terça-feira, 23 de agosto de 2016

Um lugar a mesa




Filhos,

Não incomum na sociedade o convite ao banquete à casa de um amigo, a uma festa, a uma confraternização a alegrar-se momentaneamente por uma data e ou uma conquista. Muito destes convites traz a expectativa daquele anfitrião a também em uma oportunidade ser convidado a demais recepções junto aos seus convidados.

Cristo Jesus ao ser convidado a um jantar na casa de um nobre; pois era ele muito conhecido perante o povo e cream que Ele seria o futuro rei de Israel; pode observar àquelas pessoas e seus hábitos postos a mesa. Então observava o quanto o interesse dos negócios e a reciprocidade da sociedade tinham quanto à troca de amabilidade que dispunham naquele momento. Por isto, o Senhor naquela oportunidade disse aos demais integrantes da festa, “Mas, quando der uma festa, convide os pobres, os coxos, os aleijados e os cegos e você será abençoado”. E ao expressar tamanha verdade todos se calaram sem a oposição.

Esta passagem deve ser interpretada na sua grandeza e nela o Nosso Senhor nos atenta a ofertamos o baquete do coração nas virtudes sagradas com o interesse à prática exclusiva do que melhor possuímos e sem esperar o convite mutuo como são os interesses comerciais e egoísticos de uma sociedade. Ele nos ensina que neste convite é preciso ofertar os dons divinos existente na alma sem qualquer interesse, chamar a mesa quem não tem nada a lhe ofertar, pois assim é a grandeza e o maior sentimento da caridade.

Entendam que Jesus jamais fora contra a recepção aos amigos e aos afins, pelo contrário, ele nos orienta nesta bela passagem a praticarmos o bem e compartilhar o conhecimento e as conquistas eternas em prol da edificação das almas sem os interesses limitados, pois se ofertarmos algo com interesse à recompensa de que valera a sua intensão, pois aquele convidado ao invés de se sentir satisfeito se sentirá, em muitos casos, na obrigação de ofertar tal é à mesa.  

É fundamental não apenas ao bom cristão, e sim a todos os povos a conservação e a manutenção de um coração sempre benigno e afastado dos vícios que adoecem e corroí o espírito. A existência se faz sentido com a assistência que prestamos uns aos outros. Saibam que não somos uma ilha isolada no meio de um oceano, precisamos de todos, por isso é essencial colocarmos na vitrine as virtudes que nos farão servos do bem, como expor o melhor da paciência, da tolerância, da caridade, da justiça, da gratidão, da honradez, da assistência, do perdão e do amor sem qualquer permuta. E é nas virtudes sagradas que fará do homem o servidor da vontade divina e merecedor de um justo salario.

Autor: Bezerra de Menezes
Escrito por: médium Marcelo Passos, em 23/08/2016.



sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Auxilie




Filhos,

O desejo de ajudar o teu próximo é divino e um dever que havemos de praticar de forma natural na sociedade. Contribuir para que o bem prevaleça determina o universo que construímos ao redor diante o Criador que nos faz filhos da unidade.

A obra do bem que idealizamos independe como se pratica, o essencial é a doação daquilo que recebemos gratuitamente, ou seja, a graça do bem e do amor incondicional nas oportunidades de evolução, se tens um sorriso, estampe-o, se tens uma mão, estende-a e se tens o amor, devote-o.

Não incomum encontrar determinados seguimos e indivíduos com a vontade de contribuir para com a sua sociedade, alguns agem por impulso e outros esperam o melhor momento econômico para pratica-lo.

Cristo no templo vira os abastados depositando quantias significantes na caixa das ofertas e vira uma pobre viúva, que depositara duas moedas, e então chamou os apóstolos e disse-lhes “veja aquela pobre viúva, deu mais que todos”, onde devastada pela guerra em que perdera seu esposo, sem a casa que lhe fora tomada pelos doutores da lei, não tinha o que comer e repousar, e solitária estava, porem guardava aquelas moedas para que um dia lhe pudesse ser útil, e com amor, esperança e fé entregou o seu ultimo folego.

Enfim irmãos, nada desta existência é tão importante quanto à fé que proclamamos a Deus diante a sociedade e os desafios da caminhada, sempre há o que ofertar e auxiliar nesta existência, mesmo que com pouco ou mínimo, o bom da vida é sempre poder ser útil.

Está viúva deu o testemunho silencioso da sua fé, dera o que tinha em sacrifício sem barganhar vantagens e interesses egoísticos ao Criador, pois crede na vida eterna e no poder de altíssimo, enquanto os demais contribuíam com abastadas quantias sem sacrifícios.

