sexta-feira, 19 de abril de 2013

Ele não cobrou e para isto Cristo teve profissão



            Amados irmãos em Cristo,

            Diferentemente do mundo espiritual, no planeta material o subsidio pela sobrevivência física vem através da moeda pecuniária, fruto da criação de povos que por este mundo caminhou, evidente que reconhecemos que todo merecimento se conquista pelo trabalho justo.

            A limitação e a ganancia de muitos irmãos transformam o certo em duvidoso, em especial o ensinamento de Cristo, é notório saber que somos todos frutos divinos, ao qual a cada momento, a cada ciclo da vida há irmãos que vem ao planeta para propagar a boa nova e os ensinamentos a nos levar à salvação e a nossa posição no Reino de Deus.

            Infelizmente há muitos que são enviados a ensinar e fazer o bem, pela palavra e pelos dons gratuitamente em confiança cedidos pelo criador, assim como fez a Cristo seu unigênito, podemos por intermédio da fé fazer mudar para melhor, basta querer. Irmãos, quando Deus nos enviou seu escolhido e o fez em forma humana para comunga e se fazer páreo as necessidades essenciais da sobrevivência evidente que, com a resplandecente luz. Ao colocar seu escolhido entre nós, Deus fez de Jesus um ser humano comum com suas necessidades, entre eles, a sobrevivência pelo trabalho material, onde José o ensinou o oficio de carpinteiro, para quem desconhece, Jesus era um exímio profissional e fazia verdadeiras obras de arte com a madeira, mas voltando, Jesus teve que trabalhar para ajudar a sustentar sua família, bem como atender suas necessidades básicas, não tinha luxos, mas resplandecia felicidade pura.

             E veio em missão confiada diretamente pelo Criador, pregou a boa nova às multidões, bem como curou os enfermos, acalmou com agitados da alma, pregou no templo, multiplicou a vida e o alimento, deu vida as almas moribundas, deu animo aos perdidos da alma, direcionou os perdidos, enfim, dividiu o tempo e nos mostrou que todos podem fazer e ser o milagre em nome do Pai, quando nossa vontade é genuína. O mais importante irmãos, não cobrou nada por isto, nenhum centavo, não fez do seu dom a sua profissão, não usurpou a inocência e da ignorância alheia para se enriquecer e muito menos condicionou sua tarefa, seu proposito do bem e muito menos curou em troca financeira, ao contrario, expulsou os comerciantes do templo, que faziam da igreja uma podridão de interesses sórdidos. E desde aquela época até o presente momento da vida, muitos usam o nome do senhor para obter vantagens econômicas e impedir que irmãos possam obter a graça e conheçam realmente a verdade.

            Compreendemos que no planeta existe a moeda de troca para obter bens materiais, como a realização de diversas atividades, a doação espontânea aos templos para que façam suas atividades é justa, desde que não sejam exigidas e nem oferecida condições para que obtenham graças e acesso a verdade, deve ser voluntária, pois quando o proposito é serio nada há de faltar ao trabalho. Você não troca de forma paga para ter a luz solar, o oxigênio, a agua, a vida, como haveria nosso Senhor de cobrar para o bem, para fazer e ser do bem, isto é acessível a todos. Ele exige que sejamos do bem. Temos totais condições irmãos de buscar o bem, basta seguir o único caminho, Jesus Cristo, e seus ensinamentos e verá como será o melhor caminho, o acesso a ele não é demarcado por ninguém, vão até ele os puros e humildes de coração e todos os pecadores arrependidos.

            Dr. Bezerra de Menezes.

Um comentário: