguer e continuar a caminhar. Um tombo pode trazer serias consequências, assim como nossas praticas e ações diárias, o voluntariado das nossas ações para qual escolha caminhemos será determinante para a própria sorte no reino de nosso pai.

            A tolerância para ensinar o ser em evolução é a combustão para o funcionamento da vida, compreendam que a cada ensinamento é a oportunidade que se oferta a evoluir cada ser. Seguindo os passos do Mestre Jesus onde ensinava, curava e perdoava os nossos pecados e como no presente continua a fazer e ensinou que a imensidade de ser humilde e caridoso é o principal caminho da salvação.

            Quantos irmãos errarão conosco e erraremos também, este é o fundamental ciclo das nossas vidas, é preciso entender e não errar na mesma proporção ou exagerar nas ações erradas que nos é afrontada, compreender a evolução e a instabilidade do ser e buscar sempre concretar seus passos na misericórdia divina, onde cada erro proporcionado no caminho do acerto é determinante para o entendimento da vida e do caminhar divino.

            A misericórdia nada mais é que a extensão do amor ao próximo como a si mesmo, é buscar de todas as formas visualizarem as obras de Deus mesmo nos erros e inclusive nos mais perversos irmãos que devem ser dignos da mesma misericórdia.

A cada irmão errante será dado à oportunidade do acerto, ao malfeitor a oportunidade da resignação e da dignidade, ao triste a oportunidade da felicidade, ao aleijado a oportunidade da cura, aos cegos a oportunidade da visão, ao mudo a oportunidade da fala, ao surdo a oportunidade da audição, ao assassino a oportunidade da vida, ao suicida a oportunidade da reflexão, ao faminto a oportunidade do alimento, todas estas situações serão ofertada ao seu agente de se regenerar com a oportunidade de sentir e evoluir no próprio ser, eis a misericórdia divina.

Quem errar contra si, oferte a oportunidade do acerto; como? Dando a oportunidade de expor o Cristo que há em seu coração e em sua vida, compreendendo sempre ser ele o único e verdadeiro caminho, a verdadeira verdade e a verdadeira vida. Ele é o caminho único da misericórdia. Aos que sentarão a sua esquerda e a sua direita a mesma oportunidade de salvação. E então aonde você se sentará?


Dr. Bezerra de Menezes.

segunda-feira, 10 de junho de 2013

O Senhor está em mim



E a esperança não engana, pois o amor de Deus se
derramou em nossos corações pelo Espirito Santo, que nos foi dado. Romanos 5,5.

           
            Não estamos mais perdidos, o Espirito Santo esta em nós. Quando o ser encontra-se na perdição da vida movidos pela vontade do livre arbítrio, bem como as ciladas dos inimigos que estão à espreita a nos consumir na perdição do abismo é dever orar e vigiar.

            São-nos oferecidos os atalhos da vida que nos desvia da verdadeira salvação da verdade, é a maquiagem do mal que nos apresenta como o melhor e o mais fácil, o encurtar o caminho para uma falsa salvação. São estas armadilhas que perdem as ovelhas do Senhor. Os atalhos aparentemente mais fáceis que aniquilam e atrasam a evolução do homem na confiança da nova vida, compreende-se que a inteligência não é motivo de barganhar o melhor, pode-se o ser possuir grande conhecimento e uma inteligência impar, assim como faraônicas fortunas, mas ser tão miserável quando os desafortunados na matéria, que podem sem duvidas ser mais ricos não tendo nada material, mas evoluídos da alma e do sentimento.

            A experiência da matéria seja em qual circunstancia for, faz parte de uma evolução, não podemos apontar ao próximo sem sentir verdadeiramente as experiências no sentido, para sim poder avaliar o que cada irmão colhe no seu crescimento para a salvação. É-nos dado o dever de orientar a cada irmão no sentido da verdade, mas que verdade? A que nos foi dado pelo Cristo, amai uns aos outros.

            O senhor em sua infinita bondade sempre nos enviou profetas a desvendar o verdadeiro sentido da vida e da existência, muitos foram incompreendidos pela grossa camada de preconceitos que acompanham o intimo de cada ser, emanado da astucia maligna. Para saber o sentido da vida é preciso acreditar na própria existência, de onde venho e como existo (...) ao ler esta saberá com certeza que não é fruto do imaginário, é o real como o amor divino.

            Mesmo errantes no planeta, o Senhor acredita com sua infinita misericórdia na nossa salvação, o bem e o mal existe para poder resistir às explorações do mal que nos apresenta nas mais variadas formas de gozo da matéria e a escassez divina da pura e verdadeira existência. Seu amor é tão genuíno que nos enviou seu unigênito a nos salvar, mesmo no auge da hipocrisia dos homens, enviou o puro e santo espirito em forma semelhante aos homens, que nos mostrou através das ações e da fé que podemos fazer o milagre em nossa vida e salvar das tentações, mostrou que podemos curar o próximo em seu nome, com a simples pureza da verdade e confiança na fé. Eis que envio o cordeiro entre os lobos o meu filho amado, representado no Cristo cada um de nós no sentido que tudo pode na vontade e preservada fé.

