terça-feira, 31 de julho de 2012

Família, o exercício diário


Maria, mãe de nosso senhor foi uma pessoa simples de hábitos modestos, não ostentava luxo. Jose o trabalhador assíduo, responsável, excelente marido, ambos tiveram o compromisso de acolher na Terra aquele que mudaria nossos rumos para sempre. Ambos viviam com bastante simplicidade, tendo em todos cantos de sua casa a mais valiosa fortuna, o amor, não somente o amor de ter o filho de Deus sob sua guarda, mas o casal dedicado, respeitoso, Maria conseguia transformar o simples em amor e Jose a proteção ao lar. Como toda família, havia o desafio estrutural e da formação de caráter e moral, juntos ajudaram a conduzir Jesus a responsabilidade a vida.

Jose ensinou ao Nazareno o oficio da profissão, da marcenaria, juntos eram responsáveis pelas obras materiais.

Assim como Deus escolheu Maria e José para receber seu filho, deu-nos uma família, a qual nos aconchegamos pós vida social, que sempre nos recebe a fim de confortar nosso cansaço físico. Não escolhemos em qual ambiente, qual casa, qual família estaremos, podemos programar nossa escala, sob a ótica de um mundo espiritual que nos acompanha a todo instante.

O desafio diário na vida familiar esta em praticar o exercício da tolerância, somos todos independentes em nossos atos, somos solitários dentro de um lar, de um contexto. Sabe porque? Cada um tem seu livre arbítrio, tem sua natureza e folclore, mesmo dentro de um lar, de uma família que acompanha a todo instante, estamos no planeta para aprender e ensinar, seja em casa, como no cotidiano com nossos irmãos anônimos.

Temos dentro do nosso santuário da alma a missão de somar e multiplicar no mundo, através da experiência que adquirimos de vidas passadas. Não faz mais parte desta vida saber que fomos e fizemos no passado, a não ser o resgate do erro e a oportunidade de reparar os defeitos em busca da evolução. Se a espiritualidade quisesse, abriria em nossa visão do que passamos em outras vidas, mas não o faz por entender que devemos recomeçar do zero e crescer a cada dia.

O papel da família em nossa evolução é importante, quem divide nosso espaço, nossa encarnação tem papel fundamental como nossa pratica espiritual, a família é responsável pela formação do ser desde a concepção ao desenvolvimento, mas será de responsabilidade de cada um traçar o perfil para o mundo, nesse aspecto ninguém poderá fazer por nós, apenas o bom senso e a estrutura que adquirimos e nossa liberdade de escolha, formará nosso ser.

Agradecer a cada momento o lar que nos acolhe, nossos pais emprestados responsáveis pela nossa formação, aquele que recebeu de nosso Criador a missão de nos conduzir à evolução no planeta, para que possamos retornar ao mundo espiritual melhores, para sermos guias responsáveis daqueles irmãos em desenvolvimento.

Sempre haverá irmãos mais evoluídos que tem a missão de nos ensinar, sem ignorar que também suas falhas, são pessoas dignas da nossa mais rica e respeitosa atenção e benção. Agradecer também a extensão familiar que comungamos, nossos irmãos, tios, filhos, avós, todos que faz da nossa vida esse eterno ciclo do espírito rumo a felicidade. Sem ignorar os demais semelhantes responsáveis pelo equilíbrio e coadjuvantes em nosso crescimento. 

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Renunciar


Cristo ao convidar seus apóstolos para segui-lo, exigia que vendessem tudo e o dinheiro distribuídos aqueles necessitados para suprir suas necessidades. Os doze apóstolos renunciaram suas mordomias, suas riquezas materiais, a família, para junto com Messias formar a santa igreja de Deus.

A santa Igreja de Deus esta ao alcance de todos, não devemos misturar a religião dos homens com a Igreja de Deus, pois a religião do homem é aquela que restringe o ser nas belezas de Deus, seja na vida material como na vida espiritual, é aquela que coloca Deus como o ser da omissão, o Deus da punição, do Deus vingativo, limitador, não quero por minha ignorância criticar doutrinas, pelo contrario, todas que ensinam e aplica a palavra de Deus é digna do mais genuíno respeito.

