segunda-feira, 30 de julho de 2012

Renunciar


Cristo ao convidar seus apóstolos para segui-lo, exigia que vendessem tudo e o dinheiro distribuídos aqueles necessitados para suprir suas necessidades. Os doze apóstolos renunciaram suas mordomias, suas riquezas materiais, a família, para junto com Messias formar a santa igreja de Deus.

A santa Igreja de Deus esta ao alcance de todos, não devemos misturar a religião dos homens com a Igreja de Deus, pois a religião do homem é aquela que restringe o ser nas belezas de Deus, seja na vida material como na vida espiritual, é aquela que coloca Deus como o ser da omissão, o Deus da punição, do Deus vingativo, limitador, não quero por minha ignorância criticar doutrinas, pelo contrario, todas que ensinam e aplica a palavra de Deus é digna do mais genuíno respeito.

Ao longo da humanidade vimos que o homem por interesse usa a palavra de Deus em benefícios vantajosos, principalmente materialmente. Não entraremos em detalhes e menos cometer a indelicadeza do pré julgamento, pois não somos juízes e não temos a autoridade para julgar ninguém e suas ações, devemos sim praticar o bem em toda sua instancia.

A Igreja de Deus é a religião do amor, do bem, da liberdade, a igreja do perdão, da misericórdia, da compaixão, aquela que faz de seus praticantes seres de bem, que acolhe seus irmãos menos favorecidos, aquele capaz de renunciar parte de sua atenção para aqueles que amam à amenizar o sofrimento dos desconhecidos, sejam em qual esfera, do profissional à aqueles que dedicam aos cuidados com os miseráveis da matéria e principalmente do espírito.

A renuncia material deve começar dentro de nossos lares, mas não a renuncia física, mas sim a renuncia de não criticar e desdenhar quem nos ama, pois é comum no ciclo familiar haver pessoas que não comungam e não se respeitam, pois a convivência existe necessariamente para harmonizar e elevar o espírito, levando a aprender o respeito. Agradecendo sempre ao criador, à família que nos acolheu, apesar dos pormenores capazes de desafiar a tolerância, temos a obrigação de renunciar o orgulho, a ira e a soberba, para vencer os obstáculos da vida em comum.

São tantas renuncias que devemos fazer a fim de alcançar a eterna felicidade que não sabemos por onde começar, a vida no planeta amedronta no sentido de não conseguirmos esse feito, o medo de perder status, posições sociais, bens materiais, afetam grande parte do ser, trazendo para a crosta da Terra esse enorme vazio espiritual que assola o mundo, renunciar esta muito aquém de abdicar de bens materiais, pois no planeta não sobrevivemos minimamente sem eles. Como também não é pecado, nem condenável acumular riquezas materiais, desde que o espírito esteja preparado a viver na Igreja de Deus.  

Pode o ser doar todos seus bens e mesmo assim afundar no abismo do vazio espiritual, querer praticar o bem, a caridade é dever de todos, estamos no planeta para aprender a comungar e distribuir o que possuímos, mas quem faz deste ato, a bandeira de destaque da barganha, entrega-se ao abismo deste negro vale espiritual, ficando somente o bem material. A renuncia em nosso planeta é difícil pelo materialismo que não consegue preencher as instancias fundamentais para
evolução.

Renunciar o mal em nossas vidas é uma tarefa difícil, renunciar o egoísmo, a ira, a soberba, a intolerância, a traição, o desrespeito, a maledicência, a inveja, o crime, a tentação do mal em todos os aspectos são os desafio do mundo material, sua negação em nossas vidas são desafios diários do ser, capaz de ser vencidos, basta ter a fé na Igreja de Deus em busca da salvação eterna.

Nenhum comentário:

Postar um comentário