terça-feira, 30 de abril de 2013

Da guerra ao exemplo



            Celio era um rapaz obediente à família e seguidor dos ensinamentos de Jesus, durante toda sua adolescência despertou o interesse em ingressar as Forças Armadas, mais especificamente no exercito. Desde os 15 anos fora se preparando para quando chegar à maioridade, fisicamente e intelectualmente.

            Na noite anterior ao alistamento militar sua ansiedade era grande, principalmente que sua vaga já era garantida pela influencia de seu avô que fora oficial do exercito. A apresentação era as 08h00min e desde a madrugada já se posicionava na fila para ser o primeiro aos exames admissionais.

            Enfim, consegue fazer todos os exames e ingressar ao exercito do seu país, passa-se o tempo à dedicação e o compromisso de responsabilidade despertou em seus superiores admiração e intensão de tê-lo ao seu lado. Mas como em todos os lugares há quem nos inveja por destacar pela obrigação de todos, desempenhar com seriedade suas obrigações. Na corporação o tenente Ramiro era o comandante de Celio e tinha por ele uma raiva e inveja pelo seu destaque e admiração dos superiores e sempre fazia com que Celio fosse o mais prejudicado, mas não importava obedecia as ordens sem reclamar, até mesmo quando fazia com que ele dobrasse o plantão de vigília.

            Com os problemas políticos sérios de seu país frente a outros países, estoura uma guerra bélica, como era soldado, tenente Ramiro logo o coloca na linha de frente e seria quem abriria os combates e liderasse os soldados. A vontade de Ramiro era que ele fosse eliminado pelas tropas inimigas, mas não foi isto que surtiu, Celio conseguia combater e aniquilar os adversários, cada vez mais conquistava a liderança de seus amigos soldados e o General Souza via com bastante atenção seu desenvolvimento. Tenente Ramiro, a cada dia ficava mais furioso e como líder de Celio, determinava as tarefas mais desafiadoras e perigosas e mandava que ele se infiltrasse nos campos mais perigosos. Batia sempre uma revolta em Celio dos problemas que seu superior determinava e as raivas que impunha, mas tinham que aceitar com obediência, alguns dos soldados pedia para que ele atirasse no tenente como fosse acidental ou tiro de inimigo, mas Celio sempre não dava atenção, dizia que não conseguiria ser desleal, mesmo sabendo que a vontade do tenente era que ele se ferisse ou mesmo fosse morto, mas seu desejo não era revidar e sim obedecer.

            Numa determinada ocasião, o Exercito inimigo avança sobre o comboio e vários soldados são mortos e os inimigos avançam sobre o quartel de comando, alguns soldados conseguem dominar os sentinelas e entram para dentro do escritório, e chegam a frente do tenente Ramiro e na mira dos soldados que querem o levar como prisioneiro, são três soldados que apontam o fuzil para o tenente, Celio ao ver a movimentação, pois se encontrava em outro ambiente, consegue adentrar sem ser percebido e consegue matar dois soldados e o terceiro conseguira esconder e atira no soldado que cai, neste instante o tenente Ramiro consegue acertar o tiro fatal no soldado que queria prende-lo e corre para socorrer Celio, que ainda com vida diz ao tenente: - Morro feliz por saber que pude servir e tentar proteger meu país e por ter salvo o senhor, mesmo sabendo que não gostava de mim, eu tenho a agradecer, se não fosse pelas horas extras, pelo serviços pesado e por ter me dado a liderança da tropa mesmo com risco eminente de morrer, aprendi a ser um soldado e por isto aqui estou morrendo pela pátria, obrigado comandante.

            Em prantos o tenente que tanto perseguira aquele rapaz, providencia um funeral digno de um oficial do exercito, após o termino da guerra, Ramiro é reformado e passa a dedicar sua vida a auxiliar o próximo e funda uma associação com o seguinte nome: Associação do Bravo Soldado Celio, em referencia ao soldado morto na guerra e que salvara sua vida.

            Esta lição meus amigos nos traz a reflexão, que mesmo as pessoas querendo nos atrapalhar de alguma forma, nos invejar, querer nos prejudicar de todas as formas e até mesmo usando sua superioridade hierárquica para querer impor o mal, Cristo nos ensina que não devemos retrucar como a mesma carga nos é postas, com humildade e com coragem devemos enfrentar, pois os desafios são e sempre serão as melhores escolas do espirito, e lembre-se que aquele que tanto despreza, pode ser aquele que poderá te salvar de todas as formas e da forma que menos imagina, mesmo tendo com ele as armas para aniquila-lo e prejudica-lo ou até mesmo mata-lo na vida material e arrasa-lo na vida espiritual. Neste caso quando ver que alguém quer prejudica-lo, lembre do exemplo de Cristo, que aceitou sua condenação e sua sentença, morto e crucificado e mesmo assim, nos amou, nos salvou e nos salva com amor que muitos vezes desprezamos nas nossas ações.

            Dr. Bezerra de Menezes.
  

Nenhum comentário:

Postar um comentário