Quando nos propomos a auxiliar, devemos está com o coração aberto e genuíno na sua oferta sem quaisquer interesses e aplausos, apenas o de ser discípulos de Deus estendendo a sua mão àquele necessitado. O auxilio que prestamos não se mede pela complexidade e tampouco a quem, a carência na escolhe ritos e classes, todo irmão a qualquer momento necessita exercer e viver desta virtude.

Faça o bem sem condições desonrosa e humilhante a teu próximo, ajude sem esperar recompensas e nunca deixe de exercer o seu sacerdócio a um irmão necessitado de urgências, principalmente se não tem como retribuir os seus honorários, caso contrario nenhuma oferta que vier a fazer aos céus terá valor, pois fugira do verdadeiro ofertório.

Ninguém é tão miserável que não possa ter algo de bom a oferecer a teu semelhante, compreenda que há diversas formas de ajudar, seja com um sorriso, com uma atenção, com um abraço e enfim, Deus nos oferece a todo o momento a condição de praticar toda a instância da bondade. E não espere que tudo fique a contento, exerça a plenitude da caridade na sua probabilidade.

Bezerra de Menezes, escrito pelo médium Marcelo Passos.

19/08/2016.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Desarmando-se das espadas



Filhos,


No pretérito os homens buscavam defender a própria honra e de sua família através de duelos sangrentos que levavam a um derramamento desordenado de vidas que ceifavam nos projeteis ao fim de provar a força e o poder. Este comportamento e essa prática atendiam o homem no exercício e no domínio de sentimentos egoísticos que contrariavam o proposito divino, onde de um lado estava o mais forte que usurpava do poder divino em ceifar a vida do outro e aquele que aceitava o repto e sucumbia por conta da habilidade e menor força física.

As barbáries dos conquistadores banhavam os povoados e as cidades por conta de um domínio social e mesmo pela liderança do medo a uma sociedade simples e acossada por estas praticas. Deus sempre se fez presente na humanidade, como naquele tempo, mas distante dos corações destes homens. Famílias humildes se viam sob as constantes ameaças e marcas da violência por conta das mãos de sangue e do domínio dos ditos senhores advinda das armas e do poderio econômico daquele tempo, se viam obrigados no envolto daquele domínio a atender os mandamentos do medo como lei suprema.

A história fora se avançando como a prática do duelo das armas foi se extinguindo no tempo, as comunidades evoluíam com as leis dos homens aliada a lei de Deus que foram se moldando a um novo contexto, como o valor maior a vida, apesar da existência de crimes que ainda possam abalar as estruturas da alma na eternidade.

O tempo nos mostra que o uso das armas e dos exércitos foi o recurso necessário para os impropérios e conquistas de diversos povos como no Egito ao cumprimento da vontade de Deus na conquista de terras e reinos. E neste tempo em evolução o nosso Senhor fora modificando as conquistas e edificando o reino de amor sem a necessidade de extremos até então praticado. Este tempo se findava com o nascimento de Cristo que veio ensinar a boa nova nos ensinando que as conquistas deveriam ser pelo amor compreensivo a todos deixando as espadas ao chão revelando a todos a existência do paraíso possível a todos nós com as mãos lisas.

Desde a passagem de Cristo e a edificação do seu evangelho muitos costumes como o duelo das armas deixaram de ser praticado na presença livre das cidades como defesa da justiça e da honra, mas o seu principal projetil, ou seja, o orgulho, a vaidade, o poder e o egoísmo ainda impera sobre o coração dos homens que continuam a duelar por razão da vingança e da violência a serviço do pecado maior como meio de satisfazer um afronte.

O duelo das armas minimiza enquanto o duelo do ódio, da magoa, da tristeza, da vingança ainda continuam a fazer vitimas tão quanto às armas que derrubam os homens, como: desejar o mal ao outro por este contrariar sua posição e sentimentos; encolerizar-se contra os pais que dizem não; ao adversário desejar a má sorte; desejar as coisas do seu próximo assim como o seu cônjuge a atender uma satisfação pessoal e desejos; a destratar um irmão pela inferioridade intelecto, social e cultural.

Fraternos, são estes sentimentos acarretados pelo desequilíbrio emocional e o abismo existencial que impede a felicidade humana e retarda a evolução.  Ao homem doente pelo mal não se deve calar diante a uma contrariedade seja ela qual for, há dê-se combater o mal com o mal, segundo suas convicções; já ao filho obediente de Deus traz em seu coração o perdão e a recusa da cólera, ao fraco esta postura traduz a covardia, e a Deus a força justa da conduta, pois somente a ele pertence à verdadeira justiça e também a vingança.