Ao longo da humanidade vimos que o homem por interesse usa a palavra de Deus em benefícios vantajosos, principalmente materialmente. Não entraremos em detalhes e menos cometer a indelicadeza do pré julgamento, pois não somos juízes e não temos a autoridade para julgar ninguém e suas ações, devemos sim praticar o bem em toda sua instancia.

A Igreja de Deus é a religião do amor, do bem, da liberdade, a igreja do perdão, da misericórdia, da compaixão, aquela que faz de seus praticantes seres de bem, que acolhe seus irmãos menos favorecidos, aquele capaz de renunciar parte de sua atenção para aqueles que amam à amenizar o sofrimento dos desconhecidos, sejam em qual esfera, do profissional à aqueles que dedicam aos cuidados com os miseráveis da matéria e principalmente do espírito.

A renuncia material deve começar dentro de nossos lares, mas não a renuncia física, mas sim a renuncia de não criticar e desdenhar quem nos ama, pois é comum no ciclo familiar haver pessoas que não comungam e não se respeitam, pois a convivência existe necessariamente para harmonizar e elevar o espírito, levando a aprender o respeito. Agradecendo sempre ao criador, à família que nos acolheu, apesar dos pormenores capazes de desafiar a tolerância, temos a obrigação de renunciar o orgulho, a ira e a soberba, para vencer os obstáculos da vida em comum.

São tantas renuncias que devemos fazer a fim de alcançar a eterna felicidade que não sabemos por onde começar, a vida no planeta amedronta no sentido de não conseguirmos esse feito, o medo de perder status, posições sociais, bens materiais, afetam grande parte do ser, trazendo para a crosta da Terra esse enorme vazio espiritual que assola o mundo, renunciar esta muito aquém de abdicar de bens materiais, pois no planeta não sobrevivemos minimamente sem eles. Como também não é pecado, nem condenável acumular riquezas materiais, desde que o espírito esteja preparado a viver na Igreja de Deus.  

Pode o ser doar todos seus bens e mesmo assim afundar no abismo do vazio espiritual, querer praticar o bem, a caridade é dever de todos, estamos no planeta para aprender a comungar e distribuir o que possuímos, mas quem faz deste ato, a bandeira de destaque da barganha, entrega-se ao abismo deste negro vale espiritual, ficando somente o bem material. A renuncia em nosso planeta é difícil pelo materialismo que não consegue preencher as instancias fundamentais para
evolução.

Renunciar o mal em nossas vidas é uma tarefa difícil, renunciar o egoísmo, a ira, a soberba, a intolerância, a traição, o desrespeito, a maledicência, a inveja, o crime, a tentação do mal em todos os aspectos são os desafio do mundo material, sua negação em nossas vidas são desafios diários do ser, capaz de ser vencidos, basta ter a fé na Igreja de Deus em busca da salvação eterna.

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Deus, amar e respeitá-lo, sem temer


Ao longo de toda humanidade ouvimos dizer temos que ter temor a Deus, no significado sugere-se, medo, susto, sentimento de reverência e respeito, tudo dentro de um único contexto.

Enfim, como podemos ter medo de alguém que nos presenteia todos os dias com as belezas do universo, da vida, do amor, um pai que entende cada um sem julgar, condenar ou usurpar qualquer condição de vida, que nos ensina o caminho da salvação através do código divino, expressando como devemos conduzir-la, de uma forma simples e fácil, como devemos nos amedrontar diante de tão magnânimo ser?

Tudo que somos e vivemos é fruto de sua obra, o que nos é destinado faz parte da evolução como criaturas, do mineral ao angelical. No mesmo instante que temos nossa programação espiritual, temos o livre arbítrio, direito esse que temos para conduzir nossas ações conforme desejamos e claro, colhendo o que plantamos e cultivamos, Deus não castiga, não pune, mostra e nos corrige a fim de não voltarmos a pecar e amargar o espírito no castigo da vergonha das más ações praticadas.

