quinta-feira, 2 de maio de 2013

Não deixe a cruz cair




            A paz no mundo é um objetivo central e almejado por todos os seres vivos, seja orgânico, seja inorgânico buscam a vida como a verdadeira comunhão de Deus na sua busca da sobrevivência e mesmo da elevação das obras frente a todos.

            Nada será mais importante do que praticar e prevalecer o bem em nosso ser e em nossos corações para transpor em nosso Ser como entregar e preencher nossa bagagem para leva-lo quando partimos para a casa eterna do Pai.

            Quem pratica o bem em toda acústica e busca Deus e os ensinamentos do Cristo devem ater e compreender a cruz que sempre acompanhará a da desconfiança, do sacarmos, das zombarias, das difamações, das injustiças, dos atrevimentos alheios, enfim a cruz pesa no momento em que menos desejamos e que coloca nossa caminhada de frente com o pessimismo e o desanimo a seguir em frente na busca da tarefa designada.

            A tentação do maligno frente ao desanimo, a entrega e a acidez da preguiça tenta-nos a desistir de tudo e adormecer na indiferença do proposito divino, são estas tentações dos inimigos ocultos e declarados que tanto desejam a nós. Não seja a voz que clama no deserto, seja a voz que fala para o ser menos perceptível a grande massa, pois pode parecer-se capaz de falar pelo desconhecimento e não aceitar as imposições dos falsos sábios que tanto usurpam o direito do discernimento e da busca da verdadeira verdade, pelas falácias interesseiras.

            Nossa vida traduz o reflexo das nossas ações e aceitação do que nos é oferecido, seja a maçã da serpente a nos perder do paraíso, ou seja, carregar a cruz e salvar-nos no verdadeiro e está no paraíso com o Senhor, desfrutando da sua misericórdia e a certeza do amparo. O Messias sentiu fome e medo, mas sua certeza na imortalidade e na promessa do Pai da vida eterna o encheu de alegria e o encheu do Espirito Santo e nos amou como resistiu à tentação do mal. Pela sua vida material  foi destruída pelo homem, mas intocável na alma, assim como não entregou ao mal. Podemos também resistir, abrandando sempre a nossa ansiedade da injustiça imaginaria e carregando dentro de si a vitória e o exemplo do Mestre em toda sua acústica e sentido.

            Não deixe que o mal possa lhe fazer frente e eternizando--se com ele no vale das sombras do mal, não afronte o Pai com as praticas perversas do mal e muito mesmo aceite o veneno implantado nas mais doces e falsas criaturas e situações, saiba sempre o caminho a seguir, onde os espinhos e as chagas se farão presentes sempre. Perdoe quem não sabe o que diz e diga ao Mestre sempre que quer esta com Ele no paraíso e pois ele virá para nos salvar.

            Dr. Bezerra de Menezes
            

Nenhum comentário:

Postar um comentário