Em momento algum da historia tivemos a autoridade sobre o outro em poder mudar o curso de seu destino já traçado pelo divino, somente nós como individuo, através do livre arbítrio, que poderá reger e moldar o caminho pelas escolhas, mesmo que aconselhado pelo outro a toma um rumo, mas a decisão é exclusiva. De certo que temos responsabilidade para com o destino e a evolução de todos, principalmente quem esta em nosso seio; o governante que recebe a missão de melhorar a sua comunidade; o homem de colocar em pratica o bem a favor a sociedade e oferecer o melhor de si; os pais a missão na educação moral e eterna de seu filho, o filho o dever de obedecer a seus pais e ampara-los em todos os momentos; o professor de ensinar e o aluno a aprender e colocar em pratica o conhecimento adquirido; e ao verdadeiro Cristão seguir as orientações de Jesus como o caminho, a verdade a vida amando uns aos outros; e preservar toda espécie de vida natural como o mineral, o vegetal e também animal fundamental a todo o progresso universal e coletivo.

Quem ama de verdade não necessita das armas para que se faça justiça; quem ama de verdade perdoa e preserva a sua existência ao merecido trono de Deus na paz e na felicidade verdadeira do seu coração; quem ama espera em Deus o seu tempo.

Evite as guerras e promova o amor fraterno que nos levarão sim ao paraíso perfeito.

Bezerra de Menezes, escrito pelo médium Marcelo Passos.
16/08/2016.

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Força da mente



Filhos,

Acreditem, somos responsáveis por tudo àquilo que produzimos em realidade a existência por força de tudo que idealizamos e alimentamos pelo pensamento. E ao contrario de que muitos creem que a sorte está relacionada a uma força oculta, ou em um irmão desencanado e ou mesmo ao seu semelhante na mesma condição encarnada, compreendam que nenhuma situação será permitida a nós sem que tenhamos responsabilidade exclusiva pela força presente da absorção do que desejamos em nossa existência, basta um pensamento para tudo acontecer, seja para o bem quanto para o mal.

Não incomum depararmos como irmãos insatisfeitos e queixosos para com a própria condição, seja ela social quanto emocional do presente, elegendo e buscando encontrar em um terceiro o vilão para os impropérios, sendo que em muitos casos e em sua maioria o seu principal adversário é a sua peculiar consciência diante às escolhas.

Havemos de traduzir de que não há outro meio senão pela resistência do escudo da fé agindo e protegendo-se contra as forças do mal que a todo o instante perturba-nos com as suas ofertas tentadoras aos prazeres momentâneos, levando-nos ao esquecimento de que a vida continua. Muitos perdem seu rumo por atender a seus egoísticos interesses sem se preparar para o futuro, crendo não terem a certeza do que está porvir no amanhã, então não deveríamos sonhar como não deveríamos planejar a felicidade e o sucesso se assim é a consciência.

Infelizmente muitos irmãos querendo fugir das responsabilidades se cegam para a realidade em Deus e preferem acreditar na inexistência de uma vida futura, mas se veem no próprio engano quando livres da obsessão da carne se deparam com uma realidade limitada por não planejarem e não se prepararem, tombando em uma profunda tristeza e no incurável remorso das oportunidades perdidas por consequência do egoísmo.

Quantos de nós em algum momento não imploramos por um milagre a Deus sendo que ele mesmo nos fala que o prodígio está em nossa própria consciência, para isto basta crer em suas promessas sem questiona-los e acatar a realidade do presente que nós mesmos produzimos por espontaneidade.

Não se queixe mais, pois quanto mais encolerizar-nos mais difícil e cansativa será a jornada. Aproveite o momento para trabalhar e merecer aquilo que se busca, se o momento está laborioso, acredite, vai melhorar, tenha bons pensamentos, resignação e continue a vida com gratidão naquilo que o Senhor lhe ofertou, mesmo aquém da sua considerada graduação intelectual e ou mesmo espiritual. De certo que há matérias pontuais e fundamentais que se necessita viver para merecer as melhores condições, e enquanto não graduar nas pequenas matérias não estará apto para as maiores.

Assim como no dia anterior se organizara para hoje, prepare este instante para o amanhã e não deixe que as oportunidades esvaem-se para longe do alcance, pois se deixar passar este instante não se sabe quanto tempo será necessário para que se reconstrua este tempo perdido.  