Somos criaturas em evolução, todos temos erros, até o mais evoluído ser tem suas fraquezas, nem por isso somos punidos e restringidos das nossas possibilidades de corrigir, o Criador nos oferece sempre a chance de arrepender de nossos pecados, sem que sejamos execrado da sua companhia, pelo contrario, mantém-se viva a chama do amor, do arrependimento. Com nossa saúde que nos oferece a força, os olhos para enxergar os erros e corrigi-los, os lábios para pedir perdão e ofertar amor, a respiração à encontrar o fôlego para continuar nossa caminhada à salvação, o olfato para sentir o cheiro do perfume do bem, a audição para aprendermos lições de amor e a consciência para ter a certeza que podemos galgar nossa felicidade sem temor ao Pai.

Por tudo isso meus irmão, jamais tenhamos medo de nosso Deus, nosso pai e amigo, devemos trocar a palavra temor por amor e respeito e acreditar que possamos vencer tudo com amor, auxilio, amizade e respeito. Devemos reverenciar sempre por sermos frutos da sua vontade. Não sejamos criaturas medíocres, nem insignificantes diante do pai, sejamos sempre importantes, principalmente aos nossos semelhantes, respeitando principalmente os pequenos fachos de luzes em nossas vidas, pois sem eles jamais seremos capazes de atingir a grandeza do espírito e da felicidade.

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Santa Ana -Feliz Dia da Vovó


Dia 26 de Julho, dia de Santa Ana hoje comemoramos juntamente com ela o dia de todas as vovós, a figura amorosa, amada,  quem não se sente em paz com o mundo quando estamos protegidos por essa benção tão importante, principalmente na proteção e no desenvolvimento à vida. Quando a visitamos em suas casas, sempre um agrado, uma guloseima da qual adoramos, uma história, um caso sempre a nos perder pelo mundo magico do mundo perfeito, um cafuné a nos afagar. Por isso a nossa querida e mais doce homenagem a todas as vovós do mundo inteiro.







História de Santa Ana

Os dados biográficos que sabemos sobre os pais de Maria foram legados pelo Proto-Evangelho de Tiago, obra citada em diversos estudos dos padres da Igreja Oriental, como Epifânio e Gregório de Nissa.
Sant'Ana, cujo nome em hebraico significa graça, pertencia à família do sacerdote Aarão e seu marido, São Joaquim, pertencia à família real deDavi.
Seu marido, São Joaquim, homem pio fora censurado pelo sacerdote Rúben por não ter filhos. Mas Sant’Ana já era idosa e estéril. Confiando no poder divino, São Joaquim retirou-se ao deserto para rezar e fazer penitência. Ali um anjo do Senhor lhe apareceu, dizendo que Deus havia ouvido suas preces. Tendo voltado ao lar, algum tempo depois Sant’Ana ficou grávida. A paciência e a resignação com que sofriam a esterilidade levaram-lhes ao prêmio de ter por filha aquela que havia de ser a Mãe de Jesus.
Eram residentes em Jerusalém, ao lado da piscina de Betesda, onde hoje se ergue a Basílica de Santana; e aí, num sábado8 de setembro do ano 20 a.C., nasceu-lhes uma filha que recebeu o nome de Miriam, que em hebraico significa "Senhora da Luz", passado para o latim comoMaria. Maria foi oferecida ao Templo de Jerusalém aos três anos, tendo lá permanecido até os doze anos.
Pelo texto Caverna dos Tesouros, atribuído a Efrém da Síria, Ana (Hannâ) era filha de Pâkôdh e seu marido se chamava Yônâkhîr.[1]. Yônâkhîr eJacó eram filhos de Matã e Sabhrath.[1] Jacó foi o pai de José, desta forma, José e Maria eram primos.[1]
São João Damasceno, ao escrever sobre o Natal, deixa claro que São Joaquim e Santa Ana são os pais de Maria

Vingança, o açoite do espírito


O mundo é divido entre o bem o mal, sentimentos opostos que faz parte da vida de praticamente todo ser, nos pensamentos, nas ações, sempre alguma delas é mais pesada na balança do caráter e da moral do ser.