            O que nos fora ensinado pelo Mestre é nossa única estrada e caminho para salvação, os percalços existem para receber do Senhor a confiança e a certeza de lutar dia a dia com cada dragão criado muitas vezes pela própria vontade, como também que nos afronta contra a certeza da fé na duvida da certeza.

            O que há ainda o que duvidar? Você existe, então. Você errou? E este dia agora que lhe foi confiado? Não é a oportunidade de corrigir os erros? Então que duvida ainda persiste em seu coração? Já provou do erro? Aonde te levou? Riqueza material? Esta riqueza que não poderá levar consigo para a morada eterna? O encantamento pelo seu corpo físico? Também terá que deixa-lo na matéria que se deteriorará em tão pouco tempo. E o que levar na presença do Senhor? O que praticou de relevante a você e principalmente ao seu próximo? É tempo de modicar seus pensamentos e ações, a misericórdia é para todos, mas a vontade é exclusiva de você. Aproveite cada momento que o Senhor lhe oferta na faculdade do saber e das escolhas, o livre arbítrio é lei e onde você estaria se fosse da sua vontade? Crê que merece está onde deseja realmente esta? A reflexão está em você, assim como o Senhor esta em cada um de nós e será realmente que esta aproveitando Ele em você?

Dr. Bezerra de Menezes

             

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Abra-se a janela.



O segundo mandamento é este: Amarás o próximo como a ti mesmo. Marcos 12,31ª

                Nosso mestre veio e esteve ao nosso lado naquele tempo para que fizesse novas todas às coisas, veio como as mesmas necessidades físicas que todos nós, nasceu, cresceu, ajudou seus pais, brincou, trabalhou, mas nele veio uma luz maior, a luz e a orientação do altíssimo como todos nós temos em nossas vidas, mas poucos ainda conseguem identificar este ponto único que carrega do fruto do amor celestial.

                Cristo veio justamente para mostrar a cada um de nós este facho luz que irradia da nossa essência e do existir. Nenhum filho do criador nasce das trevas, mas a vontade e o livre arbítrio através das ações podem escurecer a caminhada. Entre as trevas caminha-se o ódio, o egoísmo, o rancor, a intolerância, o assassínio, as guerras, os duelos, a intolerância, a impaciência, a desonra provocada, as zombarias e o desrespeito a toda lei divina que jamais muda como as leis do homem que sempre se modifica com a evolução da vida material. Cada etapa da vida humana na evolução traz as chagas e as experiências para que se modifique o próprio comportamento e a busca do auxilio, não apenas na própria existência, mas que faça discípulos da boa nova.

                Quando exterioras o sentimento para com o bem e propague o sentimento de felicidade na sociedade a que se faz fruto, é facho de amor a serviço da missão que é de dever a cada um de nós, quando em nosso meio encontramos pessoas com dificuldades de entreter na evolução e intelectualidade dos demais e a que se encontra evoluído, jamais devemos fechar as portas e as janelas como não desejamos para nossa própria evolução, amar não esta apenas em viver o gozo do bem estar e do êxtase da vida feliz e sem quaisquer reveses da tranquilidade, não. Viver o amor, esta na intensidade de se praticar cada ato de crescimento do seu próximo e ser ponte para que se caminha para a salvação do reino. Pobre daquele que fecha as porta e as janelas do amor para seu semelhante, este ainda deve aprender com os humildes de Cristo.

                Engana-se que a evolução esta na riqueza material dos bens terrenos, bem como a fartura intelectual da cultura e das linguagens a frente do demais, evoluírem materialmente não afasta do ser o descompromisso espiritual, ao contrario, quanto maior o conhecimento do ser maior lhe confere as leis divinas, pois este não poderá se furtar aos ensinamentos postos a vontade e a disposição de cada um de nós. Pois quanto maior a confiança depositada das riquezas materiais dadas pelo criador, maior aumenta a responsabilidade de fazer evoluir os irmãos em evolução.

                Quando nosso Senhor chamou aquele nobre para segui-lo, mas com o compromisso de vender todos seus bens e distribui-lo aos pobres, este entristeceu e se acovardou e recusou a salvação eterna, preferindo as prisões da matéria, onde nosso Senhor disse da possibilidade do camelo passar pelo fecho de uma agulha do que um rico entrar no reino. Pois as prisões materiais proporciona o risco de perder a própria missão de fazer novos discípulos como Jesus determinou aos seus apóstolos após sua ressurreição, faz discípulos não esta apenas na propagação das palavras, esta nas ações e na missão confiada da matéria.

                Abra o a janela do coração para que possa entrar a luz divina e permitir o acesso de todos os irmãos à morada da salvação. E enfeite com as flores divinas a sacada e permita que todos visualizem o exemplo de crescimento e evolução das belas formas da criação do Senhor. A oportunidade é para todos, mas quem fecha para si as oportunidades furta-se de desfrutar da entrada de Cristo em sua morada eterna, pois até ele quer entrar no seu lar sagrado, o seu coração.

Médium Marcelo Passos pelo espirito de Dr. Bezerra de Menezes