Jamais despreze o futuro para com as irresponsabilidades do momento, planeje a morada eterna como deseja para si e a todos aqueles que amam no erguimento do império de bons pensamentos na realidade do presente em fraternidade e amor.

Bezerra de Menezes, escrito pelo médium Marcelo Passos.

12/08/2016.

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Templo da fé



Filhos,

Ao longo das eras o desenvolvimento intelecto e cultural do espírito se moldam conforme a sua evolução e também a boa vontade a aprender o que é disposto pelo Criador à educação moral e ao bem coletivo. Ao leitor amigo muitas jornadas já vivenciaram no curso de sua existência e traz consigo as marcas das experiências eternas como ferramenta para este constante e pleno desenvolvimento a sua graduação eterna.

O espírito, razão pleno do existir, pode se equiparar a formação de um tijolo capaz de edificar para sempre uma morada, em que, após muitos procedimentos e técnicas partindo do seu estagio original atinge-se o ponto áureo a está apto a junto de outros a erguer um suntuoso e resistente império. Equiparamo-nos, ou seja, concebidos originalmente do espirito santo de Deus passamos por muitas experiências a atingir o grau máximo de purificação e edificação da alma ao objetivo de tornar-nos rocha segura que nos impulsiona a enrijecer na fé tornando-nos essência da matéria prima do plano de Deus a manutenção e fortalecimento do seu reino.

E sobre a rocha de Cristo Deus nosso Pai dê-o como base solida e segura a erguer o templo do nosso espírito a força da fé envolvente na base segura da eternidade que não há jamais de se ruir. E se em algum momento uma parte de si vier tombar, saiba que na fé a de se reconstruir, e para isto é fundamental que seu alicerce, a fé, permaneça em Cristo, mesmo que a estrutura tenha sofrido algum abalo, mas quem na base tem a solidez da fé basta-lhe a disposição e a boa vontade para o reerguimento tantas vezes quanto for necessário para atingir-se a santificação.

Bezerra de Menezes, escrito pelo médium Marcelo Passos.
11/08/2016.



quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Limites



Filhos,

A prudência é um dos elementos comportamental do homem e de todos os seres para uma jornada justa e equilibrada para o seu progresso. A prudência sugestiona o limite que havemos de impor em nossa consciência para que proporcione a paz entre os povos a uma caminhada pavimentada de sucessos.

O conjunto de crenças, etnias, preferências e demais sentimentos ativos no folclore de uma gente desperta na consciência a liberdade de pensamento e atitudes advinda do Criador a parâmetros e elementos sociais que organizam o homem em sua comunidade em plena evolução.

A divisão social nos traz a lição do respeito uns aos outros como exigimos do alheio. Saber que somos diferentes é o sentido que havemos de despertar no coração a entender que não podemos impor as próprias convicções a uma considerada e única verdade. Se há equívocos ou não somente o altíssimo poderá julgar-nos, pois Ele nos oferece o livre arbítrio a caminharmos seguros a sua eterna morada e a inteligência a conduzir o próprio caminho.

Cada ser traz consigo ao planeta um prontuário a ser cumprido em sua evolução, há aquele que nasce senhores das terras e aqueles servidores que estarão ao seu serviço, mas compreendendo que ambos se completam em sua missão, pois o que seria do patrão sem seu funcionário e vice versa. Cada um traz em sua obra a complementação de sua evolução junto ao outro, e para haver a harmonia e êxito é essencial o limite em todas as ações e sentimentos.

Quando há desequilíbrio ocorre à desunião e as indiscrições que desencadeiam uma série de animosidade entre os homens, pois aonde haveria de conservar o amor e a paz desperta o ódio e as guerras, o que testemunha-se com veemência na sociedade ocasionando perturbação a paz e a felicidade. Sentimentos odiosos alimentados pelo homem propagam-se o orgulho, a vaidade e o egoísmo causador de toda desorganização sentimental, a estagnação e a falência das encarnações que devem ser proveitosa a cada instante a evolução aos mundos mais felizes.

E de quem é a culpa? Todos nós temos a sua contribuição decisiva neste déficit pessoal e social evolutivo que a muito acompanha a comunidade por não crer e fazer à vontade do Pai seguindo as suas orientações sagradas através de Cristo que nos aponta em si, o caminho a verdade e a vida. Quem não despertou em algum momento a ira e a oposição incisiva contra teu semelhante por diversas razões, quantos jamais daria a outra face quando agredido noutra como nos ensinou Jesus? Ao orgulhoso esta passagem retrata fraqueza e covardia, e Cristo nos ensina através desta epigrafe de que a vingança em nenhuma hipótese deve ser praticada.