Quem nunca viveu uma situação de conflito ou até mesmo presenciou e assistiu aos noticiários, situações delicadas que desejou e teve o sentimento da vingança, onde quis que seu semelhante sofresse algo de ruim fruto de sua má conduta diante a sociedade. Não há como querer ser totalmente puritanos e até mesmo negar que esse sentimento nunca rondou ou até mesmo praticado e saboreado com o desacerto daquele que tanto desejou o mal.

Jesus Cristo, o espírito iluminado, filho de Deus, desde as blasfêmias até em sua ultima palavra,“ em tuas mãos entrego meu espírito”, jamais desejou que houvesse vingança diante daqueles algozes, pelo contrario, perdoou. Lamentavelmente não conseguimos atingir a superioridade de Cristo em sua plenitude de nossas ações, mas podemos espelhar nosso cotidiano, na pratica da tolerância, do amor, da compaixão, das boas ações, quando houver momentos de destempero, desequilíbrio diante da situação que for, nos momentos onde nossa capacidade de equilíbrio seja desafiada e cometermos algum ato que possa ofender nosso pai, e destruir nossa existência, procuramos ser superiores e peçamos sempre perdão.

Quando alguém comete algum deslize, algum mal, logo aparece o demônio da vingança em nossa consciência, sentimento capaz de destruir felicidade e a existência do ser na sua evolução; meus irmãos, demônio não é somente aquela figura imaginaria, são todas nossas ações e pensamentos do mal, não devemos creditar nossos atos tão somente a influencia de seres de um mundo espiritual, todos nós somos criaturas detentoras de livre arbítrio, temos o direito da consciência plena das nossas escolhas, assim como aceitar as conseqüências.

Vamos trabalhar cada esfera de nossa vida, vivendo a pratica do bem, do amor ao próximo sem interesse, buscando arrancar os extintos maléficos da alma, não acoitemos nosso espírito em sentimento autodestrutivo, que acaba mais com quem alimenta, do que propriamente é alvo desses desejos. Não é fácil, nem há uma formula mágica para arrancarmos isso de nós, mas podemos desde já começar.

quarta-feira, 25 de julho de 2012

SÃO CRISTÓVAO




Hoje, 25 de Julho dia em que se comemora o dia de São Cristóvão, patrono dos motoristas e santo condutor de toda direção, homem que pôs em seus ombros e conduziu o Cristo Menino na travessia do grande rio, usou de sua força física à praticar o bem e auxiliar ao próximo, a este grande homem e apostolo de Cristo, nossa justa e merecida homenagem e pedimos que ajude-nos a ter um mundo a conduzir o destino de cada um a seara do bem e da salvação. 

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Agradecer mesmo que tenhamos pouco


Incontroladamente encontramos irmãos que reclamam em demasia das posses que possuem, seja a casa que habita, o trabalho que desenvolve, o companheiro que comunga a convivência, quase nunca satisfeitos com que e desejam sempre mais, não é errado querer adquirir riquezas, bens, pelo contrario, devemos sim adquirir bens frutos do trabalho.

Culturalmente é dito como normal em nossa sociedade, reclamações diárias, quase nunca agradecemos o que temos, somente questionamos nossos semelhantes por possuir mais bens que nós, ora, certamente aquele irmão que detém mais bens, fez por merecer, e todos nós somos suficientemente capazes de conquistar também, pois tudo na vida devemos disciplinar nossas ações, nosso consumo material, nosso ordenado, enfim tudo faz parte de planejamento e de escolhas.

Todo trabalho, por menos qualificado que possa parecer, sendo realizado na seara abençoado do bem, é digno da mais integra e admirável consideração, afinal que seria de nós sem os trabalhadores do nosso dia a dia. O que seria dos nossos detritos se não houvesse os trabalhadores que os recolhem, que seria das nossas casas sem as profissionais da limpeza e consertam as avarias, que seriam de nossos automóveis sem a habilidade do mecânico, que seriam de nós sem os andarilhos que recolhem detritos das grandes metrópoles e encaminham a estabelecimentos de reciclagem, assim também o que seria da sociedade sem a qualificação do medico para nos curar, do advogado para nos defender, do professor para termos tudo que somos e temos. Enfim todos são importantes uns aos outros, mesmo que passamos despercebidos.

O trabalho é uma grande roda, onde através deles faremos o grande fluxo de aquisição de bens, tudo que adquirimos frutos da nossa compensação deve ser abençoado e cultivado com grande atenção e carinho, não quero aqui dizer que devemos fazer tudo pelo material, mas sim querendo expor a importância do que conseguimos conquistar, seja o mínimo, mas é o troféu pelo esforço, por isso devemos sempre agradecer ao nosso criador a oportunidade de ter adquirido o bem, sem a nossa saúde, nossa consciência, nosso esforço, dedicação, jamais atingiríamos o bônus, por isso meus irmãos, agradecem tudo o que tem.  

Adquiram bens, sem jamais esquecer de adquirir a mais valiosa fortuna, o bem do espírito, por meio das praticas humanitárias e caritativas.

sexta-feira, 20 de julho de 2012

O Filho prodigo


Jesus em uma da sua vasta sabedoria nos contou a historia do filho prodigo,onde há  dois filhos, o mais novo chega e pede ao pai que lhe dê a sua parte por direito da herança, e pai solicito o entrega, e este por sua vez resolve ganhar o mundo,  durante um bom tempo gasta seu dinheiro nas perdições mundanas da carne e dos prazeres sórdidos, ate que chega um momento perde tudo e começa a viver como um desafortunado e vê a miséria a sua frente e até juntamente com os porcos alimenta-se para sobreviver, ate que se lembra de casa e de seu pai, da fartura que todos, até os empregados desfrutavam e resolve retornar, ao avistar seu filho o pai lhe abraça com todo amor e o acolhe, designando que os empregados que trouxessem roupas, sandálias e matasse um cordeiro para celebrar a volta do filho. O filho mais velho retornando do trabalho vê a movimentação e procura saber o motivo, ao saber, se revolta e argüi seu pai, por oferecer um banquete ao irmão e nunca lhe oferecera um animal para celebrar com os amigos e o pai explica os motivos e diz, que tudo o que tem, lhe pertence e que aquele irmão estava morto e voltou à vida.

Nesta breve passagem na parábola de Cristo, nos move e faz refletir quanto as nossas ações para com nossos pais, quem nunca desejou sair da casa dos pais e desbravar o mundo, muitas vezes viver a vida sem fronteiras e responsabilidade, gastar e aproveitar que a vida material nos oferece. Não é errado e nem pecado querer deleitar de prazeres, claro moderadamente, dentro dos princípios do respeito para com o corpo, quanto para com nossos semelhantes e ao espírito. É certo que dentro dos princípios da natureza, estaremos longe da proteção de nossos progenitores, seja pelas circunstancias da evolução, seja pela separação do desencarne.

O importante é compartilhar e aproveitar tudo que nossos pais tende a nos oferecer, dentro do universo moral e ético da vida, há quem se desenvolve longe dos pais biológicos, mas encontram em suas vidas anjos vestidos de pais de amor e que faz da vida uma centelha do bem e do caráter, esses são tão privilegiados quanto quem nasce numa família biológica, é o amor sem fronteiras.

Esta passagem serve para que sejamos responsáveis sempre e espelhemos nossa vida nos ensinamentos de nossos pais, não apenas desejando o que tem materialmente a nos oferecer. Não somente em casa, na convivência social, podemos ganhar o mundo sem limites, podemos sim, desfrutar de todas as belezas, desde que os princípios da responsabilidade, da espiritualidade estejam também em equilíbrio, pois ao ter algum vazio em nossas vidas, por mais que tenhamos condições de viver a vida, um vazio sempre fará parte da existência, a felicidade parcial poderá ser companheira, deixando a felicidade plena como uma utopia.

Por vezes conduzimos nossas vidas erroneamente, seja na busca do acerto seja por livre escolha, mas sempre poderemos retornar e buscar acertar sempre, assim como o filho prodigo que retornou e encontrou sua casa de portas abertas, assim é nosso Deus, sempre estará de braços abertos a nos receber e acolher dos nossos erros, pecados, omissões, sem questionar e punir por nossas praticas, mas estará sempre dispostos a nos ensinar e nunca desistir de suas ovelhas.

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Oportunidades do ciclo


Praticamente tudo que vivemos há um começo e um final, esse é o grande ciclo da vida, nascemos, evoluímos e desencarnamos.

As experiências na vida devem ser praticadas na sua plenitude, principalmente as boas oportunidades para poder crescer e desenvolver neste grande ciclo.

Cada instante vamos iniciando e fechando ciclos na vida, quando iniciamos a vida exterior, aprendemos o inicio da vida, até prepararmos para prosseguir em busca maior do conhecimento, ao findar cada ciclo deixamos pessoas que aprendemos a gostar, respeitar, ate mesmo encantar como também não gostar de certas pessoas e coisas, mas cada um é importante na nossa evolução, seja na escola, em casa, no trabalho, no clube, em toda vida.

É importante em cada ciclo aprendermos ao Maximo, com todas as experiências, pois quem não aproveita o mínimo, passa a vida sem o sentido mínimo de aprender e ensinar, não há quem detém maior conhecimento que todos e nem melhor que todos, há sim quem aproveita as oportunidades e faz dela o grande instrumento de felicidade e evolução, todos temos esse direito, sendo que cada ser a pratica diferenciadamente dentro das possibilidades que lhe é peculiar.

Disciplinar todas as ações é essencial para uma busca plena, com colheitas fartas e evitando seguir os instintos destrutivos à vida, quem direciona as escolhas por esses caminhos colherá os frutos. Assim como entram, podem muito bem voltar atrás e recomeçar no caminho do bem, pois todos nós temos o direito de reparar nossos erros, como a liberdade de consertar, por mais que machuquemos nossos semelhantes por alguma de nossas ações, nosso pai nos oferece um novo dia sem qualquer restrição para que possamos reformar nosso passado.

Por isso aproveitem a oportunidade de cada ciclo e faça cada momento realmente valer à pena.

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Louvor ao semelhante


É louvável e abençoado a todos templos religiosos o louvor que se faz ao pai celestial e suas obras magnânimas, tudo que temos,onde habitamos, respiramos, vivemos, conquistamos, amamos, sorrimos, e também todas as experiências, desde as boas quanto as menos favorecidas, pois nos ajudam a crescer.

Quem nunca teve a sensação de ter vivido uma situação desconfortável e agradecer a experiência e tido a oportunidade de aprender e crescer, se tornar mais resistente. E nos momentos felizes, é tão bom viver o bem, praticar e respirar, onde nos fazem querer ser criaturas melhores para viver melhor.

Tudo isso o nosso pai nos proporciona e nos ensina, desde que tenha o propósito de levar o bem e sem querer desqualificar qualquer natureza humana, religiosa, racial, intelectual, social, política é consagrada e acima de tudo abençoado pelo nosso criador, devemos sempre louvá-lo , pois existimos por ele. Deus não quer ser louvado se não respeitamos nossos semelhantes, amando e aprendemos a perdoar as fraquezas de modo geral, pois quem não sabe respeitar e amar, não há de cumprir as determinações e propósitos de nosso pai, ama-o é fácil, mas a nossa missão é amar e louvar uns aos outros.

A nossa salvação, a nossa redenção quanto às leis divinas e seus propósitos, é o caminho que o Pai nos chama para vivermos na sua gloria. Nenhuma ação da criatura é esquecida ou despreza, pois não há quem não pratique o bem e o mal, podemos sim dedicar nossa existência ao bem, basta deixar o criador agir nos corações e a salvar as ovelhas desgarrada e em apuros, neste vasto campo da vida.

terça-feira, 17 de julho de 2012

Somente amor


O amor é a chispa da luz eterna nela grava o cumulo das coisas imperecíveis, pode o amor não possuir a pessoa amada, mas um sentimento transitório.

Desde a criação da humanidade que vemos a afeição que existe entre os seres, o casal responsável pela manutenção do laço sagrado do amor, desenvolve dentro do lar o mais puro e fascinante sentimento da humanidade, o amor é um bem incapaz de ser tomado, o bem mais durável por todas criaturas.

Muitos se dizem amar seu pretendente e em alguns casos não há a correspondência do mesmo, há quem perde um grande amor por escolhas muitas vezes que andam na contramão e nas conseqüências dos atos baseado no livre arbítrio. Casos que o amor físico passa ao cosmos, com a separação temporária do desencarne, permanecendo vivo entre os seres, esse sentimento invencível pela morte.

O amor é capaz de apagar as imperfeições, superar traumas, mas não devemos somente depositar o amor nas praticas afetivas de um relacionamento, o amor deve esta em tudo e em todos, desde o mais humilde ser a mais afortunada criatura, Jesus em sua passagem ao planeta, deixou o que há de mais perfeito na criatura, o amor resplandecente e acessível. E quis que apenas praticarmos o amor uns aos outros, somente isso. Para muitos amar ao próximo é um desafio grande, em se tratando das imperfeições do mundo moderno, não somos por nossa fraqueza capaz de julgar uns aos outros e nem inquirir o que é certo ou errado. Quando julgamos nossos semelhantes, nos condenamos ao sentimento da imperfeição e praticamos a intolerância ao invés do amor.

Atire a primeira pedra quem nunca cometeu erros e injustiças, foi fraco e omisso, quem não ofendeu seu semelhante pelo mal da impaciência. Reconhecer e reformar nosso interior é pratica de amor conosco e principalmente para com o próximo. Quem procura defeito no próximo já pode se considerar defeituoso.

A pratica do amor não esta em ceder tudo, não esta em renunciar tudo, esta na manutenção do equilíbrio, para não mergulhar no profundo abismo da infelicidade. 

Dr. Bezerra de Menezes

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Mudanças necessárias para nossa evolução


Testemunhamos ao longo da evolução do mundo grandes mudanças nos setores da vida material, não há quem vivenciou alguma mudança no modo de vida, muitas destas mudanças favoráveis a sociedade, de modo geral beneficiou principalmente a comunicação com o universo e adentrar a cultura mundial.

Ate quem se diz parado na evolução acaba influenciado por essas mudanças, vimos na atualidade crianças com desenvolturas intelectuais que muitos que hoje aventura-se no mundo adulto, jamais imaginou desenvolver tamanha pratica na ocasião. Claro que com essas mudanças fomos conhecendo e ensinando quem nos acompanha, vamos ensinando para aprender, pois todos nós aprendemos o tempo todo, seja com seres mais evoluídos, como em evolução, é o grande ciclo da vida.

Em nossas vidas também devemos praticar mudanças, principalmente no que se diz sentido da convivência, todos somos melhores naquilo que praticamos e muitas vezes desanimamos com pessoas que tenham habilidades melhores que as nossas, quantos de nós desejamos que as pessoas comunguem com mesmo senso de consciência que o nosso e quando saem da nossa redoma logo começamos a vê-los de outra forma, em geral como um adversário.

Aprender esta muitas vezes em renunciar, ceder, admitir alguma inferioridade intelectual, para que possamos alcançar a sabedoria, devemos sempre aceitar a ignorância, mas a ignorância de informações, não da maneira pejorativa que muitas vezes essa palavra é suada. Quem admite a ignorância tem maior facilidade de alcançar a sabedoria do que se diz deter o saber em toda sua plenitude, esse estará condenado a maior ignorância de não aproveitar a riqueza que cada um carrega valiosamente dentro de si, desde a mais miserável criatura ao mais afortunado ser.

As mudanças são necessárias para que possamos ter em nossos conhecimentos as paginas mais importantes da evolução. A vida feliz.