Muitos irmãos têm dificuldades e dizem que é quase impossível colocar em pratica as lições de Cristo ao caminho do progresso justo e merecido no planeta, mas enquanto não creem no verdadeiro amor e no perdão ensinado por Cristo e nas suas promessas, e se não houver o respeito um ao outro em suas várias manifestações, mesmo que se oponha a seus atos e preferências, e crer que Deus nosso Pai é o único juiz capaz de julgar todas as nossas causas, de certo que as dificuldades serão iminentes.

Entendam irmãos que Cristo nos afaga em seu evangelho a reconfortar o espírito a pratica do bem e do amor ao próximo nos apontando e direcionado a salvação; estende-nos as mãos a nos auxiliar nas dificuldades; a paciência e a atenção a nos ensinar as virtudes eternas que elevarão a alma a paz e a felicidade; e ao Criador que nos oferece anjos através da família, dos amigos e da sociedade ao redor a podermos evoluir e caminhar juntos no amor inspirado na pratica incontestável desta virtude.

Tenham paciência para consigo e seu semelhante, busque resistir às tentações falimentares da alma, se o teu irmão caminha as trevas busque resgata-lo, caso não consiga retira-los pelas mãos, que o salve pela oração, mas não entranhe pelos vales sombrios que este envereda. Vença o orgulho, a vaidade e o egoísmo de si próprio e creia na justiça de Deus, pois toda ação da criatura humana é registrada e nenhum ato será esquecido e desprezado, pois todo aquele que é injustiçado, humilhado, desprezado, e esteja cansado terá justiça divina, será exaltado na gloria, elevado na paz na felicidade do amor e reconfortado na gloria de Deus.

Bezerra de Menezes, escrito pelo médium Marcelo Passos.
10/08/2016.



segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Ame os inimigos



Filhos,

Os desafios em sobreviver em terra conflituosa como o planeta traz o compromisso para com o evangelho consolador em obediência ao testamento de Cristo que nos orienta a todo o instante a pratica do bem e do amor em toda sua extensão. Não chegaremos ao Pai sem o caminho por Cristo e não alcançaremos a salvação sem a prática da caridade.

E o que na caridade se entende quanto à salvação? É na sagrada virtude se estendendo a todos na prática do bem, principalmente aqueles que nos traz desafios quanto ao equilíbrio do espirito na resistência as tentações. O amor esta além das manifestações afetivas. O amor traz a interpretação de não praticar os atos nocivos em que somos muitas vezes envolvidos hasteando a bandeira da paz.

Na concepção de muitos irmãos a efetiva posição desta passagem do evangelho é difícil e mesmo de impossível pratica devido à dureza dos corações, em que a viseira do egoísmo, da inveja, do orgulho e da vaidade impede o acesso e a visão do amor em sua atividade, aonde a razão muitas vezes se torna o opio da comunidade que afastam o homem da verdadeira e pura felicidade. Quando Cristo nos ensina a amar os inimigos, em nenhum momento nos orienta a termos a mesma simpatia equivalente para com aqueles que fluem de uma simpatia e confiança de amabilidade, nos orienta a compreender as fraquezas e buscar a superioridade na oração resistindo toda forma conflituosa mesmo que este possa emanar sentimentos odiosos.

Cristo nos orienta a afastar-nos de todos os conflitos que inflamam o ódio e a malevolência que causam perturbação e serve de alimento para a discórdia e as guerras provenientes destes desagradáveis sentimentos ofertados pelo mal.

Se não podes ofertar a luz a teus inimigos pelas trevas que o sustentam, ao menos leve a oração no caminho deste desviado. E não ateie à implosão dos males na sociedade que tornará a própria estrada insustentável a pratica do bem, do amor e da paz.

É tempo de amor, é tempo de perdoar, é tempo de orar, é tempo de conciliar entregue a arma da solidão e evite as guerras, capacite a sua sociedade a luz do evangelho e da respeitabilidade. Caso não haja espaço em seu coração para acolher o teu semelhante que lhe causa ou causou algum embaraço, ao mesmo faça deste e da sua comunidade a vibração de oportunidade efetiva da fraternidade que desejas para si e para os seus. Se não tens algo a acrescentar de positivo a teu semelhante, ore; se não podes dizer algo que o auxilie, silencie. Pois assim também esse exerce a caridade.

Bezerra de Menezes, escrito pelo médium Marcelo Passos.
08/